quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Lá ao fundo


Tenho uma dor no braço, nem sei porquê, o fresco açoita-me assim como um chicote quando saio para a rua, entrei na sala era de dia, discuti múltiplas coisas e coisinhas, reparei que o próximo dia livre de compromissos é domingo, não me apetece fazer jantar, descobri que passamos disto, de um calor escaldante para os casacos da chuva e do frio e agora é noite.
Resolvi umas coisas, uma inundação, deixa lá mãe eu trato, uns papeis pendentes, uns papeis de familiares, avancei três casas no relatório interminável, acabei por marcar não uma mas duas reuniões para dias já atafulhados, a dispensa começa a estar com um ar deserto, o frigorifico parece a tundra gelada, não me apetece fazer jantar, não me apetece fazer outras coisas, ainda há pouco era de dia e olhei pela janela e apesar de adivinhar o frio da rua, o céu estava cheio de nuvens cor de fogo, com o sol a dizer até amanhã e passavam uns bandos de pássaros, pardais, acho eu, gordos e apressados a prepararem tudo para o Inverno, ao fundo, não vi mas sei que lá está o Rio, o telemóvel tocou várias vezes e eu carreguei no botão que o põe mudo embora pisque aflitivo a avisar que alguém quer chamar, desisti de escrever coisas na agenda, coloco avisos no telemóvel, preciso de comprar uma agenda para o ano que está quase a chegar apontar umas coisas que andam assim à solta numa folha dobrada, tenho de marcar uma conversa, tenho de agendar um dia para desbastar o monte de roupa que me desafia a ser passado, tenho as pálpebras pesadas, não me consigo concentrar muito bem no tema da reunião, os olhos fogem-me para a janela, para as nuvens de fogo, os pardais gordos e atarefados e para o Rio que sei que está lá em baixo.
Amanhã antes de tudo vou cumprimentar o Rio, fico ali, um pedacito a ler um livro a ouvir um som, a fumar um cigarro, porque sei que lá ao fundo está o Rio.

9 comentários:

mugabe disse...

Ah ganda Ana,...olha tu desculpa-me mas reuniões para mim são todas uma tanga,...sinais dos tempos modernaços, não se dá um passo sem uma reunião, e desde quando se resolvem efectivamente coisas com reuniões ?

Bom,...olha vai lá ao estaminé que tenho lá um tributo ao Barreiro.

Beijos

Anónimo disse...

Vai ao Rio e naquele café pequeno toma um chocolate quente!

vais ver que aquece até a alma.
Um abracinho

Lagartinha de Alhos Vedros

Miguel disse...

Ana,

Cheguei aqui via Facebook ...

Os meus parabéns pelo teu espaço ...
Isto tem dias é um excelente mote á nossa vida alucinante ...!

Espero passar por cá mais vezes ...

Cumprimentos da M&M & Cª!

Zorze disse...

Ana,

Em relação às reuniões, tenho a mesma opinião do mugabe. As reuniões são para indecisos e cagões, no relativo à recorrência aflitiva das mesmas.

O rio é uma energia imanente, a água. Revitaliza o organismo e a mente.
Não te esqueças amanhã de fazer o que no post prometes a ti própria. Vai ver o rio e com os olhos da mente.

Beijos,
Zorze

Diogo disse...

Continuas numa roda-viva que faz os anos voarem.

Beijo

Bar do Alcides disse...

VEJAM AQUI O QUE SE PASSA EM PORTUGAL:

http://bardoalcides.blogspot.com/

Fernando Samuel disse...

O Rio espera por ti, lá ao fundo: podes ir...

Um beijo.

Anónimo disse...

Parabéns,parabéns!
Os textos são belos e melancólicos.Estou a ouvir Rodrigo Leão e adoro a música.
Identifico-me muito com o que aqui está.

Maria

Ana Camarra disse...

Mugabe

Não sou eu que as marco, sou solicitada para tal...

Lagartinha

Às 8h30 da matina está fechado!

Miguel

tenho imenso gosto que cá venhas e gostes.

Zorze

Fui!
Cheguei cedinho a vista para o outro lado estava 5 estrelas, abri o livro, primeiro tocou o telélé, atendi, resolvi, abri o livro, passou um conhecido, apresentou dois ou três problemas, mudei o carro de sitio, abri o livro, apareceu outro, fui trabalhar...

Diogo

Continuo, continuo, se eu abrandar os anos passam na mesma...

Bar do Alcides

OK

Fernando Samuel

E fui, amigo, fui, ele espera sempre.

Maria

Ainda bem que gosta, disponha.


Beijos