terça-feira, 20 de outubro de 2009

DOCE


Doce é morno, nem muito quente nem muito frio.
Como explicar o doce a quem não tenha paladar ou nunca o tenha provado?
Podemos dizer que o mel é escorregadio, peganhento e pastoso, que o chocolate é um pouco mais quente, que as peras são granulosas e em cada granulo há um resto de pólen que podia ser mel e como tal é doce, que o açúcar tem sol que ficou guardado nas canas, ficaram lá guardados todos os nascer de sol e ocasos, todas as musicas vibrantes, até os cantos das cigarras, que a canela tem o mesmo sol de outra forma guardado na casca da árvore e que a baunilha, igualmente doce, é uma vagem que leva muito tempo a formar-se mas saiu de dentro de uma flor por isso guardou o sol, o perfume das flores, o pólen.
Doce é mais que isso, há pessoas doces, pessoas que investem todo o seu tempo, o seu esforço, em amar, amar assim de mansinho, amparar cada queda, retirar cada pedra do caminho, aconchegar os lençóis, constroem momentos de conforto em cada vida com que se cruzam, sem esperar quase nada em troca. Tenho tido sorte de me cruzar com pessoas doces.
Doce pode ser ainda o amor, sob todas as suas formas, um amigo que diz “Estou aqui!”, os braços de um pai, um abraço da mãe, adormecer um filho ao colo junto ao peito embala-lo com o bater do coração.
Doce continua a ser ainda o amor, sentimento tão raro como vulgar, o amor que nos leva a ter borboletas a adejar no estômago, arrepios de frio em Agosto com um calor brutal em simultâneo, uma dificuldade em respirar, tudo por segurar numa mão, ou uma mão pousada na coxa assim quase esquecida, como um pássaro em repouso.
Acho que é isso, o doce, peganhento, morno, nem muito quente nem muito frio.

11 comentários:

salvoconduto disse...

Como o doce só mesmo o beijo salgado.

Diogo disse...

Doce e genial é a tua prosa.

Beijo.

Maldonado disse...

O amor também pode ser agridoce... :)

Zorze disse...

Ana,

O doce é complexo.
Ou seremos nós baratinhas tontas de algo mais simples?
Perguntas tontas, vivemos...
Mas será que sabemos o que vivemos?

Ai a minha vida! Expira-se vocalmente amiúde.
Ao mesmo tempo, tanto medo de perde-la!
E será que depois dessa morte, ela continua?

Eu tenho as minhas opiniões...

Beijos,
Zorze

CPrice disse...

.. também eu :) e é uma sorte quando tal acontece, ficamos melhores pessoas, acredito.

(Gostei muito)

Masturbatrix disse...

O Google trouxe-me aqui quando procurava "Silvana Mangano" contudo, acabei a deliciar-me com a escrita.
Sim, acabei por me esquecer completamente da Silvana...
Parabéns.

samuel disse...

Muito, muito bonito! E doce...

Abreijos,

Fernando Samuel disse...

Tão doce, este teu texto!...

Um beijo.

Akhen disse...

Ana

O doce é tudo isso que disseste, mais aquilo que se sente e não se têm palavras para expressá-lo.
Como se pode expresssar AMIZADE?
Que palavras utilizas para expressares o AMOR que sentes por o que saindo de ti, são a tua continuação?
Mas tu expressaste tudo isso, e nem faltou aquele bocadinho, o tal, o Danoninho, para entendermos o que guardas em teu coração.

PAZ e LUZ na tua casa

Anónimo disse...

Dos mais lindos!

Um doce de texto, só podia ser teu, um doce de pessoa

Abracinho

Lagartinha de Alhos Vedros

Ana Camarra disse...

Salvo

Os beijos salgados ficam para outro post, mas sim são doces.

Diogo

È o que preciso de deitar para fora, amigo.

Maldonado

Também, mas tem sempre um lado doce, senão não vale a pena.

Zorze

Não quero ser baratinha tonta...

CPrice

Concordo.

Masturbatrix

Bem vindo, a Silvana era um doce.

Samuel

Ainda bem que gostas.

Fernando Samuel

De vez em quando é preciso um doce, não é?

Akhen

A amizade é uma forma de amor.

Lagartinha

estás a estragar-me com mimos.

Beijos