terça-feira, 18 de agosto de 2009

Esqueça as nódoas, confie no rosa?


Esta não sei se é uma mensagem subliminar, o facto é que é um slogan estúpido de um detergente que promete o que não consegue, o normal, atendendo que há detergentes que prometem famílias felizes, horas de diversão e um mais arrojado que garante que nenhum casal vai conseguir ir zangado para a cama…
Mas esta mensagem dá-me que pensar porque parece articulada com outras mensagens espalhadas por grandes cartazes em todas as esquinas, junto a todos os parques de estacionamento, junto a cada paragem de autocarro.
Nesses cartazes diz-se que juntos conseguimos várias coisas, por exemplo novas oportunidades para mais de novecentos mil portugueses, ocorrem-me de imediato os cerca de novecentos mil que em vez de uma habilitação literária retirada da sua experiência de vida ganharam uma viagem infernal pelo desemprego sem subsídio; noutro fala-se dos medicamentos genéricos gratuitos a idosos carenciados, noutra ainda do complemento social a idosos carenciados, só me lembro de muitos idosos que conheço que sobrevivem graças ao apoio familiar e que um dos espelhos da civilização será a forma como um país, um povo, uma comunidade, trata, cuida do passado e do futuro, por outras palavras, as crianças e os idosos, ou seja, quem trabalhou toda a vida deverá fazer prova da sua insuficiência económica para garantir a sobrevivência ou a sua medicamentação, por outro lado ainda parece que todas as crianças estão a aprender inglês, importante, especialmente porque deparo com dois primos, um com formação superior, o outro não que tiveram de procurar a sua sobrevivência na Grã Bretanha, será isso que perspectivamos já à distância? Ou por outro lado as crianças aprendem inglês nas escolas longe de casa, porque as que existiam ali foram fechadas e são transportadas em carrinhas de Autarquias, muito cedo, cedo de mais por vezes, para regressar ao fim do dia a localidades com as quais cada vez criam menos laços, que no futuro poderão ficar mesmo vazias de gente, como tal estão ocupadas todo o dia, carrinha, viagem a recolher outros meninos, escola, mais escola, incluindo o inglês, claro, com pouco tempo de facto para ser crianças…
Que fique bem claro, não sou contra medicamentos genéricos, nem contra sistemas de segurança social, nem mesmo contra a criação de novas valências no ensino, o que me aborrece é que dois maus não fazem um bom, um remendo não torna nova a coisa que remendou, uma solução de recurso não é o que faz falta, que a caridade não pode substituir um sistema justo, o que me aborrece é que não basta disfarçar ou esquecer as nódoas para que deixem de existir…

12 comentários:

J.S. Teixeira disse...

Estou farto de ouvir de ouvir esse slogan e nunca pensei nisso. Fantástico.

mugabe disse...

Boa Ana, vejo que continuas no vício, mas olha alijeira, dá prioridade aos mergulhos, à contemplação e aos fins de tarde com Whisky...continuação de belas férias..!!

Abraço!

Zorze disse...

Ana,

Somos governados por incompetentes há tempo demais.
Esse é o grande bloqueio do País.

Beijos,
Zorze

savimbi disse...

Os gatunos da praxe a que estamos habituados,..os de colarinho branco é que a sabem toda,.. primeiro gamam o dinheiro para depois "comprarem" o "detergente"!

Abraço!

Marta disse...

Boa tarde Ana Camarra.

Chamo-me Marta Furtado e estou a colaborar com uma nova editora, aliás uma nova forma de editar, a Bubok, que depois de um sucesso enorme em Espanha está também disponível para os autores portugueses em www.bubok.pt. Romances, fotografias, receitas de culinária, monografias, diários de viagem, conselhos, catálogos, etc, tudo pode ser publicado na Bubok.O sucesso da Bubok em Espanha é muito fácil de explicar, todos podem publicar gratuitamente e a margem para o autor é de 80%!
Não preciso de dizer mais, pois não?

Se gostou da Bubok.Pt e pretende ajudar-nos a divulgar este projecto a todos os autores que queiram publicar os seus conteúdos, pedimos-lhe que inclua um link para o nosso blog na sua lista de links: http://www.bubok.pt/blog/

Visite a Bubok Portugal e, se tiver alguma dúvida, escreva-me para: marta.furtado@bubok.com.

Akhen disse...

Sabes Ana, o problema é que tudo o que tem sido pensado e feito, tem sido com o beneplácito, dos rosas (os tais que como o tal detergente da mesma cor são uma fraude) ou de um detergente, dum pacote cor de laranja que também não presta.
Só que o laranja já se sabe que não presta, enquanto o rosa engana muita gente.
Por outro lado, os publicitários dessas duas marcas, além de não prestarem e serem exagerados, são "genéricos" o que, como se sabe, não correspondem a um produto original e de confiança.
Qualquer semelhança com a marca que eu uso é pura coincidência.

Fernando Samuel disse...

E tens muita razão para te aborreceres com essas coisas todas...

Um beijo.

O Puma disse...

Admito que tenha toda

mas toda

a razão

Na verdade é preciso

continuar

a avizar a malta

Diogo disse...

É a face mais rosácea de Sócrates. Todos juntos iremos para o fundo, excepto as rosas, as laranjas e os interesses para quem eles labutam.

Beijo.

José Gil disse...

Olá Ana. Ainda bem que mudaste de opinião e começaste a escrever sobre política.

Ora então cá vamos. A questão das Novas Oportunidades. Consideras bom ou mau programa? É que a questão dos desempregados nada tem a ver com este assunto.

Olha e já agora quanto tempo máximo é que consideras para que um desempregado esteja abrangido pelo Subsidio de Desemprego? Sabes quem paga esse dinheiro?

O rendimento para os Idosos. O Rendimento abrangeu até agora 200.000 idosos, ou seja 200.000 idosos que passaram a estar acima do limiar de pobreza. Deveria ter chegado aos 300.000. Não será uma boa medida Ana? Então o que seria uma boa medida na tua ideia? Aumentar-se a Pensão minima certo? Estás disposta a descontar mais d teu vencimento?

O Ensino do Inglês na Primária! Oh Ana então amiga? Sabes o quão errado é pedagogicamente haver turmas com 1 só aluno? E em termos de custos? Ter uma escola aberta para lá haver 1 só aluno e um só professor? Ainda assim... És contra o ensino de Inglês na Primária?

Falas do desapego à terra. Como sei que és curiosa, vê o que se está a passar na Ilha do Corvo, a mais pequena ilha dos Açores. Vê se os jovens não querem voltar para lá.

Tens razão... O slogan é mesmo estupido.

Um beijo grande e é com muito gosto que vejo que te dispões a falar sobre estes assuntos.

J.S. Teixeira disse...

Samuel Cruz, candidato à Câmara pelo PS no Seixal, continua a sua demanda de victimização. Vejam porque no blogue O Flamingo

Ana Camarra disse...

JS Teicxeira-Tenho esta psancada com a publicidade...

Mugabe-Mergulhos, leituras, caipirinhas, mariscadas, sestas e uns escrevinhaços...

Zorze-È capaz de ser preciso uma limpeza Tide?!


Savimbi :)

D. Marta-Depois das minhas férias, sim?

Akhen-Impõe-se umsa mudança das cores. De qualquer das formas rosa e laranja sãoi cores secundárias feitas com base em misturas!

Fernando Samuel- Este mau feitio.

O Puma-SEMPRE!

Diogo-Têm boias, nós não.

Zé Gil-Não me vou esticar na resposta porque não me apetece, estou de vacances, mas: se tiver uma casa velha prefiro mudar a canalização em verz dos azulejos, neste país anda-se só a mudar os azulejos e as louças. Quem paga o apoio aos desempregados também são os desempregados em quanto trabalham, basicamente sou contra esmolas, precisamos de estruturas, sendo contra esmolas, prefiro pensões condignas, prefiro que estejemos livres do jugo da industria farmaceutica e com medicamentos acessiveis. Prefiro que existam escolas, mesmo com poucas crianças, sem escolas a desertificação do interior acentua-se, preferia que antes das aulas de inglês fossem arranjadas as escolas degradadas, algumas centenárias, alugumas em pavilhões, em vez de serem tranferidas para as autarquias sem verbas, só com as escolas estragadas.
Isto sou eu!
Quanto ao meu dinheiro, custou-me ir para estádios de futebol e outras coisas desse calibre, isso sim, até doeu!
Para mudar algo estrutural ficava feliz afinal eu sou daqueles que paga sempre o bom e o mau. Não tenho escolha.
Por fim esqueci-me anti pedagógico será também um gaiato de 6 anos acordar ás 6 da matina para ir de carrinha de aldeia em aldeia a recolher outros para chegar á escola mais próxima ás 8 da matina, ou não?
E lê tudo outra vez porque eu digo que não sou contra nada disso, ai o menino!
Vou beber uma capirinha á tua saude!

JS Teixeira A minha net portatil não me permite muita navegação depois ponho-me em dia...

Beijos