Eu, humana, quero é viver!



Vou viver até quando eu não sei
que me importa o que serei
quero é viver

Amanhã, espero sempre um amanhã
e acredito que será mais um prazer
e a vida é sempre uma curiosidade
que me desperta com a idade
interessa-me o que está para vir
a vida em mim é sempre uma certeza
que nasce da minha riqueza
do meu prazer em descobrir
encontrar, renovar, vou fugir ou repetir

vou viver, até quando, eu não sei
que me importa o que serei quero é viver
amanhã, espero sempre um amanhã
e acredito que será mais um prazer
a vida é sempre uma curiosidade
que me desperta com idade
interessa-me o que está para vir
a vida, em mim é sempre uma certeza
que nasce da minha riqueza
do meu prazer em descobrir
encontrar, renovar vou fugir ou repetir

vou viver até quando eu não sei
que me importa o que serei
quero é viver,
amanhã, espero sempre um amanhã
e acredito que será mais um prazer

Comentários

Maldonado disse…
Adoro esta música de António Variações, pois identifico-me bastante com a sua mensagem. E a performance dos Humanos é espectacular. :)
Boa malha! ;)
samuel disse…
Era um tipo bem giro o Variações. Foi uma "vergonha", a armadilha que a vida lhe armou, deixando vivos tantos canalhas...

Abreijos
Anónimo disse…
Aninha, que posso dizer?
Lindo, pois não havia de ser, a sexta feira fazia prever que se iria soltar a tua inspiração.
Porque por vezes a tua escrita revela muito do teu espírito livre, fazendo lembrar um pardalito, procurei e encontrei uns versinhos cantados pelo Zeca Afonso que te vou oferecer.
"Quem canta por conta sua
canta sempre com razão
mais vale ser pardal na rua
que rouxinol na Prisão"
Reconheceste António Aleixo?
Agora versinhos de um camarada já falecido, pequeno e velho foi como o conheci,era um verdadeiro pardal nas fugas das cadeias fascistas Xico Miguel
ofereço-te um bocadinho
..................................
" A poesia da vida
é de todas a mais bela.
Mais sentida mais vivida
permanente ou de fugida
gosto de estar com ela"

Um abracinho
Bom descanso
A Lagartinha de Alhos Vedros
Diogo disse…
Partilho o teu entusiasmo. Aplaudo o poema.

Beijo
Ta lindo o teu poema!

Viverei sempre...
que um beijo me acordar
viverei...
enquanto for o teu mar
viverei...
enquanto tiver força
para o meu punho erguer
viverei...
a lutar...!

Beijo e bom fim de semana
Ana Camarra disse…
Maldonado-O Variações era muito á frente. Os Humanos foi uma conjugação muito bem conseguida. Este poema é fabuloso.

Samuel- è verdade tanta gente que não interessa nem ao menino Jesus.....


Lagartinha-Descanso?! Depois conto-te, obrigad pelos versos, são lindos.


Diogo-Não me espanta!

Ausenda-O poema é do António Variações, mas identifico-me muito. O teu também está muito bem.

Beijos
salvoconduto disse…
A vida, madrasta como às vezes é, obriga-me a viver um dia de cada vez, amanhã logo se vê. Se amanhã cá estiver, por certo, não vou fugir, vou apenas repetir a visita ao teu blogue.

Abreijo.
poesianopopular disse…
Ana
Este meu colega era um homem multifacetado, com um enorme valor profissional e cultural, tambem gosto da tua maneira de enfrentar a vida e o amanhã, não é por acaso que somos irmãos, filhos da mesma vontade.
bjos amiga
Maria disse…
António Variações partiu cedo demais.
Este poema é lindo, e o Camané é especial a cantá-lo.

Um beijo
kinaxixi disse…
António Variações, um grande músico e um grande poeta.

um beijo
Ana Camarra disse…
Salvoconduto-Que se passa amigo?
Este tipo de coisas não parece teu!
Costumas ser tu a empurrar-me para a frente...

José-este teu colega era uma pessoa excepcional. Estes versos e outros são prova disso.

Maria-Pois é amiga!

kinaxixi-Exactamente isso o que era, por isso de certa forma está vivo.

Beijos
Fernando Samuel disse…
Amanhã, pois... e o Variações, hoje...


Um beijo.
Zorze disse…
Subscrevo.
A mente de Variações na voz de Camané.

Beijos,
Zorze