Olhou para mim com ar de desafio


Passo sempre apressada pelo espelho, limito-me ao mínimo indispensável, depois nunca soube, nem quis aprender os truques de transformação do rosto, os pós sobre pós e outras maquilhagens, só o mínimo, com o tempo também fui ficando desagrada com o espelho, por vezes devolvia-me uma imagem estranha: uma mulher de olheiras e olhos cansados, vagamente parecida comigo, uma mulher com um olhar vago e perdido, por vezes com um olhar triste, angustiado. Deixei de olhar para o reflexo, passei a olhar para por partes: o cabelo, um olho, os dois olhos, o lábio, os dois lábios, o queixo…
Hoje surpreendi-me com a mulher que vi, assim á minha frente do outro lado do espelho, não sei se foi o cabelo que cresceu, se a cor da camisola, seja o que for aquela mulher do outro lado surpreendeu-me, os lábios cheios e olhos grandes que advinham nas imagens de anos passados, mas mais que isso apesar de linhas diferentes, apesar de tudo, um ar confiante, quase desafiador, um meio sorriso de quem guarda um segredo qualquer que não quer partilhar, um ar de brincadeira no olhar.

Comentários

Geronimo Lobo disse…
Gostei. Essa imagem no espelho só pode ser a da segurança da maturidade. Parabéns pelo texto e pela imagem reflectida... no espelho.
sagher disse…
o teu eterno olhar de menina irrequieta e inquieta
duarte disse…
os espelhos nunca estão iguais...é uma chatisse :)
abraço grande.
Fernando Samuel disse…
Tudo vai bem quando o espelho «fala» assim...

Um beijo.
SENSEI disse…
Espelho, espelho meu! Porque razão não me mentes de vez em quando?

Ouss
Zorze disse…
Vê lá se não é só o espelho que surpreendes, menina!