No Feminino



Pronto volta não volta, volto ás canções que me tocam.
As Mariazinhas deste mundo continuam muitas vezes a ser seres humanos de segunda classe, trabalham, educam os filhos, gerem diminutos orçamentos familiares, ganham menos que os homens, chegam cansadas a casa apenas para encarar o resto: os tachos, a roupa para lavar e passar, o filho que precisa de mimo, o homem que espera por si…
Não faz muita diferença a Mariazinha andar de carro, de transportes públicos, a pé…
Espera-se de todas as Marias várias coisas, que sejam competentes em tudo, no trabalho, na gestão do lar, na gestão da família, na cama…
Algumas ainda tem como condição outras coisas, a violação, a violência doméstica, a excisão, o serem trocadas como gado, o passar de ser propriedade de um homem, o pai, para outro, o marido.
Ser Mariazinha é mais amargo para umas do que para outras, mas mesmo assim somos irmãs no que nos distingue este cromossoma.

Fica aqui a letra de uma música fabulosa de José Mário Branco


Aqui dentro de casa

Foi há tantos anos, foi há dois mil anos
Que vi no amor o meu Cristo
Que me mostraste um amor imprevisto
Que me falaste na pele e no corpo a sorrir
Meus olhos fechados, mudos, espantados
Te ouviram como se apagasses
A luz do dia ou a luta de classes
Meus olhos verdes ceguinhos de todo para te servir

Mariazinha fui, em Marta me tornei
Vou daquilo que fui pr'aquilo que serei

Filhos e cadilhos, panelas e fundilhos
Meteste as minhas mãos à obra
E encontraste momentos de sobra
Para evitar que o meu corpo pensasse na vida
Meus olhos fechados, mudos e cansados
Não viam se verso, se prosa
O meu suor era o teu mar de rosas
Meus olhos verdes, janelas de vida fechados por ti


Mariazinha fui, em Marta me tornei
Vou daquilo que fui pr'aquilo que serei


Pegas-me na mão e falas do patrão
Que te paga um salário de fome
O teu patrão que te rouba o que come
Falas contigo sozinho para desabafar
Meus olhos parados, mudos e cansados
Não podem ouvir o que dizes
E fico à espera que me socializes
Meus olhos verdes
Boneca privada do teu bem estar



Mariazinha fui, em Marta me tornei
Vou daquilo que fui pr'aquilo que serei

Sou tua criada boa e dedicada
Na praça, na casa e na cama
Tu só vês quando vestes pijama
Mas não me ouves se digo que quero existir
Meus olhos cansados ficam acordados
De noite chorando esta sorte
De ser escrava prá vida e prá morte
Meus olhos verdes
Vermelhos de raiva para te servir
A tua vontade, justiça igualdade
Não chega aqui dentro de casa
Eu só te sirvo para a maré vaza
Mas eu já sinto a minha maré cheia a subir
Meus olhos cansados abrem-se espantados
Prá vida de que me falavas
Pra combater contra os donos de escravas
Meus olhos verdes
Que te vão falar e que tu vais ouvir


Mariazinha fui, em Marta me tornei
Sei aquilo que fui e que jamais serei

Mariazinha fui, em Marta me tornei
Sei aquilo que fui e que jamais serei


(As músicas são cantadas por mulheres, ou escritas sem dúvida a pensar em mulheres)

Comentários

Anónimo disse…
Ana

Não conheço a canção mas é verdade as mulheres são ainda muito descriminadas.
Apesar de ser tudo muito diferente ainda estão em segundo plano em muita coisa e muitos sitios.
Belas imagens e bela música, para não variar.

um beijo

Augusto
Ana Camarra disse…
Augusto

Infelizmente ainda temos que caminhar muito.

beijos
CRN disse…
Isto sería ainda mais dificil sem vocês!
Ana Camarra disse…
CRN - Pois acredito, somos muito competentes, as gajas.


beijo
Fernando Samuel disse…
Nos anos que se seguiram ao 25 de Abril, avançou-se muito, apesar de tudo... Depois, com a política de direita, foi o recuo (como, aliás, em todas as áreas da nossa vida).

Mas a luta continua, pela transformação das mariazinhas em MULHERES...

Um beijo grande.
Ana Camarra disse…
Fernando Samuel

Pois e por este mundo fora ainda é muito pior.
Com esta civilização as mulheres ocidentais ganharam direitos, mas acima de tudo aumentaram os deveres.

Continuamos a lutar.

bjks
Já vi, pelo mundo, mulheres a serem tratadas como animais e a serem obrigadas a trabalhar com os lábios cosidos, para não se distrairem a conversar.
Tudo em nome do prestígio das multinacionais de vestuário!
Ana Camarra disse…
carlos barbosa de oliveira

Pois nesses casos pior um pouco.
E a excisão? Retirar ás mulhreres a possibilidade do prazer sexual, haverá mutilação mais sexista?

bjks
salvoconduto disse…
Até o comboio da história se esquece delas!

Hei-de fazer um post sobre isto.

Abreijo.
Ana Camarra disse…
salvoconduto

Faz sim é giro ver a perspectiva de um homem, ainda por cima um homem com posts tão bons.
Segundo a Mafalda, do Quino, as mulheres em vez de um papel na história tiveram sempre um trapo....

beijocas
Zorze disse…
As Mulheres são verdadeiras forças da Natureza. Sem elas andavamos com certeza perdidos.
Têm o lado emocional mais desenvolvido, às vezes, até demais. Mas são uns Seres irresístiveis.
Eu, por exemplo, não lhes resisto.

Beijos,
Zorze
Ludo Rex disse…
As Mulheres são o Substrato da Humanidade, pena é serem ainda tão discriminadas. A Luta pelos Direitos da Mulher não podem parar.
Um tema que dá muita discussão.
Kiss Grande
Ana Camarra disse…
zorze - Como é isso tem um lado emocional desenvolvido até demais....
Meu rico menino!
Essa agora!


Ludo - Pois infelizmente sempre na ordem do dia, não devia de estar mas ainda está

beijocas
Anónimo disse…
Miuda

Depois á mulheres e mulheres
Mas de facto acho que por um lado para vocês é pior.

beijos

Paulo
poesianopopular disse…
Ana
Já foi pior , mas a luta continua, até á vitória final a igualdade de direitos é a finalidade.
bjos camarada
Ana Camarra disse…
Paulinho, meu menino - Ainda é dificil ser mulher.
Mas também não queria ser homem.

José - è menos dificil hoje, mas ainda falta tanto.

bjks
Opinador disse…
Já se disseram tantas coisas que eu fico sem palavras.
Sem dúvida que as mulheres são uma força da Natureza. Conseguem mover o mundo sem precisarem de alavancas e chegam ao fim do dia sem esgotarem o carinho necessário para serem mães, mulheres e donas de casa.
Se elas um dia descobrem o sofá, não sei o que será do Mundo.
Ana Camarra disse…
Opinador

Muito foi dito, mas ainda falta dizer tanto.
Se uma mulher é competente no trabalho invariavelmente tem o rotulo de ter subido na horizontal.
Se uma mulher opta por não casar e não ter filhos é lésbica.
Se uma mulher é muito bonita é burra.
Se um homem é sexualmente activo é um garanhão, uma mulher em igualdade de circunstancias costumam dar-lhe outros apelidos....

Isto cá na suposta civilização, noutros pontos do globo estamos muito pior, muito mesmo, são vendidas, trocadas como gado e por gado, seres de segunda sem direito a decidir das coisas mais básicas da sua vida.

Portanto podemos descobrir o sofá, mas quando é que descobrem que nós somos apenas a outra face da humanidade?

beijocas
Eduardo disse…
Anita

Tenho estado numa trapalhada que só a tenho lido e não tenho dito nada, até porque por vezes sinto-me pequenino face ás coisas belas, profundas e perturbantes que escreve.
Mas passei para dizer que continuo a vir cá e a adorar, estou viciado!

Um beijo
AnA disse…
E com isto tudo. Vivam as mulheres !!!! ;-)
SENSEI disse…
Pois com esta já é a terceira vez que procuro colocar um comentário neste post, se bem que nas primeiras duas vezes fui interrompido pelas habituais visitas do MAI e dos funcionários públicos da segurança do estado, pois o meu blogue entre muitos e cada vez mais, está considerado como subversivo, eventualmente o teu também.
Mas na terceira foi o computador que se foi abaixo, enfim coisas!

Mas dizia então eu apenas isto:
Se a Igreja Católica fosse aquilo que apregoa ser e fazer, não desprestigiava as mulheres da forma como o faz, não estando só, pois o Islamismo assim como o Judaísmo faz o mesmo, ou não tivessem estas 3 religiões a mesma origem no Velho Testamento Judaico.
É nas mulheres que se manifestam os primeiros sinais de vida, no ventre da mulher dão-se as transformações necessárias à vida, é a mulher que sente esses primeiros movimentos, é a mulher que alimenta essa vida, lhe dá calor, aconchego, alimento, sangue, corpo, amor, no fim e passados 9 meses de gestação da vida, eis que a mulher lhe dá a luz através de dor, sangue, gemidos, lágrimas de alegria e felicidade, continuando a dar a outra face, a face do amor, do alimento do cuidado, do carinho continuado a essa vida até que a sua se esvaia ainda que muitas décadas depois.
Não há neste mundo homem ou mulher que não tenha saído de uma MULHER, a mulher é VIDA.
Se de facto a palavra escrita na Bíblia, no Corão, na Tora, é verdade, então sem sombra de dúvida que DEUS é MULHER.

Ouss
Ana Camarra disse…
Sensei

Pois não és o primeiro a queixar-te de mandar comentários que não chegam.
Quanto ás Religiões, quase todas são redutoras para a mulher, somos mesmo a face do mal, do pecado, da tentação, isso está muito enraizado.

beijos
Ana Camarra disse…
Eduardo - Obrigado.

Ana - VIVAM!

beijos