Da teimosia das árvores


Nunca pensei muito em mim como uma árvore, até porque não sei estar quieta!
Mas as arvores não são tão quietas como podem parecer, estão sempre num silêncio a modificar-se, florescem, expandem-se, frutificam-se, agarram com as raízes o solo onde muita coisa está, tentam chegar ao sol, respiram pausadamente, combatem o vento, por vezes parecem que se dobram que vão ser vencidas, mas não, naquela derrota aparente em que se vergam, ficam, permanecem.
As mais orgulhosas são facilmente derrubadas, qualquer vento mais teimoso as arranca pela raiz.

Depois espalham coisas, minúsculas, insignificantes, mesmo, sementes, rebentos tenros, aparentemente insignificantes, facilmente destruídos, mas permanecem sempre alguns, sempre.
Portanto são teimosas!
E crescem, tornam-se outras árvores.
Ficam ali com aquele ar aparentemente indiferente, aparentemente sossegado, só aparentemente, nada mais.

Comentários

Vergam ao sabor do vento
mas é maior o alento
mesmo que despidas de nada
vestem a força renovada
raizes de vida lactente
Somos árvores...teimosamente!

Bonito texto, Ana!!!!

Beijinho
duarte disse…
já somos uma floresta.
belas e sábias palavras.
esta última imagem é fantástica.
abraço do vale.
Fernando Samuel disse…
As árvores são mães...

Um beijo.
Anónimo disse…
Quando me invade uma angústia que me aperta o coração, quando um nó me aperta a garganta e os olhos se amargam e rolam lágrimas, passeio entre os teu escritos e uso-os como xanaxes.
Se, como hoje a angústia tem por nome Margarida, o seu presente, já nem digo futuro, então tomo dose dupla e leio os escritos desde que começaram.

Um abraço
Lagartinha
Zorze disse…
Ana,

Sem elas não existiríamos.
Infelizmente "existe" muita gente que não entende ou não quer entender esta questão.

Beijos,
Zorze
Anónimo disse…
sinto-me assim:
Diante da astenia primaveril, a recomendação é desdramatizar e ter paciência.

Sonolência, irritabilidade e cansaço, e a apatia, são sintomas associados à astenia primaveril que apesar de que pode passar em menos de duas semanas, só há alivio seguindo-se una série de hábitos saudáveis.

Apesar desses sintomas, a astenia primaveril não pode ser considerada uma doença nem uma síndrome. Os seus efeitos costumam ser leves e desaparecem quando o organismo se ajusta às mudanças da estação.

o vizinho de cima,
que deve bué de tortas de chocolate
Ana Camarra disse…
Ausenda-Teimosamente!

Duarte- O Maior ser vivo do mundo é uma floresta com as raizes entrelaçadas.

Fernando Samuel-Deve ser isso!

Lagartinha-Cá estou para o que for!

Zorze-O que existe mais é gente tonta!

Vizinho de cima-Então a vacina não serviu, deves um rol muito grande, como também stou com amoque e carencias afectivas vê lá a desgraça!

Beijos