Promessas


Existem coisas que não se devem de prometer ou melhor no geral é melhor não prometer nada.
Prometer é garantir algo e eu nada garanto, assumo compromissos nada mais.
Assumo compromissos diversos, alguns mas anos atrás prometi a mim mesma que nenhum homem me condicionaria a vida, falhei, arranjei dois homens saídos do meu ventre que desconfio que me vão condicionar a vida até eu a deixar.
Assumo compromissos simples agora, que sim quer farei os possíveis para não falhar naquilo que esperam de mim, ou daquilo que espero de mim própria, coisas básicas, que darei o meu melhor daquilo que o meu corpo e mente deixar, que continuarei a maravilhar-me com o milagre das borboletas, com o voo dos pássaros, com o riso das crianças, com a música, com o cheiro o som e o sabor do mar, com um afago de amor, que continuarei o mais possível a tentar mudar o mundo até que não veja sofrimento ao meu redor, não acho que seja utópico, mesmo que não chegue lá, que continuarei com as minhas mãos a tentar produzir fenómenos, não milagres, fenómenos com transmutação da farinha em bolos, que servem para adoçar o dia e sentar amigos á volta de uma mesa e quem diz bolos de diz outras coisas, assumo o compromisso, solene para mim, de gostar das pessoas que gosto, por inteiro sem prestações, truques na manga, naipes escondidos, assumo o compromisso de ser sincera, porque já tentei mentir e sou incompetente, assumo o compromisso de tentar gostar mais de mim, porque todos os dias dou conta de defeitos meus, de inseguranças, de vazios, assumo o compromisso de assumir, o meu passado, o passado dos que me procederam e o futuro, sem esquecer o presente, o hoje.
Tenho outros compromissos ainda, de tentar fazer coisas que eu acho que me podem fazer feliz e por vezes olhando para traz para fotos, recordações, colares de massa pintados feitos pelos meus filhos, dedicatórias apaixonadas em livros, gargalhadas lançadas ao vento, cheiros que não me esqueço, concluo que fui feliz muitas vezes, nem me dei conta naquele momento exacto, mas fui, intensamente feliz.
E quero ser feliz, mas não prometo nada.

Comentários

CPrice disse…
.. nas coisas mais simples sem dúvida .. é onde ela está :)

Gostei muito *
Ana, assume o compromisso de escreveres um livro.

Abraço!
Fernando Samuel disse…
Assumir compromissos é a única promessa...

Um beijo.
Zorze disse…
Ana,

Não escrevas nenhum livro, se não te apetecer!

De ti tenho a certeza que não há promessas. Há em ti rara beleza consciencial, misto de conjugação de vários factores cósmicos, que conjugados formam uma Ana.

Umas das forças mais poderosas do Universo, são os braços de uma "verdadeira" Mãe, a segurar o seu Filho.

Existem outras Forças, mas superior a esta, não conheço.

Beijos,
Zorze
Menina Idalina disse…
Fazes bem em assumir que queres ser feliz .
Tens um mimo na Menina Idalina
Bj
Akhen disse…
Ana

A transmutação da farinha em bolos, é feito maior que a transmutação da larva em borboleta.
A da borboleta é um acto natural, a da farinha em bolos, é a transmutação das rosas em pão.
Além disso, as borboletas não fazem sentar à mesa as tuas crianças nem os teus AMIGOS.
Quando dizes que não achas utópico, Ana, a UTOPIA é alcançada com as pequenas conquistas por muitos considerádas utópicas, mas que nos vão aproximando do tal mundo a que eles, os OUTROS, chamam de Utópico.
Ah, o voo dos pássaros é mesmo só para poderes parares um pouco e poderes descansar, deixando de pensar neste mundo canibal em que vivemos.
Prometes continuar as tuas batalhas
por
Um mundo
onde o homem libertado
em igualdade
viva sem guerras
o homem
não nasceu para explorado
não nasceu escravo
é dele a Terra

Vamos continuar a fazê-lo, ainda que nos chamem de utópicos.
Quanto ao seres condicionada pelos homens que de ti sairam, não creio que tendo-te a ti como mãe, o venham a fazer algum dia.
Disseste que eras feliz. Quem for teu AMIGO de verdade, ficará feliz por isso.
Quando somos felizes e amamos verdadeiramente os nossos semelhantes, damos um pouco da nossa felicidade. Mas a que recebemos em troca, é verdadeiramente maior do que aquela que distribuimos.
Boots disse…
Caros camaradas, fiz estas imagens para que possam passar a outros, colocar nos vossos, blogs, redes sociais etc, se puderem espreitem-nas e divulguem-nas.

http://img24.imageshack.us/i/cducartazpeq.jpg/

http://img196.imageshack.us/i/banner640x280sapos.png/

http://img17.imageshack.us/i/bannersaposanimado.gif/

Abreijos
O Puma disse…
É muito complexo falar da simplicidade

Melhor é praticar o simples
samuel disse…
Belo compromisso! Não prometas nada, mas não "desarmes".

Ah... e a música (bonita) que começou a tocar, está identificada como "unknown"... o que é uma injustiça-
A mocinha canta bem, chama-se Stacey Kent e a cantiga, "Ces Petits Riens" é do grande Serge Gainsbourg.

Abreijos.
Diogo disse…
Vais continuar a ser feliz, tenho a certeza. A postura que tens perante a vida não te deixa alternativas.

Beijo
sagher disse…
criamos os nossos abismos, mas quando dão filhos, são universos
Ana Camarra disse…
CPrice

Também acho, nas coisas simples!

Cidadão do Mundo

Tenho de me convencer e eu sou muito teimosa.

Fernando Samuel

Nem mais!

Zorze

Por acaso também acho!

Menina Idalina

Ès uma queriducha, tenho de ir ao Centro de Dia levar uns bolitos.

Akhen

Não sou feliz a toda a hora, mas faço por ser feliz tanto quanto possível, viver tanto quanto possível, continuar a batalhar pelas minhas (de tantos mais felizmente) utopias.

Boots

Pois, obrigadito.

O Puma

Nada mais complexo.

Samuel

A musica unknown para os caramelos da mixpod, que eu conheço de ginjeira e me gusta mucho.
Não desarmo.

Diogo

Vou continuar a tentar, o mais que puder.

Sagher

Universos bons amigo, muito bons!

Beijos