terça-feira, 5 de agosto de 2008

Pinturas

Apesar de comunas, éramos pequenos burgueses…
Lá em casa toda a gente era dada á arte, visitávamos Museus e edifícios históricos, tínhamos uma biblioteca considerável, ouvia-se muita música: clássica, godspel, jazz e musica de intervenção ás escondidas.
Mesmo assim não havia dinheiro para ter obras de arte originais, claro…
Então o meu pai adquiriu estampas, reproduções de museus, que me acompanharam toda a vida…
Três delas em particular, que me marcaram os gostos pela pintura, embora depois tenha adquirido outros, estas tem um lugar especial.
O meu pai emoldurou as reproduções e estavam espalhadas pela casa.
O Semeador de Van Gogh

Em pequena tinha pena daquele homem, rude sem dúvida, que se perdia a semear aquele campo ainda hoje adoro os quadros de Van Gogh, uma mistura de inquietação e calma, hoje sabemos porquê.

Irene de Renoir, esteve sempre no quarto dos meus pais, nas manhãs que me enfiava sub-repticiamente entre os dois mirava aquela menina de olhar sereno, pensava que tinha um peixe na cabeça…. Chamava-lhe a menina do peixe…

Por fim a Guernica, o meu pai comprou e emoldurou três exemplares, um lá para casa outro para cada cunhada, eram grandes, o nosso ocupava lugar de luxo, sobre o sofá, foi um erro, aos cinco anos de idade decidi que lhe faltava cor, fiz concorrência ao grande mestre e colori o quadro em cima do sofá armada de lápis de cor, colori tudo muito
Direitinho dentro dos riscos, mas com o tempo o meu pai retirou o quadro.

Quando me queriam ver sossegada passavam-me para a mão uma pequena colecção de livros sobre pintura, só tinham imagens de quadros: Renoir, Toulose Lautrec, Gaugin e Degas…
Foi assim que comecei a gostar de pintura….

19 comentários:

CRN disse...

O primeiro não é mau, depende dos olhos que o contemplem. O segundo é uma ode anti-fascista superior.

samuel disse...

Os anos vão passando e aparece sempre mais uma "versão" da Guernica para nos surpreender...
Essa às cores, gostava de ter visto. :)

poesianopopular disse...

Ana
-e então, só continuas a gosta ? Ou tambem?
Ás vezes é preciso ousar, amiga!
Bjo

SENSEI disse...

Um dia um coronel alemão, das Waffen SS, ao olhar para o quadro Guernica, pintado por Pablo Picasso em 1937 por ocasião da Exposição Internacional de Paris, exposto no pavilhão da República Espanhola e, após Guernica ter sido bombardeada pelos nazistas em 26 de abril de 1937, durante a Guerra Civil Espanhola, (tendo inspirado Picasso na elaboração do quadro) pergunta-lhe:
Foi o senhor quem fez isto?
Ao que Pablo Picasso lhe responde:
NÃO!... FOI O SENHOR.

Guernica: o horror da Guerra
No dia 26 de Abril de 1937, às 16.40 horas, Guernica, uma pequena cidade basca, foi bombardeada por parte de aviões alemães (Legião Condor) por ordem do General Franco.
Dos 7000 habitantes, 1654 foram mortos e 889 feridos.
Foi considerado o primeiro ataque aéreo da história feito a uma localidade desmilitarizada.
Ao todo, 600 mil pessoas morreram durante os três anos da Guerra Civil Espanhola (1936-1939), que contou com a ingerência estrangeira de 40 mil voluntários das Brigadas Internacionais, em apoio aos republicanos, e outros 60 mil que lutaram ao lado dos nacionalistas de Franco.
A Guerra Civil Espanhola serviu como uma preliminar da II Guerra Mundial para os fascistas.

Ana Camarra disse...

Crn Devias querer dizer o terceiro, mas eu percebi.

Samuel - Era uma versão pós modernista, tipo Miró...

José - Já pensei nisso, talvez qualquer dia...

Sensei - Já conhecia é tremendo o que fizeram em Espanha...

beijocas

Anónimo disse...

Ana

Não conheço muito de pintura, mas não me surpreende que a Ana conheça...
Mas olhando assim gosto, gosto do anterior do beijo, gosto da menina do peixe, e o Picasso aprendi o que era e faz sentido...

beijocas

Augusto

Rei da Lã disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Camarra disse...

Augusto - A pintura é um gosto adquirido...

Rei da lã - Só ovelhas, não?

beijocas

Anónimo disse...

Lindona

Qualquer dia acabas na televisão a substituir o Nuno Rogeiro, que ainda assim também é pessoa que percebe de tudo...
Com a diferença que és muito mais gira, olaré, muito mais...
Subiam logo as audiências...

beijão

Paulo (El niño)

Anónimo disse...

Pois é miuda

Ainda não arranjei tempo para o café, achas isto normal...
Pois a pintura se não fosse contigo a certos sitios, como a Bienal da Festa do Avante, ainda gostava daqueles quadros do menino da vela com a lágrima a cair, o que vale é que te és a minha estrela guia...

beijocas

Lena G.

(o niño tem razão eras boa na tv, muito melhor que o Nuno Rogeiro)

Ana Camarra disse...

Lena e Paulo

Tanta considferação deixa-me de rastos...
Agora um lugar na TV só se fosse daqueles programas de viagens, andar a experimentar hoteis, spas, ilhas paradisiacas, etc...
Isso é que é uma profissão de sonho!

beijos

salvoconduto disse...

Que bem se encaixam estes três quadros com a música de fundo, um delicioso quarteto de cordas.

Então já em miúda pintavas...

Abreijo

Ana Camarra disse...

salvoconduto - Quer dizer pintava, estragava...
hoje tenho pena, mas na altura pareceu-me absolutamente lógico...
A musica também gosto, claro!

beijocas

Ludo Rex disse...

Requinte no gosto e na forma. Como nos disse Leonardo Da Vinci, a pintura supera toda a obra humana pelas possibilidades subtis que encerra... Boa música neste Blog.
Kiss

AnA disse...

Originais cá em casa, só mesmo os que a minha cria faz. :)

beijinho

PDuarte disse...

não sou um expert em pintura mas sei que quem aprecia, assim ao mais infimo pormenor, possui uma sensibilidade superior. será por certo o teu caso.

Ana Camarra disse...

Ludo - Leonardo dá direito a um postão, génio puro...maravilhoso, Mozart era outro génio.

Ana-De certeza que são limdos de morrer, eu tenho muitos dos meus meninos guardados...

pduarte-estás a valorizar-me muito amigo, sensibilidade e bom senso são as tuas crónicas de Portugal, isso é que é...se publicares deixas-me fazer o prefácio?

beijocas

Zorze disse...

Ana, belo post e belas pinturas.
Quanto a Guernica fizeste-me releembrar muita coisa. Fiz no séc. passado uma viagem por Espanha e tive a oportunidade de ver este quadro in vivo em Madrid. É verdadeiramente assombroso e comovente, mede 350cm por 782cm.
É um quadro que não tem preço.

Beijos,
Zorze

Ana Camarra disse...

Zorze

Adorava ir ao Prado, anda irei....
A arte não tem preço...

beijocas