sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Acordada!



Pronto ainda assim resisto sempre!
Já sei que todos os dias em pequena lutava contra o sono, o dia terminava com uma fita em que lamuriava “Não tenho sono! Não quero dormir!
Lamuriava, porque nunca fui de chorar muito, nem tão pouco gritar, também não fazia aquelas fitas brutais de bater o pé no chão, nem nunca consenti aos meus meninos que o fizessem, já agora.
Depois tudo terminava com a intervenção frontal da minha avó que me ameaçava com um par de chineladas, coisa que nunca me deu.
Lá ia dormir, contrariada, muito contrariada.
Ainda hoje faço um bocadinho de fita, quando me sento no sofá o sono vence-me, mas a cada intervenção familiar “Ana vai para a cama, estás a dormir”, respondo com um sonoro “Não estou nada, estou a ver o filme!”, muitas vezes o filme já acabou…

Para além de alguns terrores nocturnos que me assombravam, aliás hoje ainda me assombram, são diferentes mas frequentemente me acordam ou então acordo quem dorme à minha volta, com um grito. Dizia eu, para além dos terrores nocturnos, também tinha sempre a sensação que perdia algo sempre que dormia.
Quando acordava já não era de noite, a noite, as estrelas, a lua, tudo tinha desaparecido, tinha tudo mudado, havia flores que desabrochavam que não estavam lá quando me tinha deitado, peixes que tinham nascido no aquário, ovos que tinham eclodido, dentes que me tinham caído…
Não podia continuar a ler a próxima página do livro.




O mundo não dorme!
Claro que havia sonhos, bons, sonhos felizes, ainda há, particular carinho para os sonhos em que estou a voar, assim sem asas, sem paraquedas, sem avião, uma sensação de libertação absoluta.
Acho sempre que se passa algo no mundo que não devo de perder!
Portanto gosto de estar acordada, gosto de sentir o pulsar do mundo e das pessoas à minha volta, ver eclodir todos os ovos que possa, reais ou mesmo dos outros, gosto de ver desabrochar todas as flores que consiga, ver todas as realidades que possa, viver em suma o mais que possa.
Apesar de reconhecer que me faz falta dormir, gosto muito de estar acordada!

26 comentários:

mugabe disse...

Ana, os sonhos sempre foram para mim o resultado da realidade, umas vezes bons outras maus.

Olha, como no teu post anterior me ignoraste (não me respondeste )talvez por ter assinado CIDADÃO, vou voltar a assinar como habitualmente, tem mais brilho ( e depois ainda dizem mal do homem) ahahahahah

Ana Camarra disse...

Mugabe

Desculpa não foi por mal, mas vou lá voltar e responder.
Pois será como dizes os sonhos, eu cá gosto de voar.......

beijos

Ludo Rex disse...

Delicioso texto para entrar em fim de semana... Leio-te com prazer. Kisses

CRN disse...

Ana,
Modificar a realidade, poder manter um sonho acordado, esse é o objectivo!

A revolução é hoje!

Ana Camarra disse...

Ludo Rex - Mais uma reflexão desta gaja!

CRN - Exactamente, é esse o objectivo.

beijos

salvoconduto disse...

Há quem me chame o anjo da noite, outros o homem da noite e por isto dá para perceber a mimha resistência em ir para a cama. Só o faço quando a madrugada vai alta.

É nesse período que me sinto melhor, questões biológicas, mas também é a parte do dia em que estou melhor com os meus silêncios.

Abreijo

Fernando Samuel disse...

Bom texto.

(é bom estarmos (sempre) acordados...)


Um beijo.

Ana Camarra disse...

salvoconduto - Percebo-te, é quase um vicio estar acordado, de madrugada tudo tem outra dimensão, os sons, os cheiros, até o escuro e a claridade.
Das coisas que me marcaram foi acordar numa cidade estranha, Toronto, ás 3 da Manhã, para mim eram 8, e ficar assim á varanda a ver a cidade esperguiçar-se e acordar.
Depois o resto, as estrelas, o mar á noite é lindo, a areia brilha, os bichos e os ruidos da noite.
Pronto isto é quase outro post.

beijos

Ana Camarra disse...

fernando samuel

Acordados, sempre.

beijos

Anónimo disse...

Miuda

Tenha ideia dessas birras, porque verdade se diga a minha menina com sono tem um mau feitio do caraças!
Até nos acampamentos, ficavas a arrochar mas sempre a dizer que não.
Tens a mania é o que é.
Mas também sonhava que estava a voar, agora nunca me lembro dos sonhos.
E tu falavas á brava a dormir, ainda falas?

beijos

Paulinho (el niño)

Anónimo disse...

Anita

Sonha, linda sonha...
Ainda bem que sonhas.
Afinal já dizia o poeta que o sonho comanda a vida e quando um homem sonha~o mundo pula e avança.
Já agora quando uma mulher sonha também.

Mas arranja tempo para descançar, por favor.

beijos

Zé Manuel

Ana Camarra disse...

Paulinho, meu menino

Falo á brava a dormir!

beijos

Capitão Merda disse...

Aproveita o fim-de-semana para dormir!

Ana Camarra disse...

Capitão

Vou tentar seguir esse conselho!

beijos

Marreta disse...

Tudo isso é muito bonito, mas o Marreta se pudesse, dormia todos os dias até pelo menos à 1 da tarde.
Saudações ensonadas do Marreta.

Ana Camarra disse...

Marreta

È muito raro dormir assim, amanhã vingas-te rapaz, dorme desgraçado.
Pareces um bébé, comer e dormir...

beijos

Conde disse...

Aos fins de semana ,quando a cabeça está mais ligeira adora levantar cedo e gosto de acordar naturalmente com os primeiros raios de sol a entrar pela janela.

Ana Camarra disse...

cnde

Considero o amanhecer mais belo do que o por do sol.

beijos

Ana Camarra disse...

Zé Manuel

Sonho sim amigo.
Vou tentar arranjar esse descanso

beijos

F Nando disse...

Leio e revejo-me nas tuas palavras. Dormir é um tempo que não vivemos, podem falar então e como sonhavamos? Pois...
Mesmo assim continuo a dizer como em criança dizia para a minha mãe: Devia de haver férias para o sono

beijos

Ana Camarra disse...

f nando

Boa teoria essa que tinhas em criança.
Claro que o sono e o sonho são imprescindiveis.

beijos

SENSEI disse...

Não te gostas de deitar?!... Pois eu acho que gostaria muito de um dia me deitar e, no acordar ao dia seguinte, encontrasse um mundo que fosse a antítese deste, estaria então a sonhar?!... Ou seria uma realidade contrastante com a que existia quando me deitei?!... Terá sido um pesadelo?
Por vezes tenho a noção que este mundo e, muitas das suas gentes, são irreais, ouço-os, mas nem sequer consigo acreditar no que dizem ou fazem, estarão ali para me testar?!... Serão elas projecções do meu lado negativo?
Serão realidades cruéis de um mundo injusto, que acreditam no que dizem?!... Falam com a convicção de quem se recusa a ultrapassar a fasquia, a fasquia da nua e crua realidade, negam-na, pura e simplesmente, constroem as suas argumentações sem sapatas, autênticos castelos no ar, mas quando olho bem, abaixo da linha da visibilidade induzida, vejo que não existem de facto sapatas, mas sim alicerces que saem das costas do povo, de homens, mulheres e crianças, curvados pelo único direito que lhes resta na apregoada universal liberdade democrática neo-liberalista, o direito de morrerem à fome.
Acordo!... Será que foi um sonho?!... Ou é uma realidade?
Durante o rápido e pequeno-almoço, ao olhar na caixa do Big Brother, constato o porquê do meu sono matinal, é que afinal não havia sonhado, é tudo real.

Xôxos

Ouss

Zorze disse...

Ana,

"À la noche" vêem os monstros. Cada um tem os seus. A gritaria do silêncio provoca insónias até ao mais incauto.
Nesse aspecto eu estou bem. Deito-me durmo, ressono que nem um animal e acordo, porque, sou obrigado.

Já não tenho monstros e ajudo terceiros a desvincularem-se deles.

Beijos,
Zorze

Ana Camarra disse...

Sensei

Por isso temos que transformar a realidade para o mundo com que sonhamos.


Zorze Ainda estou á espera dessa explicação dos monstros.

Beijos

Anónimo disse...

hum... mas uma vez por outra, em manhãs de chuva, com o tempo frio, é bom preguiçar um bocadinho... não concordas?
beijinhos
pbruno
http://pbruno.wordpress.com/

Anónimo disse...

molto intiresno, grazie