quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Sexto Sentido?


Será que existe um sexto sentido?
Há quem diga que sim e que o atribua especificamente ao sexo feminino.
Não sei!
Sei que existem pessoas que nascem com os cinco sentidos e no entanto não os usam de todo.
Passam pelas coisas boas da vida sem as apreciar, sem olhar mais longe que a sua sombra.
Pelas coisas más também, passam por elas e fingem não as ver de todo, como se assim elas deixassem de existir!

Mas ainda assim os há cegos a verem, doutra forma, mas sim a ver.
Não ouvem também, nem o bom, o claro, transparente, as coisas escondidas numa música ou num poema.
Não ouvem nada, abafados num barulho ensurdecedor.
Não ouvem tão pouco aquilo que dizem.
Mas também há surdos que ouvem, há até a história de Beethoven que ouvia com a memória e assim compôs músicas fantásticas.
E provar, sim também não provam.
Não provam o sal da vida, o sal de uma lágrima sincera, não provam nunca o amor, a amizade, nem a revolta ou a indignação.
Morrem sem usar totalmente o palato.
E não cheiram a maresia, ou o cheiro de uma flor, de uma erva que rompe a terra, ou o cheiro de uma vida nova, o do carinho….

Por fim não tocam, são insensíveis!
Os beijos, abraços e carícias são coisas mecânicas, formais, porque sim.
Porque Sim!

A razão mais estúpida do mundo!
A razão mais vazia de razão!
E apesar de terem aparentemente as nossas faculdades, não as têm, são uma espécie de bonecos sem recheio, sem alma ou espírito.
Por isso não sei se há um sexto sentido, muito menos se houver será apanágio feminino.
Talvez existam pessoas que saibam (acho que nascem assim e outras aprendem) a usar todos os sentidos, e usados combinados são um único.
Uma forma de entender o mundo, a vida.
Acho que é isso….

18 comentários:

Anónimo disse...

Ana

Que posso dizer senão que esta tua última, suponho, reflexão sobre os sentidos é fantástica.
Tens razão amiga, tanta gente que não vê, não escuta, não prova, não toca e nem cheira a vida.
Eu próprio tenho esse problema por vezes!
Mas tu, não.
Tu és uma dessas pessoas que falas, usas todos o sentido e com isso tens o sexto, a tua grande sensibilidade, já agora inteligência.
Até me arrepiei com isto.

Um beijo muito grande
de um grande Amigo

Zá Manuel

CRN disse...

Tira o laço de melaço,
que amordaça uma farsa,
e passo a passo
estica o braço no compasso de um abraço,
Oh pá !

Disseram-lhe que fosse
mas nunca que ficava
tosse, tosse ou coce, coce
O fosse é uma foice mas ficava é uma fava.
Éh !

É um forno, que transtorno,
a nuvem vermelha da outra banda
mas p´ra quem manda.
Só não para quem vai no passo de quem anda.
Bum !

Tanto acena que faz pena
e tem certo toque de escroque.
Troque, troque
Toda burla é uma gula
e a toca é muito foca.
Talvez um dia a engula !


Abraço.

A revolução é hoje!

Ana Camarra disse...

Zé Manuel

Não era minha inteção causar qualquer desconforto.
Como sempre és um querido e desfazes-te em elogios.

Obrigado

Ana Camarra disse...

CRN

Esse poema é fantástico!
Tens de me dizer que é o autor.

beijos

Anónimo disse...

-Penso que será... é mais medo-sim medo!...medo do outro, medo de si mesmas.
-E não falta deste ou daquele sentido.
De qualquer forma gostei da tua reflexão. Ou melhor cada vez gosto mais de ficar um bocadinho a espreitar os teus pensamentos e a forma como os descreves.
abreijos
aferreira

Ana Camarra disse...

a.ferreira

São mesmo os pensamentos que me passam passam na tola, por vezes sem estarem revistos.

beijos

Patti disse...

Olá. Li todos os teus sentidos e esperava por este. É o meu prferido e o mais fiável, pois diz-me sempre aquilo que falta aos outros.

Ana Camarra disse...

patti

Este também é o meu favorito.
Bem vinda

beijos

Ludo Rex disse...

Bonito texto, deixaste-me a reflectir... Terei eu sexto sentido para a vida.
Kiss

Marreta disse...

Eu até julgo que haverá um sétimo sentido, e um oitavo, e se calhar um nono. Alguns deles se calhar ainda não nos apercebemos que os temos, ou se apercebemos ainda não conseguimos potenciá-los.
Se calhar, o Zorze poderá acrescentar mais qualquer coisa sobre o assunto!
Saudações do Marreta.

Zorze disse...

O que será o sexto sentido? Talvez o uso completo dos cinco. Em conjunto e harmonia, será?
Ou a percepção de energias referentes a pessoas e/ou a eventos.

Será tudo isso e ainda mais qualquer coisa que o Ser Humano "ainda" não consegue explicar.

A questão de ser mais atribuido ao sexo feminino, talvez seja, por intuição serem pessoas mais protectoras e que por essa via desenvolvam mais o prenúncio. Se calhar não, não sei. Mas que lhe é atribuida essa capacidade, é.

Beijos sentidos,
Zorze

ferroadas disse...

Olá amiga

Sabes qual é o sexto sentido, é sentir que um mundo melhor é possivel.

BJS

Ana Camarra disse...

Ludo Rex – Acho que sim…

Marreta – pois esses já não sei, só o Zorze.

Zorze –Também não tenho certezas.

Ferroadas – Essa tenho!

Beijos

mugabe disse...

todos os sentidos...e em força...!

Abraço!

salvoconduto disse...

Já me serviu de muito mas também ja me fez tanta falta...

Abreijo

Fernando Samuel disse...

Mais um bom texto, a culminar os bons textos que o antecederam.

Sim, talvez seja nesse ÚNICO, feito de um combinado do TODOS, que está o SENTIDO DA VIDA...

Um beijo.

Ana Camarra disse...

mugabe - Faço possivél para usar todinhos, já que tive a sorte de nascer com eles, a visão é compensada pela vontade de ver e pelas lentes de contacto, o resto quero usar em plenitude.

salvoconduto - Mas é esse que faz mais falta!

Fernando Samuel - Acho que sim, este é o sentido da Vida


Abreijos granes

Opinador disse...

Talvez o sexto sentido seja isso mesmo: o resultado da soma dos outros cinco, ou talvez não.
Ou talvez, devido à evolução, tenhamos perdido sentidos, do mesmo modo que estamos a perder os sisos, e algumas pessoas ainda mantenham o que outras já perderam.
Agora um facto que é notório é que estamos a perder sentidos. Esta vida que levamos, os caminhos que a sociedade nos vai obrigando a seguir, faz com que até os cinco sentidos estejam em risco de se perderem.
Já não vemos o vizinho do lado, perdemos a capacidade de apreciar uma flor campestre sem a arrancarmos, trocámos o perfume do corpo pelos cheiros dos perfumes... deixámos de ser naturais para sermos mais umas coisas iguais às que nos rodeiam.
Sobram alguns românticos resistentes mas estão em vias de extinção.

(Desculpa não ter passado por cá ontem, mas confesso que adormeci em frente ao monitor)