domingo, 29 de março de 2009

Entre letras





Entre letras me desnudo
Abro assim portas, janelas
Rasgo assim pedaços de mim
Memórias, lutas, ensejos
Desejos também
Mágoas, esperanças
Falhas e fugas
Saídas, regressos
Caminhos estranhos ou
Familiares
Seguros e arriscados
Pé ante pé

8 comentários:

salvoconduto disse...

Porque me falas assim?

Abreijos.

Zorze disse...

Sem cordas de segurança e sem espelho.

Tratas a transcendência por tu. Linda menina.

Beijos,
Zorze

Diogo disse...

Pé ante pé... até à perfeição.

Belo poema.

Beijo

Anónimo disse...

O bem estar da net.
O blogue que não faz esquecer a crise, faz festinhas na alma, oferece colheres de xarope de mel dá música boa!

Um abracinho!

Lagartinha de Alhos Vedros

sagher disse...

eu passei e gostei. li e sai pé ante pé

Fernando Samuel disse...

E tudo «isto tem dias»...

Um beijo.

Ana Camarra disse...

Salvo

Porque falo assim.

Zorze

Pois, se tu dizes….

Diogo

Perfeição é exagero de amigo

Lagartinha

O mel que quiseres

Sagher

Ainda bem que gostas

Fernando Samuel

Ó se têm…


Beijos

Yiskay disse...

...temos poetiza! palavras maravilhosas!!