domingo, 10 de maio de 2009

Álbum de família 2


Esta foto é interessante porque na época não se tiravam muitas assim espontaneamente, geralmente eram em pose fosse em estúdio ou no exterior.
Este nota-se que é mais espontânea.
Foi tirada no quintal da casa para onde a minha avó materna foi trabalhar em troca de pouco mais que comida e roupa usada da filha dos patrões, pouco mais velha que ela.
Nessa casa a minha avó esfregava soalhos, lavava roupa no tanque, carregava agua do poço e todas as outras coisas que constituíam os trabalhos domésticos, foi também ali que deu largas á sua criatividade culinária, com bons apetrechos e bons ingredientes.
Quando acabava aquele dia de trabalho, dirigia-se a casa, a escassos metros, onde tudo recomeçava, em casa havia uma mãe viúva, uma irmã doente e um irmão muito pequeno, o tal tio que me ensinou o gosto pelo fado.
A minha avó recomeçava, soalhos, roupas, carregar e aquecer agua para os banhos familiares, por vezes ficava de tal forma exausta que já não tinha coragem para carregar água para o ultimo banho, o seu, então aproveitava a banheira do irmão mais novo…
Tenho de dizer que nessa casa a minha avó fez uma amizade duradoura, com a filha dos donos, foram amigas fraternas até ao final da vida, ainda hoje mantemos amizade com uma parte da família.
A minha avó é a rapariguinha sorridente com os pés na água, como se nota as outras estão vestidas de outra forma e protegem-se do sol, a minha avó não, tem o sorriso de quem goza uma pausa de pés na água e face ao sol.

12 comentários:

Diogo disse...

O sistema de castas continua ainda hoje. Cabe-nos a nós estoirá-lo.

Devias ir ver o filme do meu blog. Garanto-te que ias sorrir.

Beijo

Anónimo disse...

Ana

A tua avó era uma SENHORA!
Ainda me lembro bem dela!

A respeito do post anterior: o Comité Central já leu aquelas observações que lá colocas?

(Pura provocação!)

Beijos

Sopro leve disse...

O nosso futuro, em muito, depende das lembranças do passado...
Infelizmente muitos esquecem o passado.

alma disse...

...e no entanto que sorriso lindo ela tem!!
excelente post este. Adorei.

samuel disse...

Provavelmente, uma das melhores coisas desse dia, foi exactamente o descanso fresco dos pés na água...
Bela fotografia!

Abreijos.

LUA DE LOBOS disse...

adorei ler-te e ouvir a tua musica também... vou voltar pela certa:)
xi
maria

Fernando Samuel disse...

Preservar a memória, pois claro - para percebermos o presente e caminharmos para o futuro.

Um beijo.

Ana Camarra disse...

Diogo-Já sorri! O pior é que o sistema de castas parece estar a ser restaurado!

KL-Eu não respondo a provocações desse nivél.

Sopro Leve-Imprencindivél conhecer o passado para prespectivar o futuro.


Alma-Tinha um sorriso lindo e uma gargalhada poderosa.

Samuel-Provavelmente, mas foi a minha avó que me ensinou a tirar partido dos pequenos prazeres do dia a dia.

Lua de Lobos-Volta sempre, mi casa su casa.

Fernando Samuel-Exactamente, já sabes que gosto desta arqueologia do afectos.

beijos

salvoconduto disse...

Fotos a merecerem ser digitalizadas e conservadas, quem sabe algum dos teus venha daqui a muitos anos a abordar o assunto e a publicá-las de novo.

Fica bem que eu fico com a tua playlist.

Ana Camarra disse...

Salvo

O que ando a fazer lentamente.
Já mudei a playlist, sorry...

beijos

Zorze disse...

Annuette,

Álbuns de Familiarre,
Óh, lá, lá...

Vislumbro silhuettes de outras dimensões.
Talvez Twilight...

Beijos,
Zorze

Ana Camarra disse...

Zorze

Estás muito francofono!

beijos