sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Um imenso Portugal...



Um dos sonhos do Império sempre foi um Portugal Intercontinental de Portugal a Timor, acho que era isso…
À conta dessa brincadeira ainda tivemos uma guerra fratricida em pleno sec XX que nos desgastou a todos os níveis com sequelas brutais.
Tenho cá para mim que os Portugueses não se lançaram nos descobrimentos marítimos por nenhum acto heróico ou por espírito de aventura, foi mesmo por necessidade e falta de outras oportunidades….
Para trás tínhamos a Espanha, ou melhor Leão e Castela, naquela época mais forte militar, politica e economicamente e verdade verdadinha é que estávamos de tanga (onde é que eu já ouvi isto?). Portanto só nos restava partir…
Mas lá diz o ditado “Ao menino e ao borracho Deus põe a mão por baixo!”, lá se safaram, mais ou menos, porque de facto oscilamos, enquanto país, entre atitudes infantis e outras que só podem ser assumidas como coisas de ébrios.

Agora parece que o sonho se cumpre da pior maneira:
Temos zonas desertas, pobres, como Cabo Verde
A instabilidade de Timor
As praias magnificas ao abandono ou reservadas aos muito ricos como Moçambique
A possibilidade de contactar diariamente e massivamente com a cultura chinesa
Estamos a tentar esforçadamente que o nosso sistema de saúde rivalize com a Guiné
A corrupção que rivaliza com Angola
A violência e as autoridades impotentes como no Brasil

Falo disto por um motivo simples, as noticias que nos atingem de assaltos a multibancos em átrios de Tribunais, de Agentes da PSP agredidos nas Esquadras, Juízes agredidos, acampamentos e levantamentos populares á porta de Câmara Municipais, por fim o assalto e sequestro de ontem, levam-me a pensar que acima de tudo espalhamos um gene recessivo que está a ser preocupante.

Parece que em todos os territórios que tocámos deixámos macula, e pouco mais que isso, há já me esquecia deixamos um aeroporto em Macau, mesmo antes de virmos embora, que ainda serviu para encher os bolsos de alguns governantes….

Enfim os povos da Lusofonia merecem-me o maior dos respeitos e tenho muita pena de constatar que de uma forma geral andamos todos a regredir….

16 comentários:

Capitão Merda disse...

Não me revejo no conceito de "lusofonia"!

Anónimo disse...

Anita

De facto todas estas noticias deixam-nos pensativos...
A escalada de violência e corrupção é preocupante, esta música ilustra tudo isto de uma forma espectacular.
A Ana tem o dom de alinhar os meus pensamentos...

beijocas

Augusto

Anónimo disse...

Pois é lindona...
Caminhamos para aquilo que não queremos, aflitivo.
Mas pronto vamos lutando contra isto tudo.
A música está 5 estrelas, não havia melhor.

beijão

Lidia

CRN disse...

Olá Ana,
Prova de que a regressão não é total é este artigo.

Ana Camarra disse...

Capitão - Neste Lusofonia eu também não me revejo...

Augusto - Pois temos que alinhar pensamentos e fazer qualquer coisa para mudar isto.

Lidia-Vamos sempre lutando.

crn-Obrigado a tua opinião vale muito.

beijocas

AnA disse...

Só me tenho uma coisa a dizer.....não ponham mão nisto, que não é preciso!!!! :-\

Bjoo

SENSEI disse...

Pois é, foram em cascas de noz para o oceano, porque os Castelhanos fizeram uma contenção à proliferação de vírus.
Foram então tocando aqui e ali, tudo contaminando com os seus genes regressivos.
A prova é que, quando não estão de trela, bem apertada criticam a liberdade que têm, quando a trela surge abraçam-na de alma e coração, uma vez mais e ao fim de muito tempo, quando se libertam ou são libertados, é fugaz a sua liberdade e, mais uma vez invadem as liberdades alheias, querendo cada um ter a sua própria trela, organizando-se em partidos onde a corrupção grassa como areia num deserto, sobre a égide de uma democracia sempre adiada por actos governativos de quem mente, suportados por um povo que teima em ser um vírus letárgico e profundamente ignorante.

Salvam-se alguns, felizmente e, tem de ser com esses que a Lusofonia na sua origem, possa um dia ser algo de que todos nos orgulhemos.

poesianopopular disse...

Eu nunca me identifiquei, com a esttória dos descobrimentos, nós "os portugueses, fraceses, ingleses, belgas, holandeses, alemães,espanhóis, a escumalha que hoje dá pelo nome de Europa, foram autenticos salteadores, e assassinos dos povos de África, Ásia e América Latina.
Hoje estamos todos a pagar a factura, de uns quantos que continuam a explorar as riquezas desses continentes, apoiando governos fantoches, que colaboram na exploração, dos naturais. originando grandes fluxos de imigração clandestina, com todas as repercussões negativas que isso implica.
Minha amiga sabes da estória tão bem como eu, não é por acaso que estamos na mesma luta.
Bjos

José Gil disse...

A nossa História é uma das mais ricas do planeta. Sim escravizamos povos, sim explorámos povos por esse mundo fora. Terá sido a ganância ou a aventura que nos motivou a partida para as descobertas? Talvez tenha sido um pouco das duas.

No entanto, tanto no seu artigo, como nos comentários que li, considero que existe alguma injustiça nas palavras, pois o nosso comportamento (e o dos povos europeus) não foi muito diferente dos Romanos, dos Egipsios, dos povos da América Central e do Sul e de África (veja-se o caso dos ZULUS). Todos estes povos que referi guerrearam, conquistaram territórios pelos seus recursos e escravizaram os que perdiam as guerras. Esses eram comportamentos aceites à altura, mesmo que hoje sejam atitudes completamente incompreensíveis. A guerra era uma coisa natural entre os povos. Hoje com o avanço da civilização talvez já não devesse ser, mais ainda é. É mais fácil resolver as diferenças à porrada do que pela via pacífica. POr muito que evoluamos continuamos a apresentar comportamentos que são ancestrais.

Só mais uma coisa Ana. Não compare a corrupção em Portugal com a de Angola, pois não é comparável.

Um beijo

Ana Camarra disse...

Ana - Pois temos que começar a por mão nisto e depressa.

Sensei - Pois é

José (Poesia) - Pois não é por acaso com toda a certeza.

bjks

Ana Camarra disse...

José Gil

Merece-me a consideração de uma resposta maiorzita.

1º-A nossa História é riquíssima, mas a necessidade aguça o engenho, foi a necessidade que nos impeliu a partir. Mais que tudo. Não acredito tão pouco que foi a ganância. Aventureiros, claro. Tínhamos também condições excepcionais, a costa, os saberes deixados pelos mouros sobre navegação (astrolábios, etc.), foi toda uma conjuntura, impelida pela necessidade.

2º Os comentários são de quem os escreve.

3º Todo o conquistador viola, mata, esmaga, todo….nós apesar de tudo nem teremos sido dos piores, mas assim funciona a lógica da subjugação dos povos.

4º A Corrupção não sou eu que comparo, é o bastonário da Ordem dos Advogados é o Procurador-geral da Réplica, por exemplo. Não digo que é igual digo que rivalizamos, nalgumas coisas desculpe-me mas sim rivalizamos, a impunidade de certos mega casos judiciais que acabam no vazio, são estranhos e inquietantes, as ligações entre empresas e políticos, entre ex-governantes e banca, prestam-se a muitas suspeita-se.

Mas acabo com esperança, reparou, tenho mesmo muita esperança que é possível um mundo melhor para todos.

Um beijo

José Gil disse...

A esperança é a última a morrer!! (acho que se algum dia tiver uma filha, chamo-lhe esperança... LOL)

Continuo a dizer que não tem comparação, mas a Ana teria de ver "in loco" para perceber.

Um beijo

Ana Camarra disse...

José Gil - Não vi porque nunca lá fui mas conheço quem foi, familiares directos inclusive, e sei mais ou menos.
è claro que cá não é comparevél de todo, mas começa a ser preocupante.

beijocas

Ana Camarra disse...

José Gil

Esqueci-me não faça isso á criança...

Anónimo disse...

Conheço Moçambique (e lá vai mais um suspiro)...
pbruno

Ana Camarra disse...

pbruno - eu ainda não conheço (lá vai um suspito também)

beijocas