Do espírito revolucionário dos Barreirenses.




Antes do 25 de Abril de 1974, apesar de toda a censura, no Barreiro, talvez noutros sítios, apareceram nomes fantásticos inspirados num espírito inconformista e revolucionário.
Acho importante este apontamento:
Um operário da CUF, anti fascista, ostentava o estranho nome de Rodas Nepervil, nome próprio, estranhíssimo, não era estranho porque era um anagrama, invertendo as letras era Livre Pensador…
Outro tinha um nome próprio fabuloso: Kropotkin. Em homenagem a um herói da Revolução Soviética. A chatice era os outros não saberem repetir aquele nome estranho e chamarem-lhe “Carapaudequilo”.
O cão de um dos meus amigos de infância, belo e meigo Pastor Alemão, respondia pelo nome de Tovarich.
Convivi de perto com umas irmãs com nomes próprios que denunciavam logo o espírito paternal: Maria da Paz, Maria da Liberdade, Maria Felicidade, Maria da Luz, Maria da Fraternidade.
Conheci e conheço, felizmente, vários Lenines, Estaline e Vladimiros. Todos nomeados em homenagens inequívocas, estranhamente todos baptizados antes do 25 de Abril, muito antes. Mais estranho é ter conhecimento de dois Estaline de Jesus….
Nome próprio, note-se.
Ainda há dias um, Lenine de nome próprio, rapaz para mais de sessenta anos, me contava com o seu inconfundível sotaque Camarro que na Escola Primária ele e os dois melhores amigos eram o alvo referencial das reguadas, do Professor defensor do Regime Fascista, por serem reguilas, agitadores, revolucionários, como os seu nomes próprios, Lenine, Estaline e Vladimir…..
(quadro de Belmiro Ferreira, Barreirense, que depois de reformado pintou o Barreiro como se lembrava, a maioria dos seus quadros são propriedade da Câmara Municipal)

Comentários

Zorze disse…
Ana ou anA,

Isto dos anagramas tem muito que se lhe diga.
Mas, Estaline de Jesus? E pelo que dizes são pelo menos dois!

Beijos,
Zorze
salvoconduto disse…
Um dos meu amigos e companheiro de muitas lutas tem exactamente o nome de Vladimir Lenine e foi "dentro" algumas vezes antes do 25 de Abril...

Abreijos.
Diogo disse…
Alguns anagramas engraçados para: Sócrates Ladrão

Escaldar Rosto

Saldar Escroto

Descolar Rasto

Trocados Lesar

Crasso Letrado

Castro Lesador

E mais 6551 encontrados no programa GET ANAGRAMS

http://wordsmith.org/anagram/advanced.html

Beijo
Fernando Samuel disse…
Nomes belíssimos - todos! - pela intenção dos padrinhos...


Um beijo.
Ana Camarra disse…
Zorze - Que eu conheça dois, se calhar há mais.

Salvo-só o nome era logo de ficarem de pé atrás...


Diogo-Escalda o rosto e não só...

Fernando Samuel-E o que conta é mesmo a intenção.

beijos
Alvarez disse…
Cara Ana,

Através de amigos nossos chegamos sempre mais longe...
Cheguei até aqui e gostei do que vi. O "Sud Express" passará a ter mais um "apeadeiro" nesta "estação".

Um abraço,

Alvarez
SENSEI disse…
Barreiro, grande Barreiro!... Terra de gentes de luta e convicções, gentes que traziam em si nada, mas no Barreiro, se juntavam a outras pessoas também elas cheias de nada e, desse nada como que por magia, germinou a palavra unidade, seguiu-se a palavra direitos, como que um resultado matemático, logo apareceu a palavra reivindicar e, por fim, surgiu a ambição como o grande total, ou o objectivo único e indissociável da luta, a palavra LIBERDADE.
Essa vontade era tal e tinha tal força nos corações e mentes desse povo Camarro e não Camarro, mas todo ele trabalhador, seja na pesca, seja no caminho de ferro da CP, seja nas fábricas da CUF, que áté quando baptizavam os seus filhos, pois a tal eram obrigados pelo regime, surgia no nome da criança, o seu bem mais precioso, fosse ela uma apenas, ou dez se não mais, um sinal que evidenciava bem o grito da revolta e o desejo da liberdade, eram então traduzidos em Estalines, em Vladimires, em Natachas, em Lenines, etc.

Hoje, muitos desses descendentes, envergonham-se do seu nome e assim de seus progenitores, abraçaram outros valores, mais fúteis, sem necessidade de grande luta para os adquirir, estão ali, ao alcance de qualquer cartão de crédito, endividam-se inconscientemente, porque perderam a consciência de classe e, renegam as suas origens.

Ah Barreiro, Barreiro!... Os que tombaram por ti, reviram-se na tumba, clamam por justiça, o seu choro e desespero consegue-se ouvir, mas a esperança ainda existe e, está cada vez mais forte, em breve os seus gritos serão apaziguados e, o Barreiro uma vez mais, demonstrará que não vergará mais e, muito menos quebrará!

Xôxos

Ouss