Eu e o mar


Ando sempre a falar do mar.
Parece pancada, é mesmo.
Adoro o mar, com aquele carinho que se tem por um amigo de sempre, com um certo receio também
O mar é muito mais forte que eu, muito mais.
Nunca vivi muito longe de água.
Tive a sorte de ser de uma família de nadadores, sempre tive uma alegria, um frenesim a entrar no mar.
O meu pai não sabia nadar lá muito bem, no entanto adorava barcos e tudo relacionado com o mar, nos passeios com ele, invariavelmente tínhamos de passar no Museu da Marinha (nunca me levou ao Planetário), na Doca de Alcântara, numa Lota qualquer, Cabos e Faróis também.
O meu pai enchia folhas de blocos com desenhos de barcos, de frente, cortes transversais, com medidas e cotas, as orlas dos jornais também.
A minha avó transformava-se com o mar, a minha tia mal punha o pé no aeroporto de Lisboa, dizia logo que lhe cheirava a mar e é claro íamos logo cumprimenta-lo.
A história mais fantástica da minha infância era a Menina do Mar da Sofia.
O mar é sitio de vida e de morte, acredito que todos saímos de lá.
Acho que é o sítio onde me sinto mais feliz.
Quando estou muito triste, muito cansada, quando as pessoas mais importantes da minha vida partiram, foi para onde fui, fui olhar o mar.
E gosto do mar por ser imperfeito, como eu, o mar é doce, mas cheio de sal, o mar é tão calmo como furioso, tão calado como ruidoso, tão frio como confortável.

Comentários

mugabe disse…
E fazes muito bem, o mar tem algo de mítico.

Abraço!
O mar é alma
é gente...
o mar acalma
e sente...
o mar é meu
e do teu olhar...!

Beijos
salvoconduto disse…
Mais virado para um rio livre de barragens, deitado na relva de uma das sua margens, à sombra de um qualquer amieiro, ouvindo o som da corrente, da cachoeira e até da libelinha. É a infância que nos marca.
duarte disse…
nunca tive essa relação com o mar...os dez anos que passei no porto,ia vê-lo à noite,sempre acompanhado...não fosse eu caír à agua!o que me lembro do mar é cheiro e som e noites de tertulias infindáveis até ao amanhecer...
abraços do vale
duarte
CRN disse…
Ana,
bela paixão a tua!
No meu caso, viví no mar alguns anos, aliás, como parte da minha familia, mas no meio do mar, do oceano. Assim mesmo, nasci a ver o mar, cresci à borda d'água, espero morrer nas espuma das ondas, de onde - e isto é literal - renasci tantas vezes.
Sem dúvida, o mar foi o nosso meio natural, provavelmente volte a sê-lo, ainda que para tal necessitemos aproximar-nos mais do sol. Em 1500 ou 2000 anos, o mar, que para descrever como musa os homens lhe puseram uma sereia pelas condicionantes culturais à época, depois sonho será reducto de vida.

A revolução é hoje!

P.D. -àguas de Março, arranjadas pelo red hot, muito peculiar mas um evolução muito interessante.
Diogo disse…
O mar é das melhores coisas do mundo. É um dos maiores prazeres que tenho na vida, seja a mergulhar nas ondas, a ver o fundo e os peixes com óculos e barbatanas, a fazer carreirinhos, a fazer windsurf, a fazer vela ou sentado na areia ou numa esplanada a olhar para ele.
poesianopopular disse…
ana
Estás como eu à beira-mar sinto-me um barco.
Seria imcapaz de viver longe do mar.
O mar ceia muitas feridas, mas ajuda a curar muitas mais!
Bjos amiga
SENSEI disse…
Então já somos 2!
Eu gosto muito do mar, de nadar, mas acima de tudo adoro mergulhar.
Pé na praia, lá vou com mais de 20 quilos de material de mergulho, o fato, parte de baixo e parte de cima, barbatanas, máscara, luvas, faca de mergulho, tubo de apneia, bóia de sinalização, cinto de chumbos, para a estabilização, 1Kg por cada 10 kg nossos, é obra!
Mas entrado na água, umas vezes com a arma de arpão, outras vezes sem, é como se voasse, voo por cima de rochedos, algas, cardumes, vales, mergulho, vejo quadros vivos em movimento, de uma beleza que só visto, é indescritível, por vezes, lá se me atravessam uns peixes de calibre a condizer com o grelhador e logo são convidados de honra para a minha mesa, sargos, robalos, sarguetas, mesmo tainha de alto mar, é uma delícia grelhada, salmonetes, budiões de algum porte, fazem uma sopa de peixe espectacular. Ver os cavalos marinhos de diversas formas a evoluir no seu meio, as lesmas do mar com as suas cores, esvoaçam como borboletas gigantes, com cores que se intensificam quando o sol raia na água límpida, só quem o faz pode sentir o quão livre se é, nessa fusão do homem com e no ventre do mar.

Xôxos

Ouss
samuel disse…
O mar é o lugar de onde todos viemos...
Alguns esqueceram-se. Outros lembram-se e têm muitas saudades.
Ana Camarra disse…
Mugabe – Pois o mar é mítico.

Ausenda- Tão bom olhar o mar!

Salvoconduto – Não só a infância, sinto-me sempre melhor, mais feliz no mar.

Duarte – Digamos que é uma relação menos intima que a minha.

CRN – Sim o mar é vida! As águas de Março arranjadas por David Byrne!

Diogo – O mar também é bom por isso, cada um desfruta da sua forma.

José - Eu também não era capaz de viver longe do mar, acho eu.

Sensei – Exactamente, o mar é isso tudo e muito mais.

Samuel – Pois eu tenho sempre muitas saudades!

Beijos
CRN disse…
Ana,
Red hot, red hot.

Abraço.

A revolução é hoje!
Fernando Samuel disse…
O insustentável... fascínio do mar...


Beijo.
Ludo Rex disse…
Ai o mar, o mar... Mulher livre, tu sempre gostarás do mar...
Kisses
Ana Camarra disse…
CRN- Pronto tens razão, mas quem canta é o David Byrne e a Marisa Monte.

Fernando Samuel-Direi sustentavél.:)

Ludo-Livres são os táxis! Mas sempre gostarei do mar.

Beijos
Ana Camarra disse…
CRN- Pronto tens razão, mas quem canta é o David Byrne e a Marisa Monte.

Fernando Samuel-Direi sustentavél.:)

Ludo-Livres são os táxis! Mas sempre gostarei do mar.

Beijos