sexta-feira, 29 de maio de 2009

Assim


Que lixem os compromissos atulhados ás cavalitas uns dos outros!
A Agenda autoritária e arrogante.
Não quero saber agora dos gritos insistentes dos telemóveis.
Subo a Serra da Arrábida, paro na estrada de cima, vejo o mar com aquela cor única entre o verde e azul, a Anicha, o Convento branco de doer a vista, há pássaros a chilrear, borboletas de cores vibrantes, flores incandescentes, cheiros estranhos de ervas e ruídos estranhos entre o mato, o sol morde-me a pele em dentadas amorosas.
E sabe bem, muito bem mesmo.
Por um pedaço desligo, não há rádio, os telemóveis ficam no carro, não olho para o relógio, fico com a bateria carregada.

16 comentários:

ToXico disse...

Então e se te propuser um desafio diferente e um pouco fora do contexto do teu blogue, assim uma coisa levezinha só para distrair!...

Fernando Samuel disse...

É assim como que uma espécie de... paraíso.

Um beijo.

PAULO LONTRO disse...

Ainda é...uma espécie de... paraíso.

F Nando disse...

Onde o azul se veste de verde na serra e o silêncio prolonga-se no piar das aves...
Bjs

Maria disse...

E ficamos cheias de azul com cheiro a serra por uns tempos...
... que bom!

Beijos

Clyde disse...

A 23 de Maio de 1934, uma patrulha de agentes policiais conseguiu atrair Bonnie & Clyde para uma emboscada numa estrada poeirenta da Louisiana, onde foram assassinados a sangue-frio.

Na América dos anos 30, da Grande Depressão e das Vinhas da Ira, Bonnie & Clyde, através dum conjunto de assaltos audaciosos a bancos, bombas de gasolina e lojas, conseguiram captar a imaginação do povo americano, tornando-se ícones duma contra-cultura de insubmissão e resistência.

75 anos depois, o FBI divulga 1000 páginas sobre o mais famoso casal de gangsters. O mesmo FBI que só foi capaz de emboscar e assassinar Bonnie & Clyde, através da clássica delação de associados menores...

José Gil disse...

Olá aninhas minha flor...

Já estava com saudades deste espaço.

Como estás?

Partilhamos mais uma paixão... A Serra da Arrábida.

É das coisas mais lindas do mundo.

Um beijo grande, do tamanho da serra

salvo disse...

Estou a precisar de um carregador de baterias como esse.

Abreijos.

Ana Camarra disse...

Toxico-O meu blogue é assim como a minha vida, adapta-se a vários contextos, já respondi. :)

Fernando Samuel-Exactamente, um paraiso.

Lontro-Sem sombra de dúvidas.

F Nando-Sinto-me sempre mais viva.

Maria-Mais que bom!

Clyde-Está bem...

Zé Gil-è sim senhor, uma coisa formidavél e uma paixão.

Salvo-Vem cá amigo! Olha um Gin Tónico, uma garrafa de água, só espraiar o olhar ali um pedaço revigora!

beijos

Diogo disse...

Já passei muitas vezes por aí. Num dia quase transparente quase cheguei a ver Sines.

Beijo

samuel disse...

Uma das últimas viagens que fiz "por coisa nenhuma" teve esse itinerário. Para além de que é uma romagem de saudade à juventude...

Abreijos.

Ana Camarra disse...

Diogo-Naqueles dias formidaveis consegue-se!

Samuel-Que fazem tanta falta essas vigens do "porque sim"!

beijos

Anónimo disse...

Ana

é um local especial.
mas para ti sempre foi a tua bateria!

beijos

Ana Camarra disse...

KL

Sempre!

Zorze disse...

Anuette,

Na sexta foste à Arrábida e não me disseste nada?

E se te disser que na Arrábida existe um portal espaço-temporal.
Acreditas?

E é mágico...

Beijos,
Zorze

Ana Camarra disse...

Zorze-Na Arrabida, tirando a secil só existem coisas lindas!

beijos