Métodos anticoncepcionais alternativos, politicamente correctos e ecológicos






Felizmente existem métodos anti concepcionais que vieram retirar, mais ás mulheres, o risco aflitivo de conceber sem querer, são conhecidos e vão dos preservativos, aos dispositivos intra uterinos passando por mil uma coisas como os implantes ou as libertadoras pílulas.
No entanto descobri uma série de métodos alternativos, uns por mim própria outros por transmissão de experiências por parte da minha louca família.
Por exemplo descobri que um dos métodos anti concepcionais mais seguros consiste em ter filhos pequenos, digo filhos no plural, os meus têm apenas vinte e um meses de diferença e a verdade é que após o seu nascimento a coisa menos animada cá em casa passou a ser a vida sexual, ou andávamos ás voltas com os dentes a nascer, com doenças infantis variadas, depois de um dia de trabalho, muito babete estendido, muitos biberões e sopinhas, banhos em banheiras cheias de bonecos e outras coisas que tais. De facto de manhã pela fresca era impossível qualquer prática sexual porque acordávamos logo para a maratona do tira a fralda, dá o biberão, à noite quando conseguíamos recolher todos os brinquedos e peças de Lego duplo, esterilizar todos os biberões, caímos exaustos num sono profundo, mesmo quando aconteçam outras brincadeiras semi eróticas, corria-se o sério risco de aparecer um pequenito a gatinhar, aquele canto anti erótico do “mãeeeeeeeee” ou ainda a possibilidade de se encontrar um resto de bolçado já azedo no soutien.
Outro método experimentado por mim consiste em arranjar um cágado. Não se espantem: um cágado!

Numa escapadela a dois no meio do Alentejo encontrámos um cágado no meio da estrada para os lados de Serpa, achámos que era engraçado para os miúdos, trouxemos o bicho que foi baptizado de Mafalda, acontece que a Mafalda tinha o estranho hábito de percorrer a casa com uma pata por cima do rodapé, descobrimos isso numa noite rara em que os meninos dormiam e nós estávamos suficientemente acordados, enfim a coisa começou a concretizar-se preliminares e tal, de repente passos, suspende-se a actividade e lá vai ele de roupão vestido espreitar os meus anjinhos que dormiam, voltou recomeçámos, passos! Repete-se a cena, várias vezes, até que descobrimos a Mafalda debaixo da nossa cama….
Também fruto de uma experiência muito pessoal foi o uso de uma espuma anti concepcional que nunca foi utilizada mas serviu os seus propósitos, a dita cuja foi receitada e lá se conseguiu conjugar um momento de crianças a dormir e nós acordados e com vontade de tudo, menos de encomendar outra criança, então a meio dos preliminares acende-se a luz, retira-se a espuma da embalagem, afinal ainda temos que ler as instruções, chocalha-se a embalagem, carrega-se esguicha espuma por todo o lado, limpa-se, chegamos à conclusão que mais vale dormir….
Por fim uma aventura transmitida pela família, no inicio dos anos sessenta alguém informa uma tia minha que o sabão azul e branco tem propriedades anticoncepcionais e que bastaria a introdução de uma pequena quantidade na vagina antes do acto em si, acontece que a minha tia era muito exagerada e não introduziu uma pequena quantidade, por outro lado o meu tio fez uma reacção alérgica ao sabão, provocando-lhe comichão, dores e inchaço, isto para além do embaraço da minha tia soltar bolas de sabão por entre as coxas enquanto ria à gargalhada.

Comentários

Rui da Bica disse…
Lol... Lol... Lol ...

Não há dúvida nenhuma !... O anticoncepcional mais seguro, durável e natural !

Digo muitas vezes (a brincar, é lógico) que as crianças são a coisa mais bela do mundo ... mas só quando estão a dormir ! :))
.
samuel disse…
Grande, grande (e exacta) descrição!

Abreijo.
Paulo Lontro disse…
Inventas cada uma Ana...
lol...

:)
Zorze disse…
Ana,

Na noite das bruxas para o que te foi dar!

Beijos,
Zorze
NI disse…
Delicioso...

:)

Bjs
O que eu me fartei de rir com as bolas de sabão...
Já agora, o que aconteceu à Mafalda?
Abraço
Ana Camarra disse…
Rui da Bica

Infalivél!

Fernando Samuel

Agora dá vontade de rir!

Samuel

È mesmo assim, não é?

Paulo

Só factos, nada de invenções.

Zorze

Durante a noite deu-me para beber gin tónico a ouvir uns amigos tocar umas canções dos anos 60, com um cheirinho de Jazz, ouvir umas poesias e até um virtuoso da guitarra portuguesa e uma bateria de jazz em Jam Session, foi paraisso que me deu a noite das tais senhoras.

Ni

:)

Carlos Albuquerque

A Mafalda foi doada ao Jardim Zoológico de Lisboa, junto com duas tartarugas tropicais, que eram micro e tornaram-se macro rapidamente com a particuaridade de morderem que nem cães de fila.
O sr. do Zoo garantiu que ficavam bem tratados, na verdade só me queria ver livre deles com dignidade.
As crianças ficaram felizes porque eles foram viver com a familia, tios, primos etc...

beijos
Álex disse…
se a foto postada é a da vossa Mafalda, muito me temo que de cágado não tem nada. É uma "tartaruga de terra" (não sei nome científico), os cágados têm a carapaça mais espalmada...
Ana Camarra disse…
Àlex

Não é a Mafalda!
Não ficou registo fotográfico da bicha, que ainda por cima não faço ideia se era macho ou femea e foi apenas uma foto que encontrei.