terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Interior


Estas são imagens de mim, da minha perna depois de aparafusada e soldada, tem sido isto que me tem mantido inactiva, dependente, aborrecida…

São imagens interiores não retratam todo o meu interior só estas perspectivas deste pedaço quebrado, outros pedaços quebrados dentro de mim, foram soldando de outra forma, não se conseguem ver mesmo com Raio X, estes sei que me doem e vão doer sempre que o tempo mudar, sempre que eu me esquecer e tiver tempo demais de pé, os outros não obedecem a mudanças climatéricas, por exemplo dói-me sempre uns buracos com que fiquei no peito, um por cada pessoa que partiu da minha vida, existem dias em que a dor é mais ou menos atroz, outros dias não, é quase só uma comichão, assim como um arranhão quase curado, também existem dias em que mais que o buraco da falta fica só o calor que deixaram ao passar por mim, a minha avó luminosa, o meu pai e as minhas tias cúmplices, deixaram assim calor, umas brasas mornas. Depois há outras pequenas dores, como pedaços de tecido muito puído, na maior parte dos casos, as oportunidades perdidas, todos as montanhas da vida escaladas a pulso, todas as batalhas travadas em conjunto ou só por mim, todos os abandonos, solidões, palavras guardadas que nunca foram ditas, ficam assim em pedaços demasiado finos como nuvens baixas. Ainda assim no meu interior existe mais, existe o canto quente e morno onde germinaram os meus filhos, todos abraços e beijos apaixonados, todas as gargalhadas dos amigos, e mais que os desencontros e desacertos da vida existe espaço no meu interior para os incontáveis momentos perfeitos que guardo cá dentro.

8 comentários:

Jorge disse...

é pá, isso não enferruja nem nada ,? ahahahahah

Vá,..vai ficar tudo bem, beijinho grande !!

Maria disse...

É um texto bonito, tão ao teu jeito...
E dentro de ti existe ainda um espaço enorme, à espera de ser preenchido pela alegria das lutas que nos esperam!!!

Um beijo, Ana

o vizinho de cima disse...

isso agora pode vergar, mas já não parte.

já andas como uma pessoa normal?
é que quero companhia prás bolas de manteiga....bora lá!

beijo

Fernando Samuel disse...

E isso é o mais importante.

Um beijo.

Zorze disse...

Ana,

As dores e tristezas, são escola da nossa vida.

O que interessa é que já pões o pézinho no chão e qualquer dia vais tirar esses piercings gigantones.

Beijos,
Zorze

O Puma disse...

Força

de corpo inteiro

Anónimo disse...

Sério, não te imaginava "piercingada" dessa maneira.
sabia que tinhas o pé e a perna empanados, mas só imaginava gesso!!!

Aninha, mais um bocadinho de paciência, vais ver que ainda escreves um belo guião para uma novela, com este assunto!

Um beijo

Lagartinha de Alhos Vedros

Anónimo disse...

O pior vai ser se tiver de viajar de avião, para o estrangeiro. Eu tenho um fémur de platina e de cada vez que viajo é uma "tourada" no detector de metais dos aeroportos.
Perco sempre uma hora e mais até a polícia confirmar o meu problema.
Espero que não lhe aconteça o mesmo.