Cinema






Eu, cinéfila, filha de cinéfilo me confesso:
Adoro Cinema!

Desde os Westerns Spaghettis de Sérgio Leone, devidamente acompanhados com bandas sonoras fantásticas de Ennio Morricone, protagonizados por um Clint Eastwood, empedernido. Bem diferentes dos arrumadinhos com Jonh Wayne.
Aliás Clint Eastwood revelou-se um realizador sensível e fantástico brinda-nos com filmes que falam, de Jazz, Guerra, Boxe, sempre com uma sensibilidade surpreendente.
Sérgio Leone também conseguiu brindar-nos com uma obra-prima antes de desaparecer, o fabuloso Era Uma Vez na América, mais Ennio Morricone, óptimos actores, boa recreação, e outro género que adoro-Gangsters!
Tardes a ver filmes com James Cagney.
Maravilha suprema, todos os Padrinhos, com Al Pacino a crescer de inocente a psicótico e por fim velho em busca de redenção.
Outro favorito Francis Ford Coppola, galeria do coração, tremendo Apocalipse Now, maravilhoso Do Fundo do Coração.
Mais um que adoro Scorcese, perfeccionista, retratista de épocas e emoções, com um actor favorito ou pelo menos recorrente, Robert De Niro, magistral no Touro Enraivecido ou Táxi Driver, ou de facto em quase tudo…
Mas as maravilhas não ficam por aqui, consumo musicais, á pois é, sou capaz de ver pela milionésima vez o Americano em Paris ou My Fair Lady, sem contar os filmes em que Fred Astaire fazia as danças de encantar, como o Gene Kelly também.
Já agora, um filme de gangsters, com música e sapateado, Cotton Club..
Todos de Chaplin, todos mesmo. Já agora Buster Keaton.
Apesar de tudo Errol Flyn.
A beleza intemporal de Rita Hayword, Marlene Dietrich, Laureen Bacal, Ava Gardner, Marilyn Monroe, o olhar enigmático de Bette Davies…
O Cinema italiano, Rosselini e a Ingrid Bergman, o fogo latino e o gelo nórdico imortalizado para sempre na tela…




O oito e meio, La Strada, Silvana Mangano a mondar arroz, Sofia Loren na Ciociara, Mastroianni nos Inúteis, A terra Treme, Ladrões de Bicicletas, o Milagre de Milão, e o grande imenso Leopardo.




A obsessão de Morte em Veneza.
E agora Cinema Paraíso!
Os franceses, a beleza calma de Caterine Deneuve, e a intranquilidade dos filmes de Buñel, Brigitte Bardot, antes de se dedicar aos burros, a imagem do pecado inocente…Jean Gabin.
E agora Amelie, pois claro.
As maravilhas nórdicas, Pelle o Conquistador, Fanny e Alexandre, alguns de Bergman, A festa de Babette…
Caramba o Kubric, grande, grande infinito mestre….
Mas ainda tantos que faltam caramba…
Almodôvar, outra revelação, com quem rio e choro.
O Cinema Inglês e os seu pequenos tesouros, Billy Eliot, Full Monty, Shirley Valentine, Calendar Girls, e mais ainda mais...




Mediterrâneo, filme para rever sem conta, Belle Epoque, também…
Moretti pois claro. Bertoluci, fabuloso 1900, com o Leopardo Burt Lencaster, uns jovens De Niro e Depardieu.
Japoneses também, cheguei a obrigar um grupo de amigos a ver a Sombra do Guerreiro, ainda hoje me recriminam.
Ainda tenho arrepios a ver a Semente do Diabo, Mia Farrow, novinha….Roman Polanski sempre, o amor trágico de Tess.
Milos Forman em todos…
Apaixonei-me pelo Dracula, desejando ardentemente que Gary Oldman me desse uma dentada no pescoço ou um absinto com um cubo de açúcar…
Faltam-me os Portugueses, de agora e de antes, os da América Latina…
O post vai longo e só peca por falhas, nas próximas horas vou-me lembrar de mais 20, 30, 40 filmes importantes da minha vida, actores que adoro, realizadores fantásticos.
O cinema agora é mais portátil, o dvd em casa não chega, as salas são mais pequenas, cheiram a manteiga das pipocas, o meu tio Quitó acha que deviam ser pevides….
Vemos filmes em casa, mas há alguma coisa que chegue ao milagre da sala escura do cinema?!





(vou encher isto de músicas de filmes)

Comentários

Anónimo disse…
Eu fui uma das vitimas da Sombra do Guerreiro, três horas em japonês. Fosga-se!
Quase que te obriguei a comer um quilo de arroz com pauzinhos...
Maluca a miuda...
Mas depois tiveste que ver o Império dos sentidos, muito enojada claro, aquilo é que é cinema de qualidade...
Mas pois miuda, tu livros e filmes é o que se queira, já agora podes fazer um texto sobre o ballett que me obrigavas a mamar também...
Mas faltam-te aí clássicos, o Tarzoon, por exemplo, grande filme...
eh eh eh

maluca, miuda maluca sem remédio, fica assim...

beijão, abração, mais outro beijão

Paulo (el niño)
Anónimo disse…
Ana

O cinema paraiso é mesmo uma ternura, os outros que fala alguns conheço outros não.
Mas o cinema perdeu muito não acha.
Muito efeito especial, pouca criatividade...
Mas as musicas são uma maravilha...
Tenho de ver esse do Fundo do Coração, está sempre a falar nisso, deve ser bom...

beijocas

Augusto
Anónimo disse…
pois então o filme que mais me toca é aos quadradinhos, tipo comedio-tragico de uma mãe e dois filhos como protagonistas.
A mãe sai para trabalhar todos os dias, para ser F**** pelos "camones"(no sentido literário .nem mais nada!!!POorra!!!!!!), e depois ouvir bocas dos professores que devia era ficar em casa a educar as minhas crianças..............

Chiça estou pior que estragada com este guião que teimo em não querer, mas o produtor/director/realizador, dizem alguns DEUS, insiste que sou perfeita para....

À bom dia a todos :)
Rei da Lã disse…
Cinema?
Só se for o Apito Dourado...
Menina Idalina disse…
Ó Ana ! Tens a certeza que não tens acesso á minha tola? Agora é que já não sei que diga ...LOL
José Gil disse…
E a ficção cientifica? Ó Ana sem ficção científica isso fica coxo!!!

E o David Lynch? Hum? com o blue velvet, o Dune (o meu filme de ficção cientifica preferido), o Wild at Heart e uma História Simples?

Ai ai ai ai...

Mas uma coisa é certa... nada ganha ao cinema, como nada bate o cheiro de um livro novo acabado de comprar...

Um beijo e bom dia
Ana Camarra disse…
Zé Gil

A primeira vez que vi o Dune foi no Teatro Cine a um domingo, a conselho de um grande amigo, ao domingo já a máquina do teatro Cine já tinha comido metade da fita, não percebi nada.
Depois vi com mais calma e adorei, tenho em vhs (sem legendas)em dvd, e revejo muito.
Eu avisei logo que falta muita coisa, ficção cientifica, claro, toda a saga Alien, o fabuloso fantástico Blade Runner.
David Lynch outro que adoro, principalmente o perturbador Blue Velvet entre outros....
Não bate o cheiro de um livro isso não...para mim claro.
Já viu o mimo que o André me fez...fiquei derretida meu rico menino, é um fofo.
Eu até tive uma altura que a Lusomundo me pagava mil escudos por filme para verificar se as legendas estavam correctas, era um dinheirito a mais e papava todas as ante estreias, ganhava 20 contos e chegava a fazer outro tanto com esse biscate...
Era uma alegria, mas também tive de ver muito filme de chacha...
Mas continuo a adorar cinema...no escuro tem outro gozo apesar do cheiro enjoativo da pipoca e da falta que me faz um desenho animado a começar....
beijocas
Ana Camarra disse…
Menina Idalina

Estás a ver aquele fime "Quem quer ser John Malcovich?" deve ser uma cena assim, funcionárias públicas, fartas de ser desvalorizadas, inconformadas...
Ainda não estou é reformada!

beijos
Ana Camarra disse…
Rei da Lã

Majestade o Apito Dourado é uma porno chachada...

Anónima das 11h39, esse é o filme das mulheres hoje, andamos sempre em falta, falta de tempo de dinheiro, de apoio ás crias...uma gaita, mude de guião, só um bocadinho.

Augusto-Veja o filme que vale a pena, acho que apesar de tudo o cinema ainda tem coisas boas, veja "Melhor é Impossivél", vive só dos actores, sem artificios, fabuloso.

beijos
Ana Camarra disse…
Paulinho Meu menino

Os teus gostos de cinema são duvidosos, é sexo ou socos bombas e murros nas trombas...
O tarzoon valeu pela plateia ocupada só por nós e pelos comentários of the record.
O resto o Império, pois que é um clássico, mas é andamento a mais para mim...até o ovo caramba...

Tu não serves de exemplo...

beijos
Anónimo disse…
Só quem teve o previlégio de ir ao cinema, ver dois filmes por sessão ao sábado, ao Teatro Cine ou ao Republica (ferroviários) pode falar assim de cinema e ter estes conhecimentos.
Só uma pergunta quem fazia de actor principal nos filmes,Westerns Spaghettis, do Sergio Leone não era o Montgomery Wood que mais tarde se chamou Giulliano Gemma?
"inocente"
Ana Camarra disse…
Inocente

Não sei, se calhar...
Só me lembro do Clint..
Eu era Teatro Cine e depois Quimigal, Tivoli e São Jorge.
Depois o milagre do Nimas que tinha 4 salas e dava para ver vários filmes de seguida.
As histórias do Republica sei pelos meus pais e tios...

beijoca
Anónimo disse…
Anita

Enches-te isto músicas fabulosas tenho estado só a ouvir...
O cinema é maravilhoso e tu também
Para a semana não te escapas ao café e conversa em dia...

beijão

Lena G.
Ana Camarra disse…
Lena está combinadissimo, claro, mas já tinhamos falado nisso.
Eu não sou tão maravilhosa assim e ainda há uns minutos me senti um trapo...

beijoca
José Gil disse…
Realmente o André é um bom rapaz.

Eu tenho a versão comemorativa dos 20 anos do Blade Runner. É uma caixa fantástica.

Um beijo
Capitão Merda disse…
Não desgosto de cinema, mas também não sou propriamente fã.
salvoconduto disse…
Horas e horas de puro prazer!

Quanto às salas de cinema, hoje tenho as minhas dúvidas. Por que raio a sustrona, que está na cadeira à minha frente, com aquele cabelo emplumado não fica quieta com a cabeça, porque raio neste filme de suspense tem que estar este monstro aqui ao lado a desembrulhar rebuçados!
Montei uma sala de cinema e agora ninguém me tira o prazer e com melhor som que em qualquer sala de cinema que eu não brinco em serviço. Também tenho direito à minha estavagância...

Hoje quedei-me aqui no tema da pantera côr de rosa e no Tom Waits.

Abeijo
Ana Camarra disse…
José Gil - O André tem uma combinação genética fantástica, a Isabel e o Zé são 5 estrelas.

Salvoconduto - Pois mas mesmo assim o escurinho do cinema tem outro fascinio, o meu homem também armadilhou tudo, mas ainda assim...
Macinni e Tom Waits é do melhor...
Tens de explicar o que é um Abeijo

beijocas
Excelente selecção, sim senhora! Vi a maior parte deles mas o que me marcou para todo o sempre foi "Cinema Paraíso". É um lema de vida
Zé Ferradura disse…
Ana,

Cá para mim é mais "As palavras que nunca te direi"

Cumpts
Zé Ferradura
SENSEI disse…
Cinema!... Não é à toa que lhe chamam a 7ª arte!

Vi todos os que mencionaste e muitos mais.

Cinema Paraíso, não é um filme, é a arte ganhar vida.

Cotton Club, sem palavras!

Era uma vez na América, fabuloso!

Moulin Rouge, expectacular!

O Piano, arrebatador!

Mediterrâneo, lindo!

Do Fundo do Coração, a pureza da ternura!

Chocolat, divinal!

De Lovely, soberbo!

O Nome da Rosa, elevadíssimo, expectacular adaptação do livro de Umberto Eco.

Os Monty Pyton, sempre irreverentes e de uma expectacularidade inigualável.

A velhinha Pink Phanter, de rir às lágrimas!

Se continuasse, este post terminaria lá para sexta feira.

Obrigado à 7ª arte, por me ter feito, fazer e, no futuro que me for possivel ter, continuar a fazer feliz, assim como a ti.

Ouss
Ana Camarra disse…
Carlos Oliveira - O Cinema Paraiso dá sempre lágrima no olho...

Zé Ferradura - Tenho esse filme e ainda não o vi, tenho de arranjar uma noite sem confusões, reuniões ou outras complicações...
Acho que não vi porque o único livro que li de Nocholas Sparks achei um bocadinho enjoativo. Mas vou ver prometo.

Sensei- Porra falharam os Monty Pyton e todos do Terry Gillian, eu não digo, o De Lovely, pois claro...
só falhas...

beijocas
AnA disse…
olá Ana, também gosto muito de cinema, mas o gosto pelo teatro não fica nada atrás.


beijinho ;-)
poesianopopular disse…
Ana
És quase a cinemateca!
Eu desde quevi "o mundo cãonº2" nunca mais gostei de cinema, só gosto de filmes estóricos, gosto mais de teatro.
abraço
Zorze disse…
Ana, adoro cinema, e cada vez mais gosto de ver em casa. Os cinemas franchisados que andam por aí tornam-se um pouco complicados, ou, é alguém a mastigar pipocas, ou são, os comentaristas de serviço.
E já agora além da pevide, com tremoços também é muito bom.

Beijos,
Zorze
Atever disse…
Quando era mais novo morei perto de um cinema de bairro (Cinema Bélgica, que mais tarde passou a Cinema Universal) e como não havia nada para fazer por 2$50, ia ao cinema duas vezes por semana. Por isso vi tudo o que havia para ver de antes e depois da guerra.
Depois veio a televisão, os vídeos e como entretanto me mudei para longe do cinema, acabei por perder a vontade de ir ao "nimas".
Mas confesso que detesto ver filmes na televisão e continuo a gostar de ir ao cinema. Mesmo com a moda das pipocas e tudo. Mas só vou ao cinema uma ou duas vezes por ano...
Beijinho.
Não tás mal de todo... mas «Dracula» é um filme inconsequente; um tributo a Corman e pouco mais.

E os westerns de John Ford nada têm de arrumadinhos, mesmo com o Wayne.

P. S. Agora até me assustei! Pink Floyd??? Livra-te! :) Dessa época, dos progressivos, Hawkwind e pouco mais.
Ana Camarra disse…
Zorze ainda assim, as salas de cinema ainda tem outro fascinio....
Tremoços, pois também é bom!

Atever Mesmo duas vezes por ano é bom.

beijocas
Talk Talk disse…
Que m�sica fant�stica passa por aqui...

Beijinhos dum Camarro!
Ana Camarra disse…
Talk talk

Camarro?! Quem bom...
Benvindo, agora vou mudar o post e a música...

beijoca
Ana Camarra disse…
Ana- O teatro fica para outro dia...


José - Também gosto de filmes histórticos faltaram esses, então romanos...espectaculo!


Klatu - O draculo tinha um vampiuro divinal, coisas de gaja. Pink Floyd gosto muito, não sou perfeita, sou o que sou. Benvindo.


beijocas
Marreta disse…
DEpois desta dissertação pouco mais há a acrescentar. Pssaste em revista praticamente todo o grande cinema de qualidade do mundo inteiro!
Em mim deixaram marca eterna o Era Uma Vez na América do Leone, Feios Porcos e Maus do Ettore Scola, Cinema Paraiso do Tornatore, Felinni (todos!), O Bom o Mau e o Vilão (outro do Leone), e... tantos outros.
Saudações do Marreta.
Ana Camarra disse…
Marreta

O cinema é um fascinio, ainda assim falharam tantos...
Gosto de todos esses que dizes.
E mais, mais e mais ainda.

beijocas
Ana Camarra disse…
Ó meu Capitão

Nem de filmes de piratas?!
Nem da Revolta BountY, 20000 léguas submarinas, Moby Dick...
Não...
Que pena

beijoca
mugabe disse…
Ana,....vou aqui e agora confessar-te uma coisa: sou um ganda maricas a ver cinema,...cai-me sempre a lágrima no canto do olho!
Vi quase todos os que referiste,...mas olha o que mais me emocionou ultimamente,...vi-o 3 vezes e chorei em todas, foi "O Carteiro de Pablo Neruda" se por acaso não viste,..recomendo-te vivamente! eu que sou cinéfilo desde sempre e realizador caseiro, tenho uma curta,...chamada "Quem és tu?" vai estrear em casa dum amigo meu, antes de ir a festivais.....se for....!!!!
Ana Camarra disse…
Mugabe

Também sou um bocado assimhá filmes que tocam de uma maneira estupida choro sempre no Cor Purpura, no final do Cinema Paraiso, no 1900, mas pronto.
O Carteiro vi sim senhor, gostei, mas o livro ainda é melhor, sabes que depois de lermos o livro, se filme não chega lá é um bocadinho frustante.
E o que me dizes do Mediterraneo, consigo ver sempre, sempre mesmo...
O meu pai tinha uma super8 e filmava umas coisas, principalmente filmava-me a mim...
Eu já escrevi um guião para um documentário politico...
Também me relacionei com um grupo de amigos que faziam cinema de animação.
Nunca mais me zango contigo...
Beijocas