sábado, 16 de agosto de 2008

Máscaras



Hoje começo quase de férias.
Vou ter um almoço longo recheado de amigos dedicado a um amigo, rabugento e belicoso, que no fundo todos sabemos ser um doce, sensível e amigo capaz de qualquer rasgo para ajudar o próximo.
Só usa aquela máscara do mau.
Vai lá estar quem usará a mascara do palhaço.
Todos usamos máscaras em determinada altura.
A máscara da boa educação com pessoas que nos apetece ignorar, no mínimo.
A máscara da coragem, quando por dentro choramos assustados como quando tínhamos cinco anos e a enfermeira se aproximava com a seringa, e agora temos 30, 40, 50, não é seringa da enfermeira que nos assusta, são outras coisas, a espera do olhar do médico sobre o exame, estarmos parados na maca antes do Bloco Operatório e ninguém nos ligar, somos uma coisa, um pedaço de carne e não sabemos como vai ser.
Pomos a mascara da coragem.
Pomos por vezes a máscara do saber, os nossos filhos olham-nos com olhares inquietos e a certeza que sabemos tudo, tudo resolvemos e não que não sabemos do e que temos dúvidas sobre como resolvemos as coisas pomos aquela máscara e continuamos.No entanto existem máscaras que não devemos nunca de usar: a máscara do Amor, a máscara da amizade….aí é usarmo-nos desmascarados…

16 comentários:

korrosiva disse...

Infelizmente somos "obrigados" a usar as tais mascaras no dia a dia.. mesmo que não nos sintamos assim temos de alguma forma nos enquadrar nas mascaras alheias...

É fabuloso chegar a casa e despirmo-nos de roupas e das tais mascaras e ficar a nu, de corpo e alma.

Bom fim de semana e umas optimas férias

Atever disse...

A vida é um teatro e a casa, com a família, é o camarim onde ao fim de cada espectáculo podemos tirar a máscara e sermos nós.
E como é difícil, por vezes, termos de assumir "papéis" tão importantes como o de sermos os pais que tudo sabem e tudo resolvem quando, na realidade, sentimos que não somos nada perante as adversidades da vida.
Sermos fortes quando tudo à nossa volta se começa a desmoronar, demonstrar valentia quando nos sentimos os seres mais pequeninos e indefesos... mas é a vida.

Já vi que recebi a tua visita diária e fiquei muito sensibilizado.
Mesmo sem saber segui o teu conselho à risca. Muita cerveja, muita cadelinha (e os caracóis que levei de casa eheheh) e um desligar quase total do mundo real. Para “esse” cá ficaram os restantes trezentos e muitos dias que restaram das duas semanas de férias.
Espero que tenhas umas férias pelo menos tão boas quanto as minhas, que foram "pobrezinhas" mas relaxantes e sem grandes complicações ou preocupações com a vida.
Sabe bem tirar a máscara em público, nem que seja uma vez por ano.
Beijinho e cuidado com a cerveja. Não a entornes que está cara eheheh.

SENSEI disse...

Então e a máscara do Zorro? Heim!... O gajo é um mariconço muito rico, mas que quando coloca a máscara ou mascarilha e se veste à gótico, vira um herói defensor do povo, sempre retratado como pobre, sujo e muito estúpido, então o herói mascarado luta contra os beras que são assim uma espécie de xerife de Nottingham, com floretes e Smith & Wesson 45 com algumas Winchesters à mistura, só o povo usa cajado e picareta, ainda hoje estou para saber a utilidade de uma picareta na agricultura mexicana!

Mas assim são as máscaras. Também por cá temos muitos zorros, colocam as suas máscaras e depois vão para a televisão defender o povo, mas desde que o povo esteja e fique por lá na frente dos televisores, que eles não querem misturas, assim quando abandonam o lugar de projecção pessoal que as TV's lhes concedem, retiram as máscaras e, lá voltam a ser os mesmos mariconços de sempre a abrirem-se todos para os Nottingham e a fornicarem o Zé povinho porco e sujo como eles o vêem.

Ana Camarra disse...

Korrosiva – Uso o menos que posso, mas por vezes somos mesmo obrigados…


Atever – Ainda bem que voltaste, o prometido é devido eu disse que ia lá todos os dias…Não gosto de cerveja, de resto gosto de tudo quanto é alcólico, bebo outras coisas.

Sensei – Não estava para aí virada mas também está bem….

Beijões

CRN disse...

Olá Ana,
A mascara é o artefacto mais potente dos governos do nosso país, é com a tal que nos impedem ver quem são, o que querem, onde nos olham, como nos olham. Para ouvir os nossos governantes, estes e os anteriores, desde há 33 anos, só com mascara, de outra maneira arriscar-nos-iamos a levar com algum gafanhoto, o despotismo é tal que -caso do actual ministro-até cospem quando balbuceiam.

Cumprimentos.

CRN disse...

Olá Ana,
A mascara é o artefacto mais potente dos governos do nosso país, é com a tal que nos impedem ver quem são, o que querem, onde nos olham, como nos olham. Para ouvir os nossos governantes, estes e os anteriores, desde há 33 anos, só com mascara, de outra maneira arriscar-nos-iamos a levar com algum gafanhoto, o despotismo é tal que -caso do actual ministro-até cospem quando balbuceiam.

Cumprimentos.

dri disse...

Ana,máscaras há muitas,é só escolher.
Também as uso,como toda a gente,no meu quotidiano e nas relações com terceiros.
Podemos pôr máscaras,e fazêmo-lo,porque as situações a isso nos obrigam,mas o que interessa é sabermos quem somos para além da máscara.Não nos mascararmos para nós próprios!Sabermos quem é a pessoa que nos olha no espelho...Isso é que conta.
Fique bem na companhia dos seus amigos e excelente almoço.
Dri

samuel disse...

É bom reconhecermos a nossa própria cara quando passamos por um espelho... ou naqueles raros instantes em que nos vemos reflectidos no centro dos olhos de alguém.

Abreijos

Ludo Rex disse...

Bonita reflexão... O amor arranca as máscaras sem as quais temíamos não poder viver e atrás das quais sabemos que somos incapazes de o fazer...
Kiss

mugabe disse...

Como tens razão Ana......mais uma vez umas belíssimas férias !!!

salvoconduto disse...

Tens razão a vida hoje em dia é uma mascarada, alguns exageram de tal maneira que não sei como se conseguem ver ao espelho, outros a máscara colou-se-lhes de tal maneira que já a não conseguem retirar.

Que bom podermos olhar-nos ao espelho.

Desanuviando, máscara de coragem em frente a uma enfermeira com uma seringa? Vai lá vai, ainda hoje quando tenho que ser espetado, digo sempre, oh senhora enfermeira, arranje aí uma agulha fininha...(com aquela máscara de paridinho)

Ana Camarra disse...

CRN – Pois são….mascarados e querem fazer de nós palhaços.

Samuel – Pois a nosso imagem é preciosa, mais que a imagem a imagem que reflectimos no intimo de nós próprios.

Dri – Obrigado, volte sempre!

Ludo Rex – O Amor vence tudo arranca mascaras e mostra nos em toda a nossa verdade

Mugabe – Obrigado, amigo.

Salvoconduto –Pois também não gosto da agulha da enfermeira, mas sou crescida faço-me de forte conto até cem mentalmente e faz de conta que estou dentro de água….

Beijões

poesianopopular disse...

Diz lá que não´te satisfaz a mascara do super cinismo, quando sentes que alguem é cínico contigo!
É tudo uma questão de aprendizagem, ou de sobre-vivência.
Ana ...este teu post é pretinente!
Bjo amiga

zeca gallo disse...

Pois que vivam as máscaras... se vierem por bem!

Não sou muito carnavalesco mas confesso que, por necessidade, algumas tenho de usar algumas. Como toda a gente, penso eu.

BOAS FÉRIAS.

Zorze disse...

Ana, gostei deste post. Por quem se interessa pelo estudo e compreender a natureza humana tem sempre que passar pelas máscaras sociais. E todos nós as usamos.
Uma para o emprego, outra para a família, outra com os amigos, outra para com desconhecidos, etc...
Quanto mais conhecemos as pessoas mais capacidade ganhamos para "ver" a pessoa atrás da máscara.

Beijos,
Zorze

Ana Camarra disse...

José (Poesia) Sabes a mascara do cinismo é muito dificil eu colocar não consigo, em ultima instancia os meus olhos atraiçoam-me sempre.

zecca - Também não sou muito carnavalesca, mas é como dizes lá temos que usar algumas...

zorze - è muito bom quando conhecemos as pessoas assim desmascaradas e desarmadas.


beijocas