sábado, 8 de agosto de 2009

Balduíno

Já falei de uma série de personagens familiares, quase todas coberta com uma certa dignidade, mas verdade, verdadinha existem outras variantes.
O Primo Balduíno era primo da minha avó, filho da irmã gémea da minha bisavó Laurinda, a tia Teresa.
Gémeas, falsas, a minha bisavó tinha olhos e cabelos como carvão, a tia Teresa era ruiva de olhos azul céu.
O Primo Balduíno era filho ilegítimo, um grande estigma na época, existem duas versões, numa a Tia Teresa ficou grávida do noivo que morreu lá longe nos campos da I Guerra Mundial, outra é que a tia Teresa teria sucumbido aos avanços e encantos de um ricaço qualquer.
Aparecem ainda as variantes da tia Teresa ter entregue a criança ao pai que prometeu cria-lo com desvelo e carinho e que o terá abandonado. Não interessa, certo é que ocultou a gravidez, o parto foi sozinha na praia e o bebé ficou embrulhado no xaile. Alguém o encontrou, identificou o xaile e tudo se descobriu.
O primo Balduíno cresceu na família mas sempre rejeitado pela mãe, era alto, forte, trabalhava como estivador e parece que tinha um cérebro de passarinho.

Registam-se vários episódios no mínimo hilariantes, o meu favorito prende-se com a licença de isqueiro (para quem não sabe era obrigatório no Regime Fascista), ora bem no instante em que o Balduíno acendeu o cigarro o GNR diz “Alto lá! Apresente a licença”
Estando na muralha junto ao Tejo, desenrascou-se em vez de se livrar do isqueiro, atirou-se ao Rio…

7 comentários:

Cidadão do Mundo disse...

ahahahahah atirou-se ao rio foi demais...as licenças de isqueiro geraram muitas histórias.

Abraço

Diogo disse...

O Balduíno preferiu refrescar-se no Tejo do que queimar-se por causa do isqueiro. No lugar dele faria o mesmo (embora não fume).

Beijo.

Fernando Samuel disse...

Balduino era mesmo o nome dele ou era alcunha?

Um beijo.

Akhen disse...

lol.....Lol....

Ana,
O Balduino, não terá querido atirar o isqueiro fora, mas não o largou e foi atrás dele?

Lol...lol...

Bom domingo

Ana Camarra disse...

Cidadão

Ficou na história da familia...

Diogo

Eu atirava o isqueiro.

Fernando Samuel

Mesmo nome, como o heroi de Jubiabá!

Akhen

Tinha mesmo cabeça de passarito.

Beijos

Zorze disse...

Ana,

Pela segunda figura publicada neste post, eu serei um perigoso delinquente, pois acendo o meu isqueiro e várias vezes ao dia.

Está engraçada a história do primo Balduíno.
Eu não o julgo! Apesar das coisas, cumpriu o objectivo de não ser multado.
Essa é que é essa! Eficácia 100%.

Beijos,
Zorze

Ana Camarra disse...

Zorze

ès um deliquente és!

beijo