quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Em espera


Ando à espera há algum tempo
Há espera como se liga para um
Telefone ocupado
Como quem fala só
E espera o eco da sua voz
À espera da maré-cheia
Da maré vaza
Da altura perfeita e do
Tempo conveniente
Do dia certo
Da hora exacta
Das circunstâncias ideais
Não espero mais

7 comentários:

Zorze disse...

É uma decisão tua. Na tua vida mandas tu, as dos outros mandam os outros. E todas elas se interligam e dependem, uns dos outros, muitas vezes em fronteiras invisíveis, noutras abusivas.

Por outro lado, por vezes, em micro-segundos, na decisão de não esperar, no outro lado, decide-se falar e/ou ouvir.
Quase ao mesmo tempo, mas já, sob como facto irreversível.

Beijoca,
Zorze

Zorze disse...

O "sob" é para baralhar.

sagher disse...

E que não esperas mais?

Fernando Samuel disse...

Quem espera sempre alcança... se esperar lutando...

Um beijo.

Geronimo Lobo disse...

Gosto da escrita, crua, definida, precisa.
À felicidade nem sempre sobra tempo para esperar por nós.

Geronimo Lobo disse...

Gosto da escrita, crua, definida, precisa.
À felicidade nem sempre sobra tempo para esperar por nós.

SENSEI disse...

Detesto esperar!

Ouss