quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Os que chegam


Passaram mais de dois meses depois de partires, de inexistires?!
Mas existes.
Nestes dois meses e tal aconteceram algumas coisas, as árvores amarelaram, o Verão foi embora, encontrámos outras rotinas que não nos levam à tua cabeceira no Hospital, vazámos os teus roupeiros e as tuas gavetas, eu parti uma perna e posso avaliar muito à distância e de uma forma que sei temporária o que sentias, quando querias fazer as tuas coisas, as pequenas coisas que podias fazer por ti, sozinha, também percebo o teu desinteresse por certas coisas que só nos interessam quando podemos participar nelas, percebo também os teus acessos de melancolia, de raiva surda, de revolta, até para com quem só te queria ajudar. O quereres nunca incomodar, herdei essa característica tua.
Percebo que lembrares as pequenas coisas que te davam prazer e que te estavam interditas, o mar, o sol, o cheiro da terra molhada, um cigarro numa esplanada depois do café certas roupas, certas musicas, certos filmes, faziam-te sentir mais viva e mais distante da vida em simultâneo, uma estupidez, mas percebo.
Sempre fomos próximas, a maioria das pessoas quase que te atribuía a maternidade de mim, tínhamos cumplicidades, fazíamos caixinha, e agora fazes-me mais falta do que eu queria, agora apetecia-me ligar para ti e dizer-te aquelas coisas que sei que percebias, para as quais não davas como solução a resignação, fomos sempre pacientes, nunca resignadas.
Há coisas boas, também, duas das coisas que querias concretizaram-se, quase todos falamos de ti com naturalidade, esta quadra não ajuda muito, vai faltar-me o pijama tradicional entre outras coisas, hoje nasceu uma menina, têm os teus genes, o teu segundo nome, se tiver algo mais de ti vai ser mais uma das mulheres invulgares da nossa família, para já tem o nosso amor.
Costumavas dizer que partem uns e chegam outros, ela chegou.

6 comentários:

Zorze disse...

Ana,

Essa carta tem como destinatário uma outra dimensão de existência diferente da nossa actual.
Podes ter a certeza, de que, ela chega lá, lida e entendida.

Beijos,
Zorze

salvo disse...

Bela homenagem, melhor dizendo, recordação.

Abreijos.

Luís Maia disse...

esta mensagem é um beijo à eternidade da vida

Akhen disse...

Ana

São duas novas viajens...Uma como diz Zorze é noutra dimensão, noutro Universo. A outra que também começa é no nosso mundo.
Que seja uma viajem como tu dizes.
Muito para além do que possamos entender, vai ser acompanhada.
Que a Luz esteja com ela.

Paz e Luz em tua casa

Akhen disse...

Ana

Vi o teu comentário ao Rio que também é teu. Eu alterei a imagem escrita. Se te lembras da que estava antes, vai lá, lê e diz-me qual achas mais ao jeito do nosso Rio.

Paz e Luz na tua casa

Fernando Samuel disse...

Lembrar as pequenas coisas é sempre... uma solução...

Um beijo.