quinta-feira, 25 de junho de 2009

Hoje não sexta-feira!


Agora é quinta feira, a estrear, nem uma hora tem, eu sei que na melhor das hipóteses tenho 5 horas para dormir, depois de escrevinhar como se tivesse só e apenas a falar comigo, vou tomar banho, ver se há roupa para lavar, verificar se existe mantimentos para o almoço dos infantes, tirar as lentes de contacto, lavar os dentes, vestir uma incongruente roupa de dormir (esta tem vacas e estrelas com um ar de desenho infantil), colocar os telemóveis a carregar, ler um pouco talvez, trocar umas palavras com o cara metade que saiu antes de me levantar, e com quem me cruzei agora!
E a verdade é que escrevo como se estivesse só a falar comigo porque me faz falta como um diário, como um caderno de campo, um sumário de vida, por vezes acho que o que escrevo não interessa rigorosamente para nada, mas a verdade é que os vossos comentários até me fazem falta, sabem bem.
Muitos, a maior parte, não os conheço, mas quase que os imagino!

Faz de conta que não estou a escrever aqui, faz de conta que estamos sentados numa esplanada à beira de água, numa manta velha debaixo de uns pinheiros ou mesmo no tal banco de jardim.
Sabem tão bem como um mergulho na praia, uma manta quente e macia no Inverno, um abraço o café ou a sobremesa no fim da refeição.
Vocês fazem-me falta, sabiam?

10 comentários:

Cidadão do Mundo disse...

Prefiro a esplanada á beira mar...tchin-tchin

Abraço!

Maria disse...

Espero que a esta hora já estejas a dormir nos braços de morfeu...
Uma cervejinha frente ao mar, um dia destes, não era má ideia...

:))
Beijos

Diogo disse...

Sabemos. Todos nós fazemos falta uns aos outros. Passei a noite de Domingo a escrever a ouvir as tuas belíssimas músicas do teu Blog.

Constituímos outras fraternidades, sem nunca nos vermos, sem nunca falarmos directamente, mas partilhando fragmentos da alma. E é bom. Beijo.

duarte disse...

fico feliz por saber que faz falta.
cá estou, pronto para muitas viagems pelos teus textos.
quanto ao copo, só na festa...ou talvez antes, se o pêssego me deixar.
abraço grande.

PAULO LONTRO disse...

O Diogo escreveu o que me veio logo à cabeça.
"Todos fazemos falta uns aos outros!"
Sabes, hoje em dia vivemos em casulos cada vez mais apertados e cada vez mais para nós mesmos.
Vivam os que lutam por mais corações, por mais almas...
Beijo.
(sim, eu sabia!)

ToXico disse...

Deixa-me cá aqui fazer o meu "mea culpa", senão ainda pensas que sou pobre e mal agradecido, reconheço sem margem para qualquer dúvida que o teu apoio tem sido bastante importante para mim, enquanto eu, embora te leia todos os dias tenho sido muito mais parco em comentários, mas podes ficar tranquila que eu não digo nada mas estou a ver-te!...

Fernando Samuel disse...

Eu sei - e sei também que os teus escritos me fazem falta.


Um beijo.

Anónimo disse...

que bom, assim me sinto bem aqui na tua rodinha de amigos, cada vez maior.
beijinhos
Lagartinha de Alhos Vedros

Zorze disse...

Ana,

Lentes de contacto?

Todos somos um, cada um trazendo as suas individualidades, egos e outras.

Todos fazemos falta uns aos outros.

Beijos,
Zorze

salvoconduto disse...

E olha que sabe bem estarmos sentados, onde quer que seja, com os amigos e deixar que a noite passe por nós e leve as nossas palavras consigo.

Abreijos.