Pequenos Prazeres

Encontro prazeres simples nas coisas comuns
O Sol que acaricia a pele
O cantar de um regato ou canto do mar
Ritmado, compassado, pleno

O cheiro dos frutos
O riso das crianças
O berço seguro dos amigos

Ainda assim no entanto trespassam-me pensamentos
Menos felizes
Pequenos grãos de areia que arranham

Pequenos grãos de areia que raspam
O prazer das coisas simples
Pequenas sombras
Malévolas, persistentes

Roem os prazeres simples
Afastam-me o sono
Murcham os frutos
Tapam os risos das crianças
Abafam o cantar da água

Comentários

José Gil disse…
Olá Ana. Excelente poema. Como estás?

Um beijo
Anónimo disse…
Olá aninha, lindo poema!
Pequenas coisas dão por vezes grande prazer.
Um beijinho
Lagartinha de Alhos Vedros
Anónimo disse…
Ah! e a música tão linda e eu não conhecia este papão assim tão meiguinho, cantado pela Sara Tavares e pelo Janita.
Que os papões não estejam contigo.
Lagartinha
kadafi disse…
belo poema Ana!

Abraço!
salvoconduto disse…
É de pequenos prazeres que se enche a alma, este é um deles.

Sacode a areia Ana, sacode!

Abreijo.
Diogo disse…
Que sejam de facto minúsculas essas pequenas sombras malévolas e persistentes.

Beijo
Sunshine disse…
Pequenos prazeres que preenchem a vida.

Pequenos nadas que no entanto dão tanto sabor ao dia a dia já de si tão rotineiro.

Que eles sejam infinitamente maiores que qualquer "grão" de areia que tenta destruí-los.

Bjs Ana
Conde disse…
Esses grãos de areia toda a gente os tem,uns são maiores do que outros. No entanto por aquilo que eu conheço de ti ao longo destes meses eu sei que vais ter força para ultrapassar os teus grãos de areia,tens que ter!.
Fernando Samuel disse…
Os prazeres estão precisamente onde os quisermos encontrar...


Um beijo.
Ana Camarra disse…
José Gil-Como canta o Sérgio "cá se vai andando com a cabeça entre as orelhas!"

Lagartinha-De vez em quando dá-me para a poesia. A música é um doce.

Kadafi-Obrigado!

Salvoconduto-Juro que sacudo.

Diogo-Dou-lhes a importância devida, microscópicas.

Sunshine-Acho que o truque será valorizar os prazeres e sacudir a tal areia.

Conde-Grande fézada! Espero que sim.

Fernando Samuel-Sim, também!

Beijos
SENSEI disse…
Ficam sempre na memória os pequenos prazeres, enquanto que os grãos de areia, só no momento podem afectar, sendo à posteriori quase se não mesmo totalmente esquecidos, restando apenas mais uma lição da vida e, a sempre presença de que nada é eterno, mas sim efémero.

Xôxos

Ouss
adrianna coelho disse…

são esses prazeres que deixam a vida significativa!

tô adorando seu blog.