terça-feira, 17 de março de 2009

Cantiga de Amante


Mais que flores, citrinos ou cedros
Quero o teu cheiro em mim
Mesmo que não sejam assim perfeitas
São as tuas mãos que sim
Existem madrigais banais
Palavras eternamente repetidas
Por milhares de amantes
Há milhares de anos
Que serão só nossas
Mesmo que não seja o amor
Primeiro ou tão pouco derradeiro

Até que seja assim um amor de fogo lento
Ou a labareda intensa, rápida da
Paixão
Mesmo com marcas da vida
Rotas traçadas entre cicatrizes
É no corpo imperfeito dos amantes
Que se encontra a perfeição do amor
Demasiado doce, demasiado salgada
Excessiva, quente, voraz
Calma, desenfreada
E é assim, não se gasta, não se repete
Mesmo que ainda guardes outros cheiros
Outras palavras
Estes momentos são assim
Nossos

10 comentários:

Diogo disse...

Excelente na prosa e admirável na poesia. A minha amiga não perdoa!

Beijo

mugabe disse...

Respiras poesia !

Abraço!

salvoconduto disse...

Com este poema fizeste-me recordar a Barca dos Amantes, do Milton.

Abreijos.

Sandra disse...

Cara Ana,

Momentos assim nossos, são momentos de pura poesia, como devem ser os amantes.
Lindo texto, lindos versos, adorei.

Um beijo,
Sandra

utopia das palavras disse...

Será uma cantiga eterna...a dos amantes!!!!

Belo,primoroso poema!!!!!!!!

Beijos, Ana

Anónimo disse...

Oh Ana

Por favor escreve um livro!

Beijo

kl

samuel disse...

Em forma! Que bonito!
Que não se gaste, nem se repita, pois...

Abreijos

Fernando Samuel disse...

E se são «nossos» são «os» momentos.


Um beijo.

Mar Arável disse...

Amor sem fronteiras

mas com memórias

Ana Camarra disse...

Diogo-Costumo perdoar.

Mugabe-Essa tirada também é poética.

Salvoconduto-Lembrei-me dessa para ilustrar o poema, mas achei que era demasiado

Sandra-Ainda bem que gostas.

Ausenda-Desde o principio do mundo, quase de certeza até ao fim.

kl-Sempre foste pedinchão!


Samuel-Irrepetiveis e duradouros.


Fernando Samuel-Exactamente.

Mar Aravél-Existem memórias que são tesouros.

beijos