sexta-feira, 17 de abril de 2009

Dos Falos e outras coisas masculinas


Acho, sinceramente que os falos têm sido sobrevalorizados ao longo dos tempos.
Há quem diga que os menires são uma representação fálica, a mim parece-me um bocado exagero.
Por exemplo no Velho Testamento, no Cântico dos Cânticos, fala-se num pilar…
Uma das melhores descrições que li está no livro de Gabriel Garcia Marquez, O Amor em Tempos de Cólera, onde no relato da noite de núpcias de Fermina Daza é comparado a um animal, pouco ágil, que sopra furioso…
No entanto na minha infância desejei ardentemente ter um tal como os meus primos, por motivos práticos: quando não conseguiam desvalorizar-me de mais forma nenhuma faziam, orgulhosamente, xixi de pé, enquanto eu tinha que me acocorar, numa posição, no mínimo degradante.

Depois distanciei-me e até tive medo de tal coisa, principalmente quando eu e uma amiga, na puberdade decidimos consultar o Kama Sutra que o pai dela julgava a salvo, não estava, coitado.
Nessa leitura clandestina, observámos tudo de forma científica, assumimos solenemente que se fosse imprescindível a prática do sexo oral para casar e procriar, ficaríamos solteiras e virgens….
Depois mais tarde acabei por me familiarizar, sempre no entanto achando graça ao valor que se atribui a tal parte anatómica.
Também descobri que todas aquelas posições eram, na sua maior parte fantásticas, quase dignas de acrobatas, que não são preciso manuais, o improviso e a criatividade são suficientes, acima de tudo o carinho.

Convenhamos que se em estado de actuação pode ter uma certa imponência, na maior parte do tempo tem um ar envergonhado de cabeça de tartaruga.
Não será o principal atributo de qualquer homem, nem a sua parte mais sensual, embora muitos homens usem-no mais do que o cérebro, esse sim um órgão sensualíssimo.
Pensem assim: o falo é uma parte pequena do corpo masculino, mesmo muito acordado, é menos que um vigésimo?!
Coisa pouca…

13 comentários:

Anónimo disse...

Oh Ana

Ainda não parei de rir!
Só tu!

Beijos grandes

kl

Talk Talk disse...

1 vigésimo?!!!!! ehehehe... acho que não!

Beijinhos

Maldonado disse...

Muito interessante este post... :)
A competência e o desempenho são mais importantes que o tamanho... ;)

Zorze disse...

Ana,

Um post fálico, sem dúvida.

Trouxeste aquela ingenuidade de criança que se interroga sobre estes assuntos.

E concerteza passaram alguns espíritos muito fálicos que telepáticamente te deixaram umas ideias meio assim, coiso e tal.

E claro a eterna questão, qual das cabeças que o homem mais utiliza?

Beijos,
Zorze

salvoconduto disse...

O mal mesmo, é bater com a cabeça onde se não deve.

Abreijos

Diogo disse...

Saio daqui de rastos. Toda a minha auto-estima se esboroou como um castelo de cartas. Julgava eu que era alguém…

Beijo

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

O grande problema é quando os homens não pensam com a cabeça certa, lá issso é verdade...
Beijo

Zé Ferradura disse...

Olá,

Coisa pouca...não quererá dizer o tamanho conta!?

Há novidades lá no meu estaminé|

Bj
Zé Ferradura

Ana Camarra disse...

Kl-Também já me conheces há muito tempo!

Talk Talk-Talvez um trigésimo?!

Maldonado-Sem sombra de dúvida!

Zorze-Eu questiono-me sobre todos os assuntos.

Salvo-Pois também não convém.

Diogo-Não é caso para tanto!

Carlos-Alguns não pensam de todo.

Zé Ferradura-Tudo na vida é relativo. Na América são para aí 4 da tarde, na China 8 da manhã...

Beijos

Fernando Samuel disse...

Coisa pouca, de facto...

Um beijo.

Ludo Rex disse...

Ana,
Uma postagem bem fálica... O que seria o mundo sem tal coisa?

Kisses e Bom Fim de Semana

Ana Camarra disse...

Fernando Samuel-De facto!

Ludo Rex-Não sei como todas as coisas naturais tem o seu papel a cumprir, mas como tudo na vida tem a importancia que lhe queremos dar.


beijos

Anónimo disse...

I like use viagra, but this no good in my life, so viagra no good.