segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Reinventar



Ela agarrou e escovou o cabelo uma vez mais, para dar aquele toque que sabia que ele gosta, um ar falsamente desarrumado, colocou o perfume, que ele também gosta, nos pulsos, na nuca, para que quando ele lhe beijar o pescoço e arranhar um pouco com a barba fim do dia, dizer baixinho “cheiras bem!”.
Vestiu aquela camisola, aquela que lhe deixa os seios a espreitar, malandros e convidativos, as calças que atenuam a largura da anca, hesitou entre o colar e o lenço, mas o lenço tem cores que chocam com a sua pele, fazem contraste, é mais versátil, pegou na mala, mais uma das malas, daquelas que ele reclama que invadem tudo, mas que ele teima em oferecer sempre mais uma, colocou um toque de pó nas pálpebras, para disfarçar as olheiras, sacudiu da cabeça as chatices acumuladas do dia, as contas feitas para esticar o orçamento familiar, as preocupações face ao futuro a curto prazo, porque a longo não vale a pena, a quantidade de sonhos e projectos, feitos, refeitos e desfeitos. Despediu-se dos filhos entregues a um jantar pronto a aquecer no microondas, lavados, de pijamas e brinquedos espalhados, fez recomendações e saiu.
Ele tirou a gravata mas passou os dedos pelo cabelo, olhando pelo retrovisor, passou do rádio para o som do cd com contrabaixos graves, pianos cantantes, a bateria lá ao fundo, o trompete desesperado, que sabe que ela gosta.
Por um pedaço, um resto de noite, vão.
Só vão, esquecendo os pequenos tiques que incomodam de parte a parte, os pontos de vista diferentes, os pequenos espaços únicos e solitários de cada um, vão só os dois, outra vez, quase como se não se fosse familiar o dormir, o ressonar, a maneira de colocar as coisas, vão redescobrir-se porque o quotidiano por vezes esconde-os um do outro.

6 comentários:

Fernando Samuel disse...

Redescoberta fundamental!...

Um beijo.

Anónimo disse...

Namorar!
Tenho um namoro de mais de30 anos, mas bastas vezes,voltamos ao princípio, as escapadelas... passeios junto ao mar...
O namoro é bom!!!
muito bom!

Um beijinho da Lagartinha de Alhos Vedros

Zorze disse...

Ana,

Esta tem um diferimento espacial, do tempo.
Vive cada momento... Menina!

Beijos,
Zorze

Anónimo disse...

"para que quando ele lhe beijar o pescoço e arranhar um pouco com a barba fim do dia, dizer baixinho “cheiras bem!”. - uma maravilha!

beijos do gajo de cima

Akhen disse...

Olá Ana

Reinventar o amor? Não, sacudir as folhas secas, deitar fora os ramos secos, remexer a terra e deixar que o amor se revigore com as recordações de quando era mais jovem. Ganha nova alegria e perde o riso cansado da rotina diária.
O amor renascido de um amor que nunca esteve morto.

Paz e Luz na tua casa

Ana Camarra disse...

Fernando Samuel

Tem de ser!

Lagartinha

O namoro é optimo.

Zorze

Eu tento, mas agora estou muito limitada.

Gajo de Cima

:)


Akhen

Tem de se "atear"


beijos