Mais umas notas soltas


O dia hoje começou cedinho, por imposição de trabalho e porque, talvez o corpo já pede descanso e fim-de-semana e como tal funciona a antecipação.
O Fim-de-semana prevê-se mais descansado do que habitual, a agenda está quase limpa á excepção da perspectiva de uma caracolada com amigos para encerrar o fim-de-semana.
Portanto as previsões são de calção e t-shirt velhota, no ripanço do lar, se calar com alguma dedicação á culinária, um bocadinho de namoro, um filme, talvez uma saída nocturna para uma esplanada agradável.
No entanto mesmo que eu não queira as coisas, por coisas as noticias, as observações, o dia-a-dia vem ter connosco.
Ontem na peregrinação ao supermercado deparei— me com cenas, que por muito que não queira registei, no balcão do talho uma jovem mulher com uma criança na mão pedia timidamente:
Um hambúrguer de vaca e dois de porco.
Quanto custa?
Quero mais quatro febras.
Quanto é que já está aí somado?
Três costeletas.
Quanto é?
Levo só duas.
Pagou e saiu com ar enfiado.
No final das compras dirigi-me ao cubo Zé (nome carinhoso com que trato o Multibanco, porque estou sempre á espera que o bichinho com aquele ar simpático me faça o manguito a dizer que lamenta muito mas a conta está nas lonas e não levo dali nem mais um cêntimo, que eu devo estar é maluca…)
Á minha frente um jovem casal com um bebé, introduziram o cartão e pediram levantamento a crédito.
Eu sei que é feio espreitar, mas no entanto tanto a aflição deles como as manobras chamavam a atenção.
O cubo Zé deu-lhes várias opções: Citty Banc, Credibom e outra qualquer.
Nas três o Cubo Zé saiu com aquele ar desolado e com um suposto encolher de ombros lamentando que não estava autorizado a tal coisa.
O casal saiu levando um maço de estratos que ia imprimindo a cada tentativa e ela com ar desesperado perguntava- E agora?
Não ouvi a resposta enfiei-me no carro e fui direitinha a casa.
Não ouvi as notícias, fiz greve.

Hoje de manhã consultei as primeiras páginas na Internet e descobri esta colecção de pérolas:

Bastonário da Ordem dos Advogados preocupado com situação social afirma que "Empresas públicas roubam os cidadãos" – Jornal de Noticias

As medidas anunciadas por José Sócrates para a ajuda das famílias mais carenciadas não terão grandes efeitos, diz o jornal Público. Este jornal diz que muitas famílias carenciadas já não pagam IRS e que a redução do IMI não lhes servirá de muito.

O jornal de Noticias dá conta que na Alemanha: Suicídio assistido de mulher saudável lança controvérsia jurídica

Por fim o Semanário Sol informa que João Vale e Azevedo ainda não foi notificado pelas autoridades britânicas sobre o mandado de detenção europeu emitido pelo Estado português, disse à Lusa o advogado Edward Perrott, da firma inglesa que representa o antigo presidente do Benfica

Enfim, Bom fim-de-semana.

Comentários

Capitão Merda disse…
Nada de novo debaixo do sol, portanto.
;)

Bom fim-de-semana para ti também!
Anónimo disse…
São umas atrás das outras.
Já vi que lhe feito o desafio, porque não um livro.
Bom som!
Anónimo disse…
Anita

De facto as condições de vida dos Portugueses degradam-se de dia para dia.
E depois ainda vai o Socrates á Tv dizer que é preciso optimismo.
Eu por acaso precisava mas não consigo.

beijos

Augusto
Eduardo disse…
Ana, Ana

è o retrato do país que temos.
è verdade que você com a sua acutilância mesmo no lagor de repoar o frigorifico não lhe escapa estas coisas.
Já estou como o Capitão, nada de novo!

Agora o Cubo Zé hehehe

Boa!

Grandes Beijos
Anónimo disse…
Cara Ana

Isto é como tudo na vida você procura ver o copo meio vazio mas pode estar meio cheio!
São necessários grandes sacrificios para equilibrar o país e combater esta crise internacional, este chumbo da Irlanda também não ajuda nada.
Aconselho que se dedique a outras coisas.

Cumpts
Eric Blair disse…
e a procura de pão que desceu 20% ... os carros novos sofream um decréscimo de vendas de 30 e tal por cento ... os de gama alta sofreram um acrescimo de vendas ... uma merda, pá; é a americalatinização da crise; já não é a crise do tenho um pouco menos, é a crise do hoje tenho amanhã não. O tal de fosso. Uma merda, amiga.
Bom fim de semana e que não te falte o Nívea )
Anónimo disse…
Caro Anónimo 3...
O Anónimo das 5:13...
Sim, o Sr.
Deus queira que nunca lhe aconteça nada do género a si ou aos seus...
Será possível, no estado em que as coisas estão no nosso país, o sr. continuar a viver numa redoma de vidro???
Um conselho: Abra a pestana antes que seja tarde demais...
Sabe, nem todos os desempregados são párias preguiçosos da sociedade e experimente governar uma casa com 400 euritos...
Faça a experiência nem que seja só para ver o que dá...
Passado uma semana vá oa multibanco buscar o resto para comer durante o mês e perceba que ninguém consegue viver actualmente neste país com ordenados destes...
Aconselho-o a que se dedique a outras coisas como olhar para o lado e ajudar o próximo que deve ser coisa que o sr. faz pouco!!

Aninhas:
Estás proibida terminantemente de ir ao supermercado depois de um dia de trabalho...
mais vale uma depressão destas coisas com a cabeça mais descansada..

Bjos e bom fim-de-semana
Até à caracolada

Margarida
chapa disse…
Deixa lá, não ligues a coisas de nada............................
José Gil disse…
Ok a situação é a seguinte: Estamos no mesmo estado que os países de leste tipo Ucrania, Moldávia, Roménia etc. O que ganhamos não dá para o sustento, pois o valor dos produtos é maior que o vencimento que auferimos.

Ora os habitantes desses países tiveram de emigrar,para países como o nosso, à procura de melhores condições de vida. Hoje a situação de alguns desses países começa a estar mais estável.

Aqui ainda estamos no principio da crise e já isto vai de mal a pior.

No entanto pergunto... Como é possível aliviar a carga aos portugueses? Como financiar o aumento da economia sem desiquilibrar as contas? A resposta é fácil mais produtividade, mais investimento.

Não estará na hora de pararmos para pensarmos todos em conjunto a melhor forma de sairmos desta situação? É que não sei se repararam mas estamos todos no mesmo barco.

Ana um bom fim-de-semana e aproveite para descansar.
Odysseus disse…
Está tudo caro, e as dívidas das famílias oportuguesas disparam, há quem tenha 10 créditos. Credibom..não, credimau. Quem os paga depois?Dívidas.

Cumprimentos

P.S. Bom Filme!
SENSEI disse…
Oh rapazinho anónimo de 4 de Julho de 2008 pelas 5:13!... Deduzo que só possa ser um puto ou uma pita, que se alimenta na teta dos papás, com a mania que é tudo parvo e só você é que é esperto(a), eu diría antes, xico-esperto(a).

É dos tais que afirma que os 3,3 milhões de Irlandeses impuseram a sua vontade sobre os 450 milhões de Europeus, a nova forma esfarrapada de atirar areia para os olhos do incautos, pois é preciso ver que desses 450 milhões, tirando os Irlandeses, logo 446,7 milhões de Europeus, foi-lhes negada a sua participação em referendo com o perigo mais que certo para que a merda do Tratado de Lisboa fosse CHUMBADA, foram precisos apenas 3,3 milhões de Irlandeses e Europeus para que a justiça fosse reposta, ante neo-liberais de índole fascista como o meu caro puto ou pita, pois nem que tenha 80 anos, quem assim pensa ou é saudosista de tempos vergonhosos ocorridos no século XX, ou é inconsciente e não pensa tal e qual certos putos irresponsáveis, que desconhecem a labuta diária da vida.
Eu aconselho-o a que fique no meio dos seus inconscientes e nos poupe às suas balelas de copos meios cheios de merda.
Capitão Merda disse…
De facto, Sr.ª Margarida, trata-se de pessoas que falam de barriga cheia...
É triste, mas é assim!
Atever disse…
De todas as vezes que assisto a cenas tristes dessas, lembro-me de quando a minha mãe, ao fim de um dia de trabalho de sol-a-sol, me mandava ao "Martinho dos Frangos", no Porto Alto (eu morava nas traseiras, num pardieiro de duas divisões com chão de terra), comprar 125G de miúdos de frango para o jantar de três pessoas. Nos dias bons, porque nos dias maus a canja só levava caldo knorr.
Palpites de bandulho cheio, qualquer #/”#$”#/$%&/ sabe dar.
Hoje sou eu que fico de água na boca, a pensar nos caracóis eheheh.
Comemos 3 quilos na semana passada, agora fazemos dieta.
Beijinho e boa caracolada.
Por enquanto ainda se podem apanhar sem tirar licença, mas com o menino de oiro nunca se sabe. A de pesca já voltou e algum dia volta a do isqueiro…
Ana Camarra disse…
Meu querido Capitão – Nada de novo… infelizmente

Anónimo 1- Não sei, tenho de arranjar tempo.

Augusto – Eu também não

Eduardo – O cubo Zé, já o baptizei há muitos anos


Beijocas a todos
Ana Camarra disse…
Anónimo 2 – Retribuo o conselho, dedique-se a outras coisas.
Os sacrifício andamos a faze-los sem resultados práticos há muito tempo.
A Irlanda deu a volta melhor que nós em tudo, principalmente nos subsidio das EU, mas enfim...
Ana Camarra disse…
Eric – è verdade amigo, uma merda. O Nívea não me falta, por vezes falta-me a pachorra para outras coisas.

Margarida – Caracóis no outro sitio do costume ás 19h30, domingo. Não esquecer vinho verde.

Chapa – Eu não ligo


Beijocas também
Ana Camarra disse…
José Gil – Eu cá por mim comecei a produzir aos 19 anos, tenho dias de trabalho de 16 horas por vezes. Sou funcionária pública!
Ou seja sou daqueles a quem andam sempre a pedir sacrifícios e que neste momento são tratados pelo Governo mais ou menos como Hitler tratava os Judeus.
Qual será a solução?
Emigrarmos para a Ucrânia é assim que a balança se altera?
Eu cá não quero, o frio e o tempo cinzento deprime-me e depois rentabilizo menos.
Depois ainda pergunto ao meu amigo: Pensarmos todos?!
Eu penso muito nestas coisas, passam-me pelas mãos muitas cenas destas, ás duas por três, por deformação estou sempre atenta para elas.
Mas desculpe que lhe diga não estamos todos o mesmo barco ou então estamos como no Titanic, há quem viage de camarote com orquestra, piscina e sauna e há os da terceira classe em beliche exíguo a sufocar devagarinho.
A segunda classe já acabou…nós que pensamos que não.

Bom fim de semana
e uma beijoca também
Bom fim-de-semana para sim também, vou seguir o seu conselho e tentar descansar que é o que o médico me manda fazer e eu não faço…
Anónimo disse…
Caro Sr. José Gil...
Essa de estarmos todos no mesmo barco é muito bonito mas o sr. sabe que não é verdade, pois não?
Não sei... Por todos os portugueses auferem o mesmo salário para pagar o mesmo tipo de contas essenciais ex: casa, água, luz e gás!!! Será que actualmente conseguimos pagar isto com menos de 6000 euros por mês com créditos a 40 anos com juros exorbitantes???
Então como é que o sr. pretende convencer o casal com 1 filho que tem um rendimento médio de 800Euros/mês a produzir mais se o ordenado nem chega para comer...
A Filosofia é muito bonita mas não alimenta as barrigas....
Mais produtividade??? Como se as empresas estão a fechar e o desemprego a subir???
Acha que estamos todos no mesmo barco??? Então um dia passe por uma sopa dos pobres ou um dos lares de sem abrigo da Sta Casa da Misericórdia de Lisboa, o dos Anjos é um bom exemplo...
Depois diga-me se estamos todos no mesmo barco...
Provavelmente os nossos governantes deveriam experimentar e deixar algumas regalias que não passam de luxos desnecessários... Os ordenados comparativamente com a média do país já chegam como insulto!!!
Desculpe lá o desabafo mas não devemos filosofar sobre o que não acompanhamos na realidade do dia-a-dia...
Desejo-lhe um bom fim-de-semana!!!

Aninhas desculpa lá o espaço que ocupei, mas não podes reclamar porque agora venho cá e dou-me ao trabalho de comentar...
Isto às tantas é um vício...

Jinhos
Margarida
Ana Camarra disse…
Odysseus – Agora acertaste Credimau, muito mau

Sensei – Quase que não vale apenas responder a este tipo de comentário malcriado e anónimo é dar pérolas a porcos. E se o anónimo achar que estou a insulta-lo paciência, uma coisa é trocar argumentos com pessoal que sabemos que está noutra (José Gil), de forma civilizada com ele diz, outra coisa são provocações de chacha.


Beijocas
Ana Camarra disse…
Margarida - Vem cá que eu gosto.

Prof Atever - Pois é dessas coisas que a malta parece que se esqueceu e estão a voltar outra vez.
Quanto aos caracois e licenças tu vê lá não levantes lebres nem dês ideias a esta cambada ainda se lembram de instalar um quecometro e cada vez que se der uma queca zás aplica-lhe o imposto.
Eu bebo um copo de vinho verde á tua saude, se tiveres muita sorte (e eu também) como uma caracoleta assada a pensar em ti. Juro!

beijocas
CRN disse…
A única forma de evitar o impacto da crise no prato dos Portugueses é obrigar o estado a subsidiar as familias com rendimentos insuficientes, aí é onde o governo deve investir, mantendo dessa forma o consumo, o emprego, a produção nacional e as receitas fiscais, aumentar os impostos às grandes empresas, aumentando o ordenado minimo e, considerando que é na depressão quando se deve investir, apostar na formação ( sobretudo na profissional), devêmos acreditar na capacidade técnica dos Portugueses, na sua natureza inovadora e lembrar-nos que Portugal só foi grande quando investiu na vanguarda.

Todos os demais golpes são tretas!
Ana Camarra disse…
CrN - Estás coberto de razão!
E Manu Chao te gusta?!
Anónimo disse…
Ana

Não sei se o Crn gosta mais a mim me encanta!
Ainda por cima este Mi Vida que é muito bom.
Aninhas descansa e recupera as forças porque nos faz muita falta a tua inteligência e a tua poesia.

Um GRANDE BEIJO
Anónimo disse…
Os comunas são muito giros assim que se diz qualquer coisa toca a ossos e vem tudo acudir.

Tem medo que a menina se ofenda?!
Capitão Merda disse…
E que dizer dos glutões da direita?
Zé Ferradura disse…
Viva,

Sugestão:
Que tal uma visita ao DN de hoje páginas 6 e 12.

A Ana foi ao meu estaminé e parece que estava um poco chateada ou era impressão cá do Zé ?

Bom fim de semana,
Zé Ferradura
Rei da Lã disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
SENSEI disse…
Ao anónimo persistente de 4 de Julho de 2008 pelas 9:01

Estou a ver que é mais um Sócretino, pois todos os que não são a favor destes merdas, são comunas, pois olhe que visitam este blogue muitos não comunas, mas que não são parvos, percebe ou quer que lhe faça um desenho?

Não gosta, não venha e, se quer continuar a visitar evite comentar, para não continuarmos a levar com as suas alarvidades.

Para terminar, não me parece que a "menina" se ofenda com quem demonstra tão baixo coeficiente de inteligência, além do mais, ela sabe se defender muito bem, logo não a estamos a acudir a ela, estamos sim a crítica-lo a si.
Ana Camarra disse…
Anónimo das 9h00-primeiro tenho que acertar o relógio do blogue que as 9h00 são para aí as 18h00.
De resto obrigado era para descansar mas já descobri que vou para a ramboia (eheh)

Anónimo das 9h01-O homem vá lá para a sua rua. Não gosta não venha cá. Juro que não sentimos a falta.

Capitão – Põe glutão nisso!

Zé Ferradura– não tive tempo para ver o DN mas vou ver. Quanto ao resto já mandei missiva a esclarecer.

Rei da lã – Obrigado e bem vindo, tenho muito gosto.

Sensei – Realmente, obrigado, mas ainda me defendo como dizes.

Beijos para alguns
Odysseus disse…
O engraçado, sem graça nenhuma é que, o pessoal que crítica é sempre anónimo.