Os meninos mal amados





Já falei aqui de vários meninos, os meus, os perdidos, os Papalaguis, hoje falo dos meninos mal amados.
Nenhuma criança devia nascer sem ser querida, muito querida mesmo.
Existem milhares, milhões de crianças que nascem logo a ser rejeitados por quem os devia considerar um tesouro.
Para dar amor a uma criança através de um processo de adopção são necessárias imensas burocracias, é um processo de amor incondicional, uma criança que não foi gerada por nós mas que ainda assim queremos para lhe proporcionar todo o carinho do mundo.
No entanto se para adoptar uma criança são necessários imensos requisitos, não digo que esteja mal, para fabricar uma criança mal amada basta ser fértil.
Não preciso ter estabilidade económica, não preciso ter uma família estável, um lar, ser saudável, ter sanidade mental, não preciso estar livre de dependências, nem tão pouco é preciso amar, basta tão pouco ser fértil.
È ver as crianças negligenciadas, não só as que não têm o básico, mas também as que estão cheias do supérfluo mas que ainda assim falta-lhes, o colo, o afago, o carinho, o bem-estar emocional.
Abundam, infelizmente.
São os casos que os jornais e televisões nos oferecem, os meninos espancados até á morte, estrangulados á nascença, abandonados á sua sorte, violados, feitos joguetes em mão de quem os devia de proteger contra tudo.
Depois é ver esses meninos mal amados, que crescem pessoas mal amadas que irão propagar o seu desamor.

Comentários

goleador disse…
mal amados??? tambem muitos crescidos
Anónimo disse…
Miuda

Lá andas tu sempre preocupada com viuvas e orfãos, por isso é que tens sempre malta á babugem de ti que nem uns cães esfaimades.
Não sabes que não podes carregar o mundo ás costas já estás crescida.
Mania de seres Madre Teresa, muito mais pelo menos, mas Madre Teresa.
Já estou como esse da bola eu também sou mal amado e não me passas cartuxo nenhum, mas é melhor não que o teu gajo não para brincadeiras....
Também para perder amigos...

Arrebita PORRA
Escreve sobre Concertos de Verão
Sobre a gente na praia quando eramos miudos a fazer avarias
isso é que é

BEIJÕES

Paulo (el niño)
Anónimo disse…
queria dizer Muito Mais GIRA, Mas MUito Mais Mesmo

Bué
Anónimo disse…
Ana

A sua sensibilidade é uma coisa impressionante, aproveito e comento este texto e o anterior, uma pessoa como você é mesmo um Grande Ser Humano.

Muito Obrigado
O seu espaço reconforta
Eduardo disse…
Ana

Que belas palavras
Que belas imagens
Que música linda

Parabens e obrigado

Permita um Grande Beijo
Eduardo disse…
Ana

Que belas palavras
Que belas imagens
Que música linda

Parabens e obrigado

Permita um Grande Beijo
Anónimo disse…
Será que é como na música
è perigoso a gente ser feliz?
Anónimo disse…
Ana

Tenho estado á espreita á espera
Mais uma vez lindo
poesianopopular disse…
Tudo isto é o reflexo da sociedade que somos, pensamos que somos livres mas, somos mais dependentes que nunca, depois por arrasto vêm estes problemas todos.
Já o poeta Augusto Gil dizia, "mas as crianças Senhor, que mal fizeram as crianças" e os pais que tambem já foram crianças , que mal fizeram, e os avós.
Tudo tem um início, é preciso ir lá e rectificar! Bora!
Anónimo disse…
Dona Ana

Venho cá muitas vezes sou um grande admirador deste seu espaço.
A sua escrita é acutilante, mordaz e sensivél, embora por vezes não estaja de acordo com as suas posições, expressa de uma forma clara e educada.
O cuidado com as músicas e imagens também é de louvar.
Vi que lhe fizeram algumas criticas, não ligu passe á frente.
Advinho em si uma pessoa de grande sensibilidade e intelegência.
Espero que continue por muito tempo mais com esta cabeça fresca.

Cumprimentos
Anónimo disse…
Fofinha

Esta música é um portento, grande Circo Mistico.
Podia ter sido escrita para ti, és uma estrela, tão preciosa que pareces mentira, obrigado pelo teu mail.
Agora precisas tu de força, linda, quando quiseres cá estou.
Ainda bem que por um bocadinho faço parte da tua vida.

Um grande beijão

Lena G.
Anónimo disse…
Ana

Não tenho podido comentar, mas venho cá sempre.
Esta altura começa a haver pessoal de férias e tenho de ser 2 ou 3.
Bela conversa sim senhora, o que não falta para aí é disso, crianças mal amadas e já agora adultos...

Grande Beijo

Zé Manuel
Ana Camarra disse…
Goleador – Pois mas os crescidos tem outras defesas, talvez também não saibam amar?

Paulinho, meu menino – Mas tu achas que agora é que vou mudar? Mais vale torcer que quebrar.

Anónimos e Eduardo – Obrigado e ser feliz não perigoso é necessário

Capitão – De si não esperava outra coisa

José (Poesia) – tens muita razão camarada

Anónimo das 17h42 – Muito obrigado e seja bem vindo, comente sempre, a cabeça olhe isto tem dias…

Lena – Tu é que és uma boa amiga.

Zé Manuel – Aguenta-te á bronca para uns irem de férias os outros aguentam, quando fores de férias alguém aguentará por ti.

Beijocas a todos
SENSEI disse…
Amor é amar mas também ser amado!
Também lido muito com crianças, estas são amadas, eu acredito que sim, os pais seguem-nas em cada evento da modalidade, mas por vezes os pais confundem amor com transferência de emoções, as suas.
Lembro um dia que um jovem ao efectuar a sua prestação numa competição, não conseguiu o que habitualmente era seu apanágio, ganhar, logo ao chegar junto da sua mãe, esta repreendeu-o e agrediu-o na face, forçando-me a entrevir para lhe explicar que o importante era ele ter participado e dado o seu melhor, assim esta devia expressar-lhe a sua compreensão e dar-lhe o seu amor num momento em que o jovem já se encontrava melindrado e, com a sua auto estima por baixo, é em pequenos gestos como este que nos apercebemos em como nada está garantido, nem mesmo o amor dos pais.
Os filhos não vêm com instruções!... Mas cabe a cada um de nós quando é chegada a altura de sermos pais, biológicos ou não, amar incondicionalmente os nossos filhos e, fazer-lhes sentir que estamos ali de pedra e cal para os apoiar sempre que necessitarem de nós, eu não quero que os meus filhos sejam os melhores em nada, mas que dêem o seu melhor em tudo o que façam.
goleador disse…
camarrada, claro, claro.
Mas falo de conceitos.
Aquilo que forma mentalidades e permite interpretações diferentes
para o que se escreve.

Para uns é uma coisa para outros é outra.
Zé Ferradura disse…
Os putos, os putos!

Os Putos
Uma bola de pano, num charco
Um sorriso traquina, um chuto
Na ladeira a correr, um arco
O céu no olhar, dum puto.

Uma fisga que atira a esperança
Um pardal de calções, astuto
E a força de ser criança
Contra a força dum chui, que é bruto.

Parecem bandos de pardais à solta
Os putos, os putos
São como índios, capitães da malta
Os putos, os putos
Mas quando a tarde cai
Vai-se a revolta
Sentam-se ao colo do pai
É a ternura que volta
E ouvem-no a falar do homem novo
São os putos deste povo
A aprenderem a ser homens.

As caricas brilhando na mão
A vontade que salta ao eixo
Um puto que diz que não
Se a porrada vier não deixo

Um berlinde abafado na escola
Um pião na algibeira sem cor
Um puto que pede esmola
Porque a fome lhe abafa a dor

(Ary dos Santos)

Cumpts
Zé Ferradura
CRN disse…
Olá Ana,
Uma questão que deve ser fonte de preocupação de qualquer governo, sobretudo depois do problema da Casa Pia, as crianças são o futuro de todos.

Cumprimentos.