quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Não consigo, peço desculpa!



Já estou farta de dizer que finjo muito mal!
Não consigo fingir que a conversa é agradável, quando não é.
Mesmo que me esforce muito, os meus olhos geralmente não mentem…
Houve alturas em que tentei ter essa faculdade camaleónica de me adaptar ás situações e sorrir quando me dói a alma, em ensaiar um sorriso de circunstância para oferecer a quem me espeta dissimuladamente uma faca nas costas, ou nem tão pouco dissimuladamente, de fingir a amizade por quem me agride.
Tentaram ensinar-me, mas fui muito má aluna.
Não consigo!
Não consigo fingir sentimentos, consigo fingir lagosta com pescada, consigo fingir que está sol, quando chove, consigo até decorar um papel qualquer e fingir que sou aquela personagem, consigo até fingir que estou segura e que sou mais forte do que sou, que não tenho medo de falar em público, consigo até fingir que não tenho vontade de chorar, ou pedir colo, ou mergulhar no mar e esquecer-me.
Mas, peço desculpa, mas não consigo! Não consigo fingir-me, a mim!

29 comentários:

Ludo Rex disse...

Fingirmos que não somos nós, seria a negação de nós próprios, da nossa existência, da nossa particularidade única de seres humanos.
Continua como és...
Kisses

Ana Camarra disse...

Ludo

Pois continuo!

beijos

Capitão Merda disse...

Não precisas de pedir desculpas!
;)

Ana Camarra disse...

Meu Capitão

Isto não é defeito, é feitio!

beijos

Lúcia disse...

Olha, olha - os Doors com o People are strange. Os estragos doces que isto já me fez:))
Se os teus olhos não mentem...está tudo dito.
Bjs

Anónimo disse...

Ana

Hoje sou eu que pergunto se estás triste?
Não sei que maldade te fizeram, mas não mudes amiga, não medes.

beijos

salvoconduto disse...

Se fingisses desiludias-me...

Abreijo

Ana Camarra disse...

Zé Manuel

Isto tem dias....



salvoconduto

Mais que isso desiludia-me a mim, eu acho que não mereço

beijos

João Norte disse...

Pensa bem!... Não andaremos todos a fingir um pouquinho?

Ana Camarra disse...

Lucia

Os meus olhos não mentem.

João Norte

Mesmo assim, não podemos fingir tanto assim!

beijos

Fernando Samuel disse...

Parabéns por mais este escelente texto.
Que não sabias fingir, já eu sabia - mas escrito pot ti, assim, é outra coisa...


Um beijo amigo.

Ana Camarra disse...

fernando samuel

O Poeta é um fingidor, como não sou poeta....

beijos

Utopia das Palavras disse...

Fingir é mentira
mera fantasia
de quem não quer
não pode
ou não sabe
enfrentar...!

texto 5*

beijo
ausenda

Conde disse...

Tambem já me espetarm facas nas costas e é impossivel fingir que não se sentiu o golpe.

Menina Idalina disse...

Não peças desculpa e fazes muito bem em não abdicar de seres genuína, de seres Pessoa .
BJ

Diogo disse...

Espero que “O Ùltimo Adeus” não tenha a ver com este espaço.

CRN disse...

Ana,
Não te vejo capaz de preocupar-te com a impossibilidade de fingir, como tal, esperemos o próximo post.

A revolução é hoje!

Ana Camarra disse...

Ausenda

Pois eu enfrento as coisas, amiga, por vezes fico só irritada!

Conde

Verdade, impossível não sentir.

Menina Idalina

Já expliquei, esta coisa de pedir desculpa não é defeito é feitio.

Diogo

Não percebi, vais ter de explicar….

CRN

Eu não me preocupo com isso, mas por vez dói, é só, depois passa.

Beijos

SENSEI disse...

Pois fingir, que somos flexíveis, que somos tolerantes, que aceitamos os contras, começa a ser cada vez mais difícil, elas são tantas e, tão seguidas, que vai sendo bem difícil, não explodir.
Não tens que fingir nada!
Tens sim, que gritar o teu descontentamento!
Não tens que barrar doce no pão, quando te apetece apenas torrá-lo, até ficar bem carbonizado!

Souplesse, sim!... Fingir?!... NÃO!

Xôxos

Ouss

marreta disse...

O cinismo é um dos piores defeitos humanos, quanto a mim o pior.
Parece que nos dias que correm as crianças são ensinadas para ao longo da vida conviverem com ele como se fosse uma fatal banalidade.
Não creio que assim seja, apesar de muitas vezes parecer ver o mundo ao contrário, em que se premeia o defeito e se condena a virtude, continuo a acreditar na força do carácter e personalidade.
Saudações outsiders do Marreta.

Ana Camarra disse...

Sensei - Tem alturas que até soupless falha!

Marreta - Também acredito.

beijos

André A.P. Batista disse...

Ana estou viciado no isto tem dias...

E a culpa é da música...

Estou com o teu blog aberto à horas a ouvir Rodrigo Leão!

Bahhhhhh....

Sabes que mais... Isto tem dias :p

André A.P. Batista disse...

Hum e realmente isso da hipócrisia tem que se lhe diga...

Mas numa coisa estou de acordo. A hipócrisia é transportada de pais para filhos - sobretudo - é ensinada em casa normalmente em simultaneo com a mesquinhez.

Mas quem nunca foi hipócrita uma vez avise...

Diogo disse...

Quis apenas desejar (de forma obviamente trapalhona) que o - «Não consigo fingir que a conversa é agradável, quando não é», - não significasse nenhum cansaço com a blogosfera em geral.

Porque, este é um dos meus blogs favoritos.

António Chaves Ferrão disse...

Fingir é tão difícil como inútil. Que poderíamos esperar em troca?
Bom post.

Zorze disse...

Ana,

Apesar de o social correcto te dizer que tens de "Treinar mais". Te digo desliga esse botão e não te preocupes com esse tipo de problema.

Pressinto que hoje o dia não te correu de feição. São os melhores dias para aprendermos.

Vive os dias genuínamente e que os outros se stressem com os pensamentos deles.

Quanto às facadas, aprendi à uns anos alguma da arte. Toda e qualquer facada dirigida contra nós tem sempre um contra-golpe que bem orientado ferra o metal no agressor.

Beijos,
Zorze

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Só mesmo o poeta tem direito a ser um fingidor. Por isso partilho por inteiro o conteudo deste post

Ana Camarra disse...

André-Não me parece um vício mau, fico lisonjeada. Quanto ao resto, pois há princípios de facto que são transmitidos logo de pequeninos. Quanto ao ser hipócrita acho que todos numa fase ou outra somos forçados a ser hipócritas, tento sê-lo o menos possível, dói-me muito!

António – Concordo, inútil!

Diogo-Não, enquanto achar que vale a pena, apesar de criar estes laços com pessoas como tu, que nunca vi, ainda considero-os amigos, continuarei.

Zorze-Pois, isto tem dias….

Carlos-Não sou poeta e de facto finjo muito mal.

Beijos

São Esteves disse...

Olá partilho consigo esta opinião de não fingir. Gostei do que tenho ligo e gostaria que tambem lesse o que escrevo. Obrigado por tão bela leitura que me deu
Um abraço São Esteves

http://saozyta.blogspot.com/