domingo, 31 de maio de 2009

Nalgum local eu existo

Nalgum local eu existo de outra forma e transporto-me para a vida diária.
Não sou dada a fantasias, sou pratica em muitos aspectos, desenrascada, um dos motes foi-me ensinado pela minha avó “Uma mulher enrascada é pior que um homem bêbedo!”
Tive uma infância feliz quanto baste, com alguns acasos e magoas infelizes, adolescência também, tive períodos absolutamente banais da minha vida já adulta em que a vida parecia seguir carris direitinhos. Invariavelmente, eu também escolho outros caminhos ou mudo a agulha dos carris.
O meu dia a dia não é recheado de alegrias, passarinhos e flores, mas também não é recheado só de mágoas, coisas árduas e chatices.
Aprendi, acho eu, a rentabilizar a vida.

Amanhã é o funeral de uma amiga de infância, começámos aos 4 anos a praticar ginástica no Barreirense, a mãe dela ensinou-me a calçar os soquetes sozinha!
Começámos a trabalhar no mesmo dia, no mesmo sítio, andámos na mesma escola, sei mais ou menos inventariar os seus namorados. Entrou num concurso de beleza na adolescência com fotos tiradas com um biquini meu!
Depois a vida seguiu o seu curso trivial, encontrávamo-nos normalmente, da última vez trocámos banalidades de mãe de adolescentes.
Ontem aproveitou o calor e foi à praia, baixou-se para fazer uma festa na cabeça de uma criança, caiu para o lado! Morreu! Amanhã exéquias.
Afinal é tudo tão efémero, inseguro e transitório.
Se mais nada tiro disto, sei que no fundo tenho de guardar e apreciar todos estes múltiplos prazeres, pequenos e infinitos, um dia de sol, uma flor vibrante, um afago, uma conversa trivial, aprender qualquer coisa nova como calçar sozinha os soquetes, afagar a cabeça de uma criança, sorrir a alguém porque sim e sorrirem-me de volta!
No tal local onde existo de outra forma, ela existe com o seu cabelo louro, na praia num dia de sol a sorrir para afagar a cabeça de uma criança!

14 comentários:

salvoconduto disse...

É por isso que aprendi a viver um dia de cada vez e apreciar pequenas coisa como Elina Duni, aqui ao lado.

Abreijos.

mugabe disse...

É triste, mas é a vida !

Abraço!

F Nando disse...

Nestas alturas revemos sempre o passado e lembramos histórias...
A vida é tão efémera!

Ana Camarra disse...

Salvo-è isso mesmo!

Mugabe- coisa mais certa da vida.

F Nando-Pois, amanhã no funeral lá vou encontrar caras que não vejo há muito tempo e inevitavelmente lembrar episódios...
A vida é um sopro!

beijos

Maria disse...

Não sei se existirei em mais algum lado para além deste onde me conheço. E é aqui que quero viver. Um dia de cada vez, sempre. É o que faço...

Deixo-te um abraço apertado...

sagher disse...

a vida é apenas o soprar mágico de natureza a um conjunto de atomos dispostos de forma unica.
como diria lavoisier
"... tudo se transforma"

sagher disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Diogo disse...

Pessoalmente, continuo sem perceber qual é a lição a tirar do efémero.

a) Viver todos os minutos como se fossem o último? (impossível)

b) Aceitar aquilo que a vida nos dá (porque afinal, são só dois dias).

c) Rachar a cabeça a um banqueiro ou a um político que enviou para a miséria centenas de concidadãos?

Beijo

filipe disse...

Aceita um abraço solidário, perante a tua perda de uma amiga, pois são os amigos que nos apoiam nesta nossa caminhada pela vida.
Uma vida efémera, sim, mas também exaltante, quando aprendemos a vivê-la com ideais e com companheiros/as de jornada fraternos que, longe ou perto, presentes ou já ausentes, nunca nos traem e que connosco lutam, lado a lado, sempre.

ToXico disse...

Ana foi através de ti que tive a notícia que me foi confirmada hoje de manhã, tenho pena de não lhe poder prestar as minhas últimas homenagens, mas alguém tem de ficar aqui, visto que a maior parte das pessoas vai ao funeral!...

Ana Camarra disse...

Maria-o "outro local" é dentro de nós próprios!

Sagher-O Lavoisier é um dos meus cientistas favoritos consigo aplica-lo na prática.

Diogo-As tuas opções a) e b) num mix, aceitar o que a vida nos dá e tirar dali a maior gratificação que nos for possivél. A opção c) não fazia mal nenhum...

Filipe-Obrigado, o que se traduz daqui é que nem vale a pena por vezes chatear-mo-nos tanto com coisas mesquinhas.

Toxico-Pois estava lá muita gente, é normal. Alguém tem de ficar, é sempre complicado.

Beijos

Fernando Samuel disse...

Um beijo solidário.

Zorze disse...

Ana,

A vida é assim, regra que todos nós conhecemos e fingimos que não sabemos.

A vida é assim e assim se fazem histórias de vida.

Não penses que estou a ser frio. Apenas te digo o que já sabes.
Há muito tempo que é assim...

E às vezes dá vontade de chorar...

Beijos,
Zorze

Ana Camarra disse...

Fernando Samuel-Obrigado.

Zorze-Eu sei que a vida é assim, eu sei, mas custa!

beijos