Ainda não somos iguais, temos pelo menos duzentos e tal euros de diferença!

Tenho uma amiga que faz o favor de me enviar os estudos do Economista Eugénio Rosa.
Este é particularmente interessante, visa a descriminação de remunerações em Portugal, com base no sexo.
O estudo mostra que o Eurofond acabou de publicar um estudo, efectuado em 28 países, onde Portugal se encontra no topo da lista.
È claro que não é nada de bom, sempre que estamos no topo de uma lista é qualquer coisa de preocupante.
Assim Portugal è o país, desse estudo, onde a discriminação de remunerações com base no género é maior, em média a remuneração feminina é inferior à masculina em 25,4%.
Mais a discriminação remuneratória aumenta sempre quanto mais é elevada a escolaridade na mulher, ou a sua qualificação.


Assim nos “Quadros Superiores”, as mulheres ganham em média menos 24,8%, quanto ao nível de aprendizes a coisa baixa para uma diferença de 7,8%.
A descriminação é ainda diferente de sector para sector, assim na Industria transformadora a diferença era de em 2006 de 32,6% e nas “Outras actividades de serviços colectivos sociais e pessoais” era de 42%.
Estas diferençam sempre de menos para as mulheres.
Assim, esta diferença, faz com que as entidades patronais obtenham elevados lucros, extraordinários, à custa da sobre exploração das mulheres trabalhadoras, em Portugal.
Feitas as contas no 2º Trimestre deste ano esse lucro extra era de cerca de 5170 milhões de euros, por ano, ou seja uma diferença média salarial na ordem dos 249,54 Euros mensais.
Que as mulheres ganham a menos!
Só na Corticeira Amorim propriedade do homem mais rico do país, essa diferença ascende aos 6,8 milhões de euros, anualmente.
Se juntarmos a tudo isto, o facto das mulheres desempregadas serem mais que os homens, que estas descriminações propagam-se pelos falsos “recibos verdes”, que são as mulheres quem mais tem trabalho precário, as contas são outras.
A somar ainda a tudo isto, quando terminam um dia de trabalho, mal pago ao lado de um colega homem, mais bem pago, pelo mesmíssimo trabalho, enquanto ela segue para casa, a transportar meninos da escola, a comprar falhas na dispensa, a fazer o jantar, a estender uma roupa, arrumar uma cama, planear mochilas para o dia seguinte, desligar a luz e deitar-se, enfim cansada.


Ele vai, lê o jornal, ou vê Tv no conforto do sofá, rabeia um pouco por ter de levar o lixo ou o cão ou as duas coisas à rua, perguntará o que se janta…
Não é assim em todas as casas nem em todos os trabalhos, felizmente.
Mas é assim na maioria.
Este tema é recorrente aqui, é normal, sou mulher.
Como escreveu o dramaturgo Dário Fo

“Por mais que uma mulher suba há sempre um homem por cima dela”!

Comentários

mugabe disse…
hehehehehe,..é uma grande verdade Ana,....haverá sempre um homem por cima delas.

Olha, o que eu sei é que isso é tudo verdade e solidarizo-me com todas as mulheres pelo seu inglório trabalho duplo (profissional e caseiro) a maior parte das vezes não reconhecido ! Abraço!
Ludo Rex disse…
Ainda há muito caminho a percorrer e muita luta que travar. Viva a Mulher!
Kiss
salvoconduto disse…
Felizmente na minha vida profissional as mulheres sempre ganharam o mesmo que eu, para a mesma função, claro. Já agora, abomino quotas.

Abreijo.
Capitão Merda disse…
Muito "posta" esta senhora!

É assim mesmo!
Ana Camarra disse…
Mugabe – Tenho esperanças que no futuro assim não seja.

Ludo Rex – Um caminho longo que ainda falta, amigo.

Salvoconduto – pois não é em todo o lado, mas é na maior parte dos sítios. Isto é números faz impressão. Já agora, também abomino quotas, são uma fantochada. Deve de se olhar para os seres humanos, como seres humanos, só e apenas.

Capitão Merda – Isto tem dias, meu Capitão.


Beijos
Opinador disse…
Depende! Eu não me importo nada de ficar por baixo. Depois de levar o lixo e o cão à rua, é mesmo a posição menos cansativa.

Agora a sério.
O Mundo está em constante mudança mas é ao nível das mentalidades que se nota mais a inércia.
Quem tem o poder não quer perder regalias... o que também não facilita nada as coisas.
Ana Camarra disse…
Opinador

As posições em certas ocasiões são aquelas que nos apetecem.
Agora a sério, os homens têm vindo a ser os donos do mundo e é dificil mudar as coisas á velocidade que gostavamos.

beijos
Zorze disse…
Ana,

Depende, às vezes gosto de ficar por baixo. E aliás na posição 69, normalmente é o homem que fica por baixo.

Sem ofender ninguém, mas, trazendo, a realidade dura e crua do dia-a-dia ou da noite, quando, à putas a fazerem broches a dez euros... Não tenho mais nada a acrescentar.

Beijos,
Zorze
Ana Camarra disse…
Zorze

Agora por qualquer coisa falas do mesmo....

Não conheço esses preçários, é mais carne, peixe, leite, etc...


Beijos
Opinador disse…
Os homens têm vindo a ser os donos do mundo?
Pensam que são os donos do mundo mas de vez em quando dão com os burrinhos na água e vem a mer*a toda ao de cima, como se está a ver agora.
Por mim não me importava nada de entregar o poder às "gajas". Afinal elas até já o têm, só que ainda não deram por isso e nós vamos fingindo que mandamos.
Sem o "poder" das mulheres é que o mundo havia de ser lindo...
Ana Camarra disse…
opinador

Pois or acaso tens razão, embora deixa que te diga que vendo bem o poder tem estado sempre mal entregue, porque de mulheres a mandar ou aquerer mandar é o que se tem visto: Margaret Tatcher, Condoleeza Rice, esta parva da Sarah Palin, Angela Merkel, também não tem sido abonatório..
O fundamental é olhar para as pessoas como pessoas, só mais nada!

beijos

(obrigadinha, como gaja, fico muito sensibilizada com esse voto de confiança nas mulheres e geral)
CRN disse…
Ana,
Um aspecto cultural que estás a ajudar a modificar.

Abraço.

A revolução é hoje!
Ana Camarra disse…
Crn

Se este modesto contributo ajudar a mudar, não é mau.

beijos
PDuarte disse…
qunto à diferença salarial, tens toda a razão e é para mim uma das maiores injustiças deste país.
agora...
"Por mais que uma mulher suba há sempre um homem por cima dela!"
olha que não...olha que não...
Ana Camarra disse…
pduarte

è mais uma injustiça onde Portugal se posiciona na frente do pelotão.

quanto ao resto tu sabes que é figurativo.

beijos
Fernando Samuel disse…
Portugal tem esta característica singular: sempre no topo da lista quando se trata de coisas negativas; sempre no fundo da lista quando se trata de coisas positivas...


Um beijo.
Ana Camarra disse…
Fernando Samuel

è a especialidade nacional....

beijos
José Gil disse…
Olá Ana. Realmente eu penso que a tendência é que esta disparidade se venha a esbater.

Lá vem a velha máxima: Trabalho igual, vencimento igual!!

Três beijos grandes
SENSEI disse…
Olha que essa de ter sempre um homem por cima, bem, isso tem mesmo dias, mas também noites!

Agora que ainda estamos meio feudais, no que respeita aos direitos da mulher nas empresas e, muitas vezes em casa, estamos sim senhor!

As mulheres ainda são despedidas pelo simples facto de engravidarem e, não me venham com a habitual treta de que isso é proibido, pois como todos sabemos, a entidade patronal portuguesa, é soberana sobre qualquer lei vigente, que defenda o, ou neste caso, a trabalhadora, porque e, em caso muitíssimo remoto, de uma inspecção do ministério do trabalho, numa empresa em que essas práticas sejam corriqueiras, ou seja em quase todas, logo uma nota de 500€ cala a injustiça e sela um pacto, que coloca as empresas acima da lei e, os ou as trabalhadores e trabalhadoras, debaixo do seu jugo.

Beijo

Ouss
Ana Camarra disse…
Sensei

Já epliquei ao Pduarte que é em sentido figurado...

Quanto ao resto infelizmente é verdade, mais uma

beijos
Ana Camarra disse…
´josé gil

Vai-se esbatendo devagarinho, muito devagarinho.

beijo
Maldonado disse…
De facto na sociedade capitalista em geral, e na nossa em particular, a mulher, a nível laboral, não é económicamente rentável, por causa da maternidade. É que muitas empresas não admitem mulheres porque estão preocupadas com o que irão pagar quando as suas assalariadas engravidarem. Por isso, é frequente acontecer em muitas entrevistas de emprego a mulheres perguntarem se é casada ou se tenciona casar e ter filhos...
O mundo laboral ainda é machista e misógino. :(
Ana Camarra disse…
Maldonado

Pois é o mundo laboral e não só.
Ser mulher é complicado.
Mas, apesar de tudo, gosto de ser mulher.

beijos