segunda-feira, 13 de julho de 2009

Pinheiro Manso teimoso



A família costuma ser representada por uma árvore, por acaso acho que é uma boa metáfora, cada ramo cresce á sua medida, para cima ou para baixo, frutifica mais ou menos, conforme, por cada ramo que cresce igualmente cresce a raiz tocando no fundo das coisas, sedimentando todos os raios de sol e gotas de chuva que os ramos apanham, guardando apenas o essencial.
A minha árvore familiar é grande, embora tenha ramos fortes e fracos, tentamos dar força uns aos outros, de mim, do ramo que sou crescem dois já, únicos e do seu formato especifico.
Acho que somos um pinheiro manso, uma árvore que gosto, tenaz, forte, simples, com frutos escondidos, protegidos por uma casca dura, mas preciosos.
A minha família é teimosa como um pinheiro manso, que dizer da minha avó que teimosamente fintou uma vida de insuficiências e misérias com canções e com uma alegria à prova de choque, do meu avô que se viu vencido por uma doença e aceitou todos os reveses da vida com uma aparente resignação, mas que para além de uma cultura enorme, de uma rectidão forte, escreveu as cartas de amor mais apaixonadas que alguma vez li, dos tios andarilhos, dos antepassados Anarcas, das tias aparentemente convencionais que tiveram arroubos de amor fogosos, dos boémios que povoam a família, de alguns místicos religiosos, desta mistura genética que junta ingleses, cristãos novos, gente do mar, uma índia amazónica e provavelmente rastos de berberes.
Alguns ramos estão em queda eminente, normal, se bem que doloroso, irá ficar uma resina persistente no sítio onde estão, irão nascer outros únicos com alguns restos de características dos que desapareceram.
Sou dos ramos mais recentes, durante muito tempo existiram ramos que me abrigaram, hoje faço parte do conjunto de ramos que protegem os mais novos e nutrem os mais velhos.
Gosto desta sombra de pinheiro manso teimoso
.

10 comentários:

entremares disse...

"A minha família é teimosa como um pinheiro manso..."

O mundo em que vivemos está cada vez mais árido, mais deserto, mais sequioso. E não só das árvores da natureza, também das árvores de que falas...

Quando não existe a árvore em que te abrigas... a vegetação limita-se a moitas e urzes, arbustos e ervas daninhas...

E a poda, dolorosa e necessária é afinal a mera evolução da vida, entre contrariedades, alegrias, desilusões e todas as outras coisas que nos fazem rir... ou chorar.

Uma boa semana para ti.

Eric Blair disse...

enquanto houver tronco a coisa vai

Diogo disse...

As árvores estão, de dia para dia, cada vez menos ramificadas, com galhos cada um para seu lado e os rebentos a largar gotas amargas de resina.

Quanto à floresta, é cada vez mais desbravada por algumas famílias botânicas, constituídas por plantas parasitas, que dependem da seiva de outras espécies para obter nutrientes.

Ana Camarra disse...

Entre Mares-Temos de nos esforçar por salvar as arvores existentes e plantar sempre mais.

Eric-Ou raiz...

Diogo-Não sejas assim amargo, amigo. podemos salvar florestas, nem que seja uma semente de cada vez.

Beijos

Anónimo disse...

Ana

Eu diria que mais que tudo tu és teimosa, as ainda bem, no teu caso é uma qualidade.

beijo

kl

mugabe disse...

É a natureza !

Abraço!

Zorze disse...

Anocas,

És como todos os outros.
A tua árvore nem é grande nem pequena, é como é.
Igual...
Por isso somos todos uma grande família.
As "primeiras vistas" dão-nos impressão de coisas.

A grande questão, é como cada um interage com a situação ?

Beijos,
Zorze

Fernando Samuel disse...

A família é a mais bela de todas as árvores - e então se for um pinheiro manso!...

Um beijo.

c disse...

Ana,
realmente é uma inspiração muito profunda. As metáforas utilizadas são dum simbolismo enorme. A árvore da qual faço parte tambem é grande e ajudei com 3 novos ramos e um rebento de um desses ramos. Hoje muitas árvores caem, os ramos ficam espalhados pelo chão, é o resultado da nossa sociedade dita civilizada. Hoje somos árvores, amanhã seremos fragmentos de betão.
Bjs.

Ana Camarra disse...

Kl

A teimosia pode ser persistência.

Mugabe

Ou a anateresa…

Zorze

Eu vou interagindo muito.

Fernando Samuel

Eu vi logo que partilhavas este amor pelos pinheiros mansos!

Casadegentedoida

Gosto de pensar que serei nutriente para outra arvore…

Beijos