terça-feira, 9 de dezembro de 2008

A importância devida!




Explicar ainda que só me conseguem magoar aqueles com que me preocupo.
Os outros não!
Aprendi que as coisas têm exactamente a importância que lhes damos, afinal o que era importante há dez, há quinze anos é quase hilariante.
O que era importante aos cinco anos?! Aos dez?!
É irrelevante.
No entanto existem coisas, aos cinco, aos dez, aos quinze, vinte, trinta, quarenta, que nos magoam para sempre.
Serão as coisas a que demos importância.
Algumas serão aparentemente mesquinhas, banais, mas damos-lhes essa importância.
Com as pessoas será o mesmo.
Por quem gosto ponho a mão no lume, caio sem rede.
Por quem gosto entrego-me assim inteira.
As pessoas que não me interessam que não me inspiram carinho, amizade, admiração, nunca me magoam.
Podem irritar-me, importunar-me, cansar-me, mentir-me, acusar-me, mas magoar-me não.
Não lhes dou essa importância!

23 comentários:

mugabe disse...

Ana,...espero que te preocupes comigo...heheheh

Abraço!

Ludo Rex disse...

E não deves dar mesmo... Assim é que é... Kisses

salvoconduto disse...

Isso não é a importância devida, é a importância da vida.

Acrescentaste mais dois à playlist, já deste conta da diferença entre Nina Simone e Tom Waits?

Abreijo

Diogo disse...

Nunca esquecemos as grandes alegrias e as grandes tristezas qualquer que seja a idade em que aconteceram. Marcam-nos para sempre. E a música que se houve neste blogue traz-nos imensas recordações.

Beijo

korrosiva disse...

Eu funciono assim... mas as pessoas que me magoam, raras vezes têm oportunidade de o voltar a fazer. Há uma porta em mim que se fecha.

beijinhoss

Zorze disse...

Aninhas,

Hoje o dia não te correu bem? Magoaram-te?

Olha, tudo é importante. Mesmo que à primeira vista não pareça.

Infelizmente, as más experiências é que ficam impactadas na memória e com reflexos futuros na vida da pobre alminha.
Que interessa tantas coisas boas vividas em determinada época se a dada altura houve um monstro que destruiu tudo isso.
O grande fornecedor de negócio dos psiquiatras/psicólogos são os monstros.

Ana, monstros, traidores e dançarinos vamos sempre encontrá-los. Tudo tem a haver com a maneira como interagimos com isso. E a importância que se lhe dá.

Para esses, é aquilo que sempre digo. Uma bem metida no meio dos olhos. Sem contemplações.

Não te preocupes, eles depois voltam a nascer.

Beijos,
Zorze

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Com a idade, vamos aprendendo a relativizar "os murros" que apanhamos, mas em miúdos e adolescentes, eles marcam-nos para sempre. São essas nódoas negras que nos moldam e fazem acreditar nas pessoas. Ou não...

Zé Ferradura disse...

Olá,

espero que esteja tudo bem.

Bj
Zé Ferradura

Ana Camarra disse...

Mugabe-Sem nunca te ter visto digo-te já que se não me preocupasse, não tinha feito as “pazes” contigo depois de teres sido bruto.
Também tenho outra característica que é perdoar, muito, aos amigos.

Ludo-Pois é!

Salvoconduto-Boa frase, a diferença entre Nina e Tom é nenhuma, gosto dos dois, muito.

Diogo-Espero que a musica te traga boas recordações. Para chateada basto eu.

Zorze-Não é tudo importante, coisas existem que deixam de ter importância. Não acredito em monstros….nem me fizeram muito mal, apenas se juntaram duas situações, uma que me aleijou moralmente, pelo carinho e consideração que tenho pela pessoa, outra que veio de alguém me queria magoar mas não conseguiu, porque não tem importância para isso.

Carlos-São isso mesmo.

Zé Ferradura-Está, já se sabe que este espaço é meu local de desabafos, bons e maus.

Beijos

Anónimo disse...

Ana

Tenho vindo cá todos os dias!
Não tenho comentado porque me sinto pequeno face a comentários interessantes e inteligentes que abundam, estar a sempre a escrever que és uma querida!
Mas hoje tenho de te dizer algo mais, seja lá o que doeu-te, não foi?
Pensa que por cada pessoa que te magoa tens muito mais que te estimam.

Beijos Grandes e Amigos

Zé Manuel

mugabe disse...

Ana, eu fui bruto ??? porquê ?

Lúcia disse...

Tal e qual, Ana. Tal e qual.

Beijos

Ana Camarra disse...

Zé Manuel-Eu sei e passa.

Mugabe-Uma vez numa caixa de comentários depois de uma observação de chacha desatinaste comig, escreveste que te estavas nas tintas para a minha opinião, isto com um vernáculo á mistura. Fiquei triste, respondi que nunca tinha sido malcriada contigo para aquela reacção e que dali para a frente era melhor ignorarmo-nos mutuamente. Depois continuámos a cruzar os mesmos sitios e fizemos as "pazes". :)

Lúcia-Exactamente


Beijos

Utopia das Palavras disse...

No sentido da vida
não deve haver lugar
para sentimentos menores
eles corroem a nossa existencia
por isso amiga, tens toda a razao!

Um beijo

mugabe disse...

ahh....ainda te lembras disso ??? mas tu com a tua magnanimidade perdoaste...! ainda bem...bolas...!!!!!!!!

Abraço grande !

Ana Camarra disse...

Ausenda-Pois eu também não quero nem consigo mudar.

Mugabe-É claro que me lembro, tenho boa memória! Mas claro que te perdoei.

Beijos

CRN disse...

Ana,
Suponho que hoje, dia 10, como a canção, "here comes the sun, it´s all right"?

A revolução é hoje!

Ana Camarra disse...

CRN

Quando o Sol chega fica tudo melhor!

Fernando Samuel disse...

Notável filosofia de vida!


um beijo.

duarte disse...

quem me dera assim ser...
não gosto que me calquem,porque não piso em nimguém...
às vezes só me apetece desatar aos pinotes...sim chego a esses estados!
mas a idade e maturidade vai-me dando algum juizo...
e lá vou dizendo "quem me quiser,que me tome...quem não me quiser,que me deixe"
um abraço amigo do vale

Ana Camarra disse...

Fernando Samuel-De outra forma acho que não aguentava, já existe tanta coisa complicada temos de descomplicar.

Duarte-è uma questão de feitio, aprendizagem e um pouco de disciplina, quando perco tudo isso sou uma besta, literalmente.

Beijos

M. disse...

Dias melhores em número suficiente para abafar os piores.

:)

M.

SENSEI disse...

De facto, só nos irritam aqueles de quem supostamente nos pareceram e, parecem dignos da nossa atenção e amizade, ainda que difiram em ideologia e, ou pensamentos, estão lá a me defenderem quando eu preciso e, eu estou lá para os defender quando eles precisam.
Mas, por vezes, nós estamos lá e, eles quando mais falta nos fazem, viram-nos as costas.
Esses magoam, mas só magoam 1 vez.
A família e os amigos de longa data, por vezes também magoam, mas a esses, acabamos por perdoar, família é família e, amigos de longos anos acabam por ser também como que uma família.
Faço aqui um brinde que bem conheces:
"Aos amigos presentes, aos amigos ausentes, os outros que se f***m!"

Xôxos

Ouss