Pronto não me posso esquecer amanhã de lhe telefonar, passo todos os dias e não espremo cinco minutos para um olá?!
Espremes, se quiseres, não queres porque sabes que nas palavras meigas, vai-te recriminar pelo silêncio, em surdina de palavras nunca ditas, com alegria contida na voz apesar de tudo, pela falta de tempo que lhe dispensas, por só disponibilizares esse olá. Por não arranjares tempo para te sentares na cadeira de verga, como sempre fizeste, teres paciência para os movimentos cada vez mais lentos, para veres outra vez fotos amarelecidas, de cartão, centenárias, onde se olham bisavós, trisavós, tios que nunca viste mas até achas que conheces, porque sempre no mesmo tom de voz ela explica-te.
Eles apresentam narizes finos e compridos, diferentes do teu arrebitado, cabelos louros como os teus são escuros, peles alvas como a tua é azeitonada, olhos pequenos que se adivinham claros, tanto como os teus são escuros e grandes.
Ainda assim ela diz sempre naquele tom que nunca se altera, educado e meigo, que são o teu sangue também, que também fazes parte daquele conjunto.
E sorris para ela, olhas para os cabelos já brancos onde se adivinham uns restos de louro pálido, a pele mais branca que leite, onde se adivinham todas as veias, os olhos pequenos de um azul-bebé descorado, mas que ainda assim expressam uma ternura infinita.
Os anéis e pulseiras que conheces desde sempre, sabes de quem foram...
Não tens tempo para mais que um olá a contra relógio, porque até nem gostas de ir ao micro quintal, que sobrou de várias obras e parcelas que foram vendidas, com uma laranjeira órfã, onde dantes se viam gamboeiros, limoeiros, arvores de doce lima, canteiros de hortelã, galos e galinhas livres, um monte de areia onde construías barricadas, fortes, castelos, mimos de pastelaria, tudo em areia.
Não queres ter tempo para vagarosamente veres retirar de arcas amostras de bordados, daqueles que te tentavam ensinar, na tentativa quase inglória de te dar a instrução requerida a raparigas de outros tempos, apesar de tudo aprendeste, faze-los de uma forma estranha, subvertendo esquemas desenhados em papel de quadradinhos minúsculos, subvertendo esquemas de cores, a fazeres tudo de uma forma quase anárquica.
Ainda assim ela diz feliz que fazes bem, que está bonito.
E se deres mais um pouco de ti, mais do que um olá apressado ao telefone, ela irá recarregar as suas baterias, de mulher mal amada, contida por milhares de convenções, que sempre se adaptou ao que outros queriam, esperavam dela, achavam que seria normal, próprio, adequado, mas que ainda assim tem por ti uma ternura sem limites, desde o dia em que nascestes.
Filha de outro sangue, onde o dela também corre, apesar de que, olhando para as duas, não se descobrir nenhuma afinidade.
Ainda assim, sabes que ela tem saudades dos gamboeiros, de te ver brincar na areia, que se sente feliz por te ver mulher, tem orgulho em ti, por viveres a vida que nunca viveu.


E espera mesmo que seja pelo olá a contra relógio, pelo telefone

Comentários

Anónimo disse…
Óh Ana

Que texto assombroso!
Amiga, por favor escreve o tal livro, copia isto tudo, maravilhoso...

Um beijo

Lena G.
Conde disse…
Fiquei intrigado ,não será a tua Mãe,a foto parece ser muito antiga.
Mas muito antiga qual o contexto em que uma mulher naquele tempo pega num sextante?mesmo sendo para a foto.
Ana Camarra disse…
Lena - Ando a pensar nisso, com tanta insistencia.

beijos
Ana Camarra disse…
Conde

As fotos não são da minha familia, até porque as da minha familia não estão nas minhas mãos, escolhi a da mulher com o sextante porque:
-Adoro o mar (isso já percebeste)
-As mulheres da minha familia dividem-se entro mais convencional possivél e o oposto.
-O sector da familia que refiro neste texto veio da Cornualha, o patriarca era Engenheiro Naval,portanto achei que tinha tudo a ver.
Ainda conheci o oculo de longo alcance dele, de latão, forrado a pele.
Ainda existe o seu diário pessoal, com relatos das viajens, do estado do mar, das escapadelas amorosas, também...
Portanto tenho uma veia marinheira!

As fotos da minha familia tem uma diferença substancial destas, são todos muito mais louros....

beijos
Diogo disse…
Escreves maravilhosamente. Consegues colar-nos exactamente ao que vai na tua alma. Escreve, minha amiga. E publica.

Beijo
Ana Camarra disse…
Diogo

Obrigado uma vez mais.
Escrevo o que me vai na alma.

beijos
mugabe disse…
Ana, gostei dessa da alma marinheira, pois também sou para aí virado. Pressupõe aventura não ?

E quanto ao livro olha se publicares eu juro que vou comprar e ler.

Abraço!
Ludo Rex disse…
Já há pouco tentei comentar mas o Blogspot não aceitava o comentário.
Magnifico escrito, como já nos habituaste... Venha o Livro!
Kiss
salvoconduto disse…
Quando puderes vai lá, que ela merece.

Abreijo.
Ana Camarra disse…
Mugabe

O mar é um apelo formidavél.
Todas as grandes aventuras passam pelo mar.


Ludo

Pois não sei amigo, por vezes a internet faz birras.


salvoconduto

Tenho de ir mesmo, merece muito!

beijos
PDuarte disse…
claro que está bem escrito. isso para mim não é novidade nenhuma. tu tens o dom do bem arrumar as letras.
mas só me ficou uma dúvida. falas da tua mãe ou de uma das tuas avós?
acho que isso ficou omisso.
um beijo.
Agora fiquei assim...
saboreando
de olhos pregados
e assim vou ficar
por momentos...!

Obrigada!!! Beijos

ausenda
Ana Camarra disse…
pduarte - Já não tenho avós. A minha mãe não é, é uma familiar, que me é querida, pessoa doce, que nunca teve filhos, de quem gosto muito.

Ausenda-Eu é que tenho de agradecer.

beijos
Capitão Merda disse…
Bom fim-de-semana, Ana!
Fernando Samuel disse…
Um grande texto - a juntar a vários outros.

(li, ali atrás, zunzuns sobre uma publicação... e acho que é uma boa e útil ideia)


Um beijo amigo.
SENSEI disse…
Descalça vai para a fonte
Leonor pela verdura;
Vai fermosa, e não segura.

Leva na cabeça o pote,
O testo nas mãos de prata,
Cinta de fina escarlata,
Sainho de chamelote;
Traz a vasquinha de cote,
Mais branca que a neve pura.
Vai fermosa e não segura.

Descobre a touca a garganta,
Cabelos de ouro entrançado
Fita de cor de encarnado,
Tão linda que o mundo espanta.
Chove nela graça tanta,
Que dá graça à fermosura.
Vai fermosa e não segura.

Luís Vaz de Camões

Xôxos repenicados

Ouss
José Gil disse…
É mesmo lindo. Ana estou de acordo... Para quando esse livro? O texto é adorável (tal como a minha amiga) a Escrita é inteligente, escorreita e delicada, quase que fina.

Um Beijo delicioso, para uma autora deliciosa
CRN disse…
Ana,
Rapidamente e em força!
Venho o compêndio.

A revolução é hoje!
Ana Camarra disse…
Capitão – Para ti também, amigo.

Fernando Samuel – os zunzuns são ideias de alguns comentadores e amigos, mas não sei se os meus escrevinhanços são dignos de tal coisa.

Sensei – Camões é assim, intemporal, Leonor será sempre formoso e não segura, para a eternidade.

José Gil-Não sou adorável, sou uma mulher que usa a escrita como escape do seu dia a dia, para exprimir as suas alegrias, inquietações, frustrações, carinhos.

CRN – Não sei amigo, deixa ver.

Beijos