sábado, 13 de dezembro de 2008

Pasteis de Feijão e Surf



Pronto sempre que alguém fala em pastéis de feijão ou surf, lembro-me de ti.
O primeiro surfista que conheci, quando nem era moda ser surfista.
Calado, simpático, ganhaste o estatuto de familiar, ficavas connosco toda a semana e ao fim de semana partias, para as tuas ondas, voltavas com a Renault 4 carregada de pastéis de feijão, Casa Coroa, Torres Vedras, divinais!
Trazias ainda garrafas de vinho, um vinho especial, leve, que lá arranjavas, ao domingo esperávamos já esse contributo.
Depois os serões que passávamos juntos, eu recem casada, casamento que fizeste questão de assistir, como filho adoptivo dos meus tios sem filhos, nesses serões, para não ficar sozinha ficava contigo, ficávamos a falar de tudo, música, arte, história, explicavas os movimentos do surf, eu dava-te sugestões para peças novas que irias modelar em barro.
Tenho uma foto tua com um ar sorridente e os olhos verdes a fazer conjunto com a camisola.
E tenho o exemplar de “A Voz dos Deuses” rabiscado por ti, com bonecos e uma data, umas frases sobre a amizade e estarmos sempre cá.
E sorrias a examinar os meus bebés a dormirem, vias as unhas minúsculas perfeitas, as orelhas, as pálpebras, e espanto dizias “Giro, tão pequenino!”
Depois tiveste que partir, quando vinhas de visita era uma Festa, uma Festa com pastéis de feijão e vinho leve.
Já cá não estás!
Uma doença rápida e mortal corroeu-te a vida em poucos meses, estranhos os teus silêncios, até alguém nos ter telefonado.
Já tinhas partido, com ordens expressas para que não fossemos avisados, para não te vermos assim, a partires, ordens expressas para que não fossemos incomodados, que não houvessem exéquias.
O teu irmão não conseguiu, no último minuto traiu a promessa.
Portanto surf e pastéis de feijão és tu, com vinho leve, olhos verdes e uma amizade segura.
Tenho saudades de pastéis de feijão.

17 comentários:

salvoconduto disse...

Chega-se a um ponto da vida em que todos temos um amigo para recordar.

Keith Jarrett parece aumentar ainda mais a saudade, sabes escolher.

Abreijo.

Anónimo disse...

Que história triste, amiga Aninha!
Eu aprecio imenso surf, porque tenho medo de ondas assim fico espantada com o que eles fazem com a prancha em cima das ondas!
Que apetitosos os pasteis de jeijão, mesmo arirem-se para mim, até apetece estender a mão e comer.
Abraços.
Lagartinha de Alhos Vedros

Ana Camarra disse...

salvoconduto-Infelizmente tenho vários! A saudade é assim como o nevoeiro aparece de repente, alguèm me disse "Apetecia muito um pastel de feijão", só me lembrei do meu amigo!

Lagartinha-Não quero pensar que é uma história triste, ficou uma tonelada de gargalhadas eternizadas nos pasteis de feijão, em fotos, em recordações, em peças de cerâmica feitas por ele.
Foi um amigo muito querido, que basicamente era considerado como familia, viveu literalmente com a minha familia durante 5 anos, tinhamos multiplas cumplicidades.
Á conta dos pasteis lembrei-me dele com mais força!

Beijos

duarte disse...

ficam as memórias ana...e essas sim são eternamente nossas.
abraço grande

F Nando disse...

A vida também tem sabores para mim os pasteis trás na memória os anos que vivi em Torres Vedras

Utopia das Palavras disse...

"...estranhos os teus silêncios,"
definitivamente...
sempre na nossa mente
o sabor
da
amizade...!

Lindo o teu texto!

Um beijo

Eric Blair disse...

história triste, bela imagem.

Ana Camarra disse...

duarte-As memórias ficam, pois ficam.

F Nando-Acho que todos temos sabores guardados.

Ausenda-Eram estranhos os silêncios, eram.

Eric-Os pasteis eram sempre uma delicia, como a nossa amizade.

beijos

samuel disse...

Belo texto!

mugabe disse...

Ana, Ana...... um abraço!!!

Zorze disse...

Ana,

As recordações na nossa cabeça continuam vivas. Por isso perpetuamos outras vidas.

Beijos,
Zorze

Ludo Rex disse...

É bom recordar quem merece ser recordado. Kiss

Fernando Samuel disse...

Belíssimo texto!
parabéns.


Um beijo.

enforcadinho disse...

Com ao fim de 2008, não deixe de passar pela Rua dos Enforcados:

http://ruadosenforcados.blogspot.com

Ana Camarra disse...

Samuel-obrigado.

Mugabe-Recebido!

Zorze-È verdade-

Ludo-Merece mesmo, era um grande amigo!

Fernando Samuel-Obrigado.

Enforcadinho-Depois passo.

beijos

Maldonado disse...

Esta história de vida é bastante tocante, a qual demonstra a tua sensibilidade em relação aos que muito estimas.

Ana Camarra disse...

Maldonado - Eu quando gosto das pessoas, gosto muito!


beijos