sábado, 26 de setembro de 2009

Amanhã


Aguardamos sempre amanhãs.
Os amanhãs têm a particularidade de estarem sempre a um dia de distância, sempre.
O que por acaso aborrece
No entanto há a necessidade em mim de construir amanhãs, todos os dias, porque não posso estar suspensa à espera que os amanhãs cheguem.
Desde pequena que muitas coisas são remetidas para depois, para o Verão, para o Natal, para o fim do mês (essa então é a mais habitual) para próximo fim-de-semana, para um dia de sol, para depois.
Neste momento quero amanhã a partir de agora.

10 comentários:

Akhen disse...

Ana

Também não gosto de esperar pelo amanhã. Faz-me lembrar aquelas palavras que alinhavei em "Africafome"
Nós
somos o ontem de amanhã
o presente sem futuro.
E lentamente se acabavam.
O amanhã era ontem.

Gosto mais daquela canção da Simone
.....
Vem vamos embora
que esperar não é saber
quem sabe faz a hora
não espera acontecer.

Conheces pela certa.

Diogo disse...

Amanhã gostava de um máximo memorável de votos no BE e no PCP e um mínimo histórico no PS e no PSD. Gostava de ver o eleitorado a estilhaçar de vez o Centrão.

Beijo

Maria disse...

Devíamos já estar a descansar. Porque amanhã temos de nos levantar muito cedo. Vai ser um domingo diferente, e teremos outro diferente daqui a 15 dias.
Mas estou sem sono. Logo vejo se durmo ou não. O que eu queria mesmo era que hoje fosse já esta hora de amanhã...

Beijo Ana

Fernando Samuel disse...

E no entanto há «amanhãs» que chegam: o 25 de Abril, por exemplo...

Um beijo.

Diogo disse...

Fernando Samuel,

O 25 de Abril foi de imediato amordaçado, tal como nos demonstram os Soares, os Barrosos, os Sócrates. Para haver amanhãs que cantam é necessário compreender a realidade actual.

Zorze disse...

Ana,

Fundamentalmente, romper com futuros a repetirem passados.

Beijos,
Zorze

Anónimo disse...

Hoje, aninha fica aqui um beijinho muito sentido.
Amanhã será outro dia,quem sabe se não haverá sol?!

Lá estarei para juntar às minhas as tuas lágrimas e dar-te o calor do meu abraço e o afago das minhas mãos

Lagartinha de Alhos Vedrs

LBJ disse...

Hoje quero sempre o amanhã que é sempre véspera de um outro amanhã, enfim... nestes ciclos infinitos de vésperas de dias melhores vamos passando o tempo e perdendo oportunidades...

Beijos vizinha

anad disse...

Sim eu também estou no futuro...
Um abraço
Anad

Ana Camarra disse...

Akhen

Também gosto dessa canção.


Diogo

Pois, o povo foi por outro lado.


Maria

Não sendo mau de todo, esta subida de direita é assustadora.


Fernando Samuel

Esse foi um belo amanhã que se tem de perpetuar.

Diogo

Ainda assim temos que o perpetuar, como canta Chico Buarque
“Já murcharam tua festa, pá
Mas certamente esqueceram uma semente
Nalgum canto de jardim”


Zorze

Pois isso é fundamental.

Lagartinha

E foi bom o teu carinho.

LBJ

Nunca percas as oportunidades.

Anad

Acho que é um bom sítio para estar.

beijos