quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Cenas que marcaram II

O filme até podia passar-se na minha cidade, Barreiro, o argumento é simples: seis homens de diferentes idades e vivências, afectados pelo desemprego devido ao fecho das fábricas numa Cidade industrial no Reino Unido, decidem fazer um número de strip tease.
Strip Tease total, Full Monty.
Têm barrigas, cabelos brancos, complexos vários, um não consegue fazer amor, por se sentir inútil, outro ainda encobre a situação de desemprego, o mentor do grupo oscila entre a procura de emprego, a pequena burla e o grande desejo de manter o contacto com o filho, que só será possível pagando a Pensão de Alimentos em atraso.
Durante o filme o trágico e o cómico cruzam-se, sem exageros, são homens normais de qualquer cidade a quem o desemprego empurra para uma situação anormal.
O discurso de apresentação, nesta última cena é mais ou menos este:
Podemos não ser jovens, podemos não ser belos, podemos até não o fazer bem, mas esta noite e só esta noite estamos aqui para o Full Monty

10 comentários:

Miss K disse...

Grande grande filme!!! O que à primeira vista pode parecer apenas uma comédia para descontrair, revela-se um filme cheio de conteúdo e de emoções e sentimentos!

Sunshine disse...

Lembro bem desse filme, e dos problemas vividos pelos personagens e a coragem em participarem no show.

Uma comédia retratando um grande problema na sociedade, na altura e tb agora.

salvoconduto disse...

Um excelente filme e um óscar bem merecido pela música.

Também vi ontem um excelente filme Slumdog Millionaire, estupidamente traduzido para "quem quer ser bilionário", que suponho que vai estrear por estes dias. Provavelmente farei um post a aconselhá-lo vivamente.

Abreijo.

Diogo disse...

Muitos milhares estão a ir para o desemprego diariamente por esse mundo fora. Full Monty and Full Shit for everybody.

Eric Blair disse...

Gostei muito do filme, mas nessa linha há um que me diz mais que é Os Virtuosos; isto para não falar em tudo o que é do Ken Loach.
Beijo a fugir, que estou afundado em trabalho.

sagher disse...

levanta o prémio barreirense. no mee blog claro

Fernando Samuel disse...

Excelente e terrível e brutal filme...


Um beijo.

SENSEI disse...

Esse filme é um must!

A realidade da Margaret Hilda Thatcher de então, fez-se sentir profundamente no Reino Unido, como a realidade Socrática do PS se faz sentir hoje em Portugal, num histórico de alternâncias de moscas laranja e rosa, mantendo a mesma política de sufoco económico desprovida de qualquer transparência ao longo de 34 anos, em benefícios próprios, para si, para o seus familiares e amigos, para pagamento de favores e manipulação de influências, ainda com gravosos desvios de fundos, quer do estado, quer mesmo da gestão de dinheiros de privados, para o engordar das offshore, criadas propositadamente para sua garantia de futuro, às custas das vidas do povo de Portugal.
Nem Cavaco Silva, nem José Sócrates são inocentes e, ELES SABEM-NO MUITÍSSIMO BEM!

Ouss

Ana Camarra disse...

Miss K- Fabuloso, mesmo.

Sunshine-Se fosse um problema passado era bom.

Salvoconduto-Lá vou ficar com a "pulga atrás da orelha"

Diogo-Infelizmente.

Eric-Beijos a fugir....

Fernando Samuel-E actual, ainda por cima.

Sensei- Pois a Margaret é da mesma "familia"

Beijos


Sagher-Tenho de o ir levantar sim, no fim de semana, muito obrigado.

Zorze disse...

Ana,

Este ainda não o vi, logo tenho de o visionar.

Beijos,
Zorze