sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Lusofonia ainda - Um discurso exemplar...





Ainda na Lusofonia e porque me mandaram esta pérola por mail, é a prova que existem coisas muito dignas de registo por parte dos povos que descobrimos ou que encontrámos será mais o termo.
Coisas pelas quais podemos ter um orgulho paternal.

Este discurso merece ser lido, afinal não é todos os dias que um brasileiro dá um baile educadíssimo aos Americanos...

Durante um debate numa universidade dos Estados Unidos o actual Ministro da Educação CRISTOVAM BUARQUE foi questionado sobre o que pensava da internacionalização da Amazónia (ideia que surge com alguma insistência nalguns sectores da sociedade americana e que muito incomoda os brasileiros).
Um jovem americano fez a pergunta dizendo que esperava a resposta de um humanista e não de um Brasileiro.
Esta foi a resposta de Cristovam Buarque :

De fato, como brasileiro eu simplesmente falaria contra a internacionalização da Amazónia.
Por mais que nossos governos não tenham o devido cuidado com esse património, ele é nosso.

Como humanista, sentindo o risco da degradação ambiental que sofre a Amazónia, posso imaginar a sua internacionalização, como também a de tudo o mais que tem
Importância para a humanidade.

Se a Amazónia, sob uma ética humanista, deve ser internacionalizada, internacionalizemos também as reservas de petróleo do mundo inteiro... O petróleo é tão importante para o bem-estar da humanidade quanto a Amazónia para o nosso futuro. Apesar disso, os donos das reservas sentem-se no direito de aumentar ou diminuir a extracção de petróleo e subir ou não seu preço.

Da mesma forma, o capital financeiro dos países ricos deveria ser internacionalizado.
E a Amazónia é uma reserva para todos os seres humanos, ela não pode ser queimada
Pela vontade de um dono ou de um país.

Queimar a Amazónia é tão grave quanto o desemprego provocado pelas decisões arbitrárias dos especuladores globais.
Não podemos deixar que as reservas financeiras sirvam para queimar países inteiros a volúpia da especulação.

Antes mesmo da Amazónia, eu gostaria de ver a internacionalização de todos os grandes museus do mundo.
O Louvre não deve pertencer apenas à França. Cada museu do mundo é guardião das mais belas peças produzidas pelo génio humano. Não se pode deixar esse património cultural, como o património natural Amazónico, seja manipulado e destruído pelo gosto de um proprietário ou de um país.

Não faz muito tempo, um milionário japonês, decidiu enterrar com ele, um quadro de um grande mestre.

Antes disso, aquele quadro deveria ter sido internacionalizado. Durante este encontro, as Nações Unidas estão realizando o Fórum do Milénio, mas alguns presidentes de países tiveram dificuldades em comparecer por constrangimentos na fronteira dos EUA.

Por isso, eu acho que Nova York, como sede das Nações Unidas, deve ser internacionalizada.
Pelo menos Manhattan deveria pertencer a toda a humanidade.
Assim como Paris, Veneza, Roma, Londres, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, cada
Cidade, com sua beleza específica, sua história do mundo, deveria pertencer ao mundo inteiro.


Se os EUA querem internacionalizar a Amazónia, pelo risco de deixá-la nas mãos de brasileiros, internacionalizemos também todos os arsenais nucleares dos EUA.
Até porque eles já demonstraram que são capazes de usar essas armas, provocando uma destruição milhares de vezes maior do que as lamentáveis queimadas feitas nas florestas do Brasil.
Nos seus debates, os actuais candidatos à presidência dos EUA têm defendido a ideia de internacionalizar as reservas florestais do mundo em troca da dívida.

Comecemos usando essa dívida para garantir que cada criança do Mundo tenha possibilidade de COMER e de ir à escola.

Internacionalizemos as crianças tratando-as, todas elas, não importando o país onde nasceram, como património que merece cuidados do mundo inteiro.

Ainda mais do que merece a Amazónia. Quando os dirigentes tratarem as crianças pobres do mundo como um património da Humanidade, eles não deixarão que elas trabalhem quando deveriam estudar, que morram quando deveriam viver.

Como humanista, aceito defender a internacionalização do mundo. Mas, enquanto o mundo me tratar como brasileiro, lutarei para que a Amazónia seja nossa.

Só nossa!

Este discurso não foi publicado.
FOI CENSURADO!

23 comentários:

Anónimo disse...

Ana

Que posso dizer.
Fico esmagado, dois textos fenomenais, musica soberba, a esperança e a desilusão, a alegria e a tristeza...
Que lindo amiga, que linda cabeça que tens.

beijões

Zé Manuel

Eduardo disse...

Anita

Não conhecia este discursao, fantástico de facto.
Ainda bem que a Ana é uma mulher atenta e consciente do mundo...

O de baixo pois é isto está a caminhar no mau sentido.

Mas há esperança, pelo menos enquanto houver pessoas assim.

beijos

Anónimo disse...

Olha o Terra, já não ouvia isto é bué...

Boa, granda pinta, nunca falhas...

AnA disse...

já conhecia, e gosto particularmente do último parágrafo. :-) bjitos

mugabe disse...

Ana, parabens e obrigado por este post:

Cristovão Buarque já não é ministro da educação do Brasil, o que é pena, o Lula prefere os tangas aos sérios,... Buarque depois de Lula lhe passar a perna até saiu do PT desiludido com o partido e com o presidente, é assim, os interesses antes da razão e da seriedade.
Obrigado também pela foto de Veneza, também tenho muitas,...cidade que conheço bem e que é única e absolutamente fantástica. Abraço!

SENSEI disse...

Já conhecia este discurso, que foi de facto censurado, mas nem por isso deixou de ser conhecido.

Depois de um discurso destes, que mais há a dizer?

Porque teimam os povos em dormir?

Eu sei a resposta!... Mas jamais me conformarei com ela.

Ouss

Ana Camarra disse...

Zé Manuel - Obrigado, mas não fiques esmagado, resista luta por um mundo melhor.

Eduardo - Mais esperança haverá quando todos tivermos estas posturas de dignidade.

Ana - Pois eu também gosto.

Mugabe - Pois o Lula anda um bocado descanbado, já estou com dor de cotovelo por causa de Veneza a ver se aquilo não afunda antes de eu morrer....

abreijos

Ana Camarra disse...

Sensei

Só sei que é preciso acordar a malta como cantava Zeca...

bjks

José Gil disse...

O texto é fenomenal e cheio de razão. Pudera que tenha sido censurado.

Já agora gostaria de saber qual a sua opinião sobre as noticias de hoje sobre a "guerra" entre a Geórgia e a Rússia, pelo controlo da Ossétia do Sul?

Beijo

Ana Camarra disse...

Zé Gil

Não vi amigo, estou a trabalhar desde as 8h30 da manhã, vou blogando nas pausas, no meu portatil com a minha net (note-se).
E pelo andar da carruagem hoje também não vejo, amanhã, entre compras e tarefas domésticas irei ler o jornal e informar-me.
Pois o discurso é fenomenal, não é?

beijocas

CRN disse...

Olá Ana,
Um texto, que se conhecia não me lembro, fundamental expôr, esta é a classe de étca que os Portugueses devem ter com eles mesmos, muito bom este post, varia pela dimensão.
A música, do melhor, bastante adequada.
A fotografia do tucano.. O Sebastião Salgado, com musica de chico Buarque e poemas de Saramago, lançou uma colecção sobre os sem terra, povo escurraçado por culpa desta mesma expropiação do património da humanidade, que, penso, tem alguma que poderia ser acrescentada a este, reitero, excelente artigo.

Cumprimentos.

Ana Camarra disse...

Crn - Sebastião Salgado é outro exemplo da grande dimensão humana.
Os sem terra são outro drama.
Obrigado pelo teu comentário.

Abreijo

Anónimo disse...

Miuda

Pensavas que hoje passavas em branco...
Nã.
Pois está muito bem, isto está a ficar uma rebaldaria pior que o normal.
O sr. Brasileiro diz coisas muito bonitas mas os gajos não vão nisso.
De certeza, os tubarões é só venha a nós.

Será que querem internacionalizar a Mata da Machada?

beijões

El niño passou por aqui.

salvoconduto disse...

Excelente e excelente música a companhar!

Ferroadas disse...

Está tudo aí, o texto (excelente), a música (soberba) e o teu toque.

Parabéns.

BJS

Anónimo disse...

Já conhecia... enfim (suspiro).
Também gosto muito do Chico.
Abraço,
pbruno

Zorze disse...

Também já conhecia, é um discurso simplesmente espectacular. Muita inteligência e de um brilhantismo exemplar. Vai onde dói mais às elites que querem proteger os seus interesses.

Beijos,
Zorze

Ana Camarra disse...

Paulinho - Infelizmente tens uma certa razão.

Salvoconduto - Ainda bem que gostas.

Ferroadas - Obrigado

bjks

Ana Camarra disse...

pbruno-ò rapaz a suspirares dessa maneira e com a perninnha em gesso...
Não está cá só Chico (que adoro) está uma grande selecção de brasileiros.

Zorze - Pois é amigo.

bjks

samuel disse...

Texto extraordinário!
Obrigado!

Abreijo

Menina Idalina disse...

" E enquanto me for possível empurrar as palavras contra a força deste mundo , esse poder será tremendo, pois quem constrói prisões expressa-se sempre pior do que quem se bate pela liberdade . E no dia em que o meu silêncio me restar como defesa , então será ilimitado , pois gume algum pode fender o silêncio vivo " Stig Dagerman

Aqui te deixo uma citação de um dos maiores escritores suecos .
Um bj

Ana Camarra disse...

Samuel-Obrigado eu.

Menina Idalina - Belo texto, não conhecia, muito obrigado.

Abreijos

Ludo Rex disse...

Mais, Internacionalização da Amazônia: uma questão de soberania
http://opiniaoenoticia.com.br/interna.php?id=16663
Kiss