Voltei! Outra vez....



Há um ano, mais coisa menos coisa,depois de uma ausência por questões de saúde, escrevi isto neste blogue, porque nada está muito diferente, aqui fica.

Afinal não desapareci em combate, embora cada vez haja mais combates a fazer! Eu sei que alguns tinham algumas esperanças que tivesse desistido, outros já me tinham perguntado: então? Chegámos ao Natal, o tempo da esperança, da família, dos presentes, da boa vontade, etc. TUDO MENTIRA!
Não consigo sentir nada disso, só sinto frio, no corpo e na alma, cruzo-me com rostos frios, tristes, carregados.
Por um lado o apelo ás compras por outro lado o desemprego, a inflação, as reformas miseráveis.
Por um lado o nascimento de uma criança, símbolo de esperança, numa manjedoura, recebido por reis e pastores, por outro lado os príncipes deste mundo a determinarem quais os meninos dignos de nascer em Maternidades quais os meninos dignos de nascerem numa ambulância, quais meninos que nascem com fome, quais os meninos que nascem em guerra.
Por um lado a Festa das crianças por outro lado o comprometer o futuro delas.
Por um lado o aeroporto, o futebol, as crises de Mourinho, os Tratados, a Cimeira, por outro a tristeza, a escuridão que não se ilumina com árvore de Natal da Loja dos Chineses.
Pronto, voltei e já tenho tido dias melhores.
Quero o cheiro do Natal da infância, quero acreditar que a pior coisa do mundo é o escuro ou não conseguir o cromo que falta a colecção, quero acordar com o alvoroço do pequeno presente na chaminé, lambuzar-me na calda das filhozes, ir apanhar musgo para o presépio, reconfortar-me com as luzes da árvore de Natal, acreditar que todos meninos recebem prenda, do pai Natal ou do Menino Jesus, porque a vida custa todos e entre os dois chegam a todo lado.
Quero ver as minhas tias a dobrar o papel de fantasia por que é muito lindo e serve outra vez…
Queria ver o olhar feliz do meu pai a dar-nos os brinquedos que lhe foram negados na infância, queria o cheiro pão fresco da minha avó, quero a brincadeira sem fim do dia 25 de Dezembro, quero a excitação do almoço em família mesmo que seja preciso tirar portas para nos sentamos todos à mesma mesa, quero ir ao circo no Coliseu e ver aquela rapariga linda com ar de princesa aos pulo num cavalo branco, acreditar na magia do ilusionista….e os vizinhos que batiam à porta para trocar um amável prato de doces, na televisão, no único canal de televisão, transmitiam sempre o “Música no Coração”, nós assistíamos como se fosse a única vez, a minha mãe e avó de avental, ir para casa no dia 24 ás cinco da tarde, quando começa a anoitecer, pela mão do meu pai e saber que tudo ia fechar: o sapateiro, a mercearia, a papelaria e tudo ia para casa começar um noite magica. Quero uma luz diferente, não é preciso ser a maior da Europa, só é preciso que me aqueça a alma…

Comentários

salvoconduto disse…
É o Natal que está igual ou é o país? Da segunda tenho a certeza, da primeira tenho dúvidas.

De ti verifico que eras igual há um ano atrás apesar de então te desconhcer. Ainda bem!
Maria disse…
Pois...
Posso dizer uma coisa? O boneco deitado é giro...

Um beijo, Ana
Anónimo disse…
Que lindo Aninha!
Agora que estamos mesmo a chegar ao epicentro daquilo a que chamo tornado natalício, depressão dos afectos profundos, tenho de te dizer com muita ternura que foste um bem para mim neste ano de 2008.
Estar contigo neste teu sitio, foi bom, os teus textos e a música que escolhes para acompanhar, foram para mim momentos felizes.
Saio 4ª de manhã, para um lugar afastado deste Natal que me faz ficar triste, volto em 2009 para este canto.

Para ti, tua família e para a roda de amigos que por aqui passa, os meus votos de "SANTA VIDINHA" nesta quadra festiva

Um abraço da Lagartinha de Alhos Vedros
Ana Camarra disse…
Salvoconduto

Também não sei, se é o país ou o Natal que está na mesma, eu já não me modifico, como dizia a minha tia as pessoas com a idade refinam.

Maria-Pois é, é um bébé, são sempre giros.

Lagartinha-Se de algo forma te ajudei fico feliz, é para o ano que vamos lanchar? Levamos o nosso Pedrinho?
Boas férias!

Beijo grande a todos
mugabe disse…
Ana, eu também não acredito em nada disso,..tu como eu não és hipócrita,..simples !!!
Ludo Rex disse…
Todos queremos um luz diferente...
Feliz Natal e Bom 2009
Kisses
duarte disse…
só temos de acreditar em quem nos ama e que nós amamos,assim sim tudo é magia...
abraço do vale
Diogo disse…
Infelizmente, cara Ana, os rostos frios, tristes e carregados multiplicam-se de dia para dia, tanto aqui como em todo o mundo. E tudo isto porque somos todos uma carneirada medrosa, egoísta, estúpida e ignorante.

Nunca na história tivemos tanta tecnologia e tanta capacidade de produção. Podíamos todos viver lindamente a trabalhar apenas duas horas por dia, ou uma semana em cada mês, ou dois meses em cada ano. A tecnologia está a substituir o emprego. Que os frutos não fiquem em meia dúzia de bolsos. É por isto que temos de lutar.

Beijo
Fernando Samuel disse…
Belo, muito belo.
Outra vez a infância...



Um beijo.
Zé Ferradura disse…
Olá Ana,

Desejo-lhe um Feliz Natal.

São os votos cá do Zé Ferradura.
Zorze disse…
Ana,

Por isso o combate é duro.
Andamos de esperança em esperança de um mundo melhor. Principalmente nesta altura do ano há muita gente a pensar nisso. Só que dia 26 já quase ninguém se lembra. No ano a seguir voltam-se a lembrar.

Beijos,
Zorze
Ana Camarra disse…
Mugabe-Tenho carradas de defeitos mas hipocrita nunca fui.

Duarte-Tens razão, é só iss.

Diogo-è por isso que lutamos.

Fernando Samuel-Acho que infância é o alicerce de muita coisa.

Zé Ferradura-Muito obrigado, igualmente.

Zorze-Eu lembro-me sempre, mas sabes disso.

Beijos
lucianobarata disse…
Ana
E somos tantos a querer tudo isso
que descreves a um só tempo!
A querer também essa luz
para nos aquecer a alma.
Se calhar
até Deus queria
que o homem continuasse a sonhar
para que a obra se acabasse.

Bom Natal Ana!
E um melhor 2009.