quinta-feira, 29 de maio de 2008

Elogio da Dialéctica



A injustiça avança hoje a passo firme

Os tiranos fazem planos para dez mil anos

O poder apregoa: as coisas continuarão a ser como são

Nenhuma voz além da dos que mandam

E em todos os mercados proclama a exploração;

isto é apenas o meu começo

Mas entre os oprimidos muitos há que agora dizem

Aquilo que nòs queremos nunca mais o alcançaremos

Quem ainda está vivo não diga: nunca

O que é seguro não é seguro

As coisas não continuarão a ser como são

Depois de falarem os dominantes

Falarão os dominados

Quem pois ousa dizer: nunca

De quem depende que a opressão prossiga?

De nòs

De quem depende que ela acabe?

Também de nòs

O que é esmagado que se levante!

O que está perdido, lute!

O que sabe ao que se chegou, que há aì que o retenha

E nunca será: ainda hoje

Porque os vencidos de hoje são os vencedores de amanhã

Bertolt Brecht
(Augsburgo, 1898 - Berlim, 1956)


Fica aqui este poema esclarecedor e intemporal, para quem tenha dúvidas.

6 comentários:

bivolta disse...

Ana,
Oportuna e optima transcrição

Capitão Merda disse...

Eu não tenho quaisquer dúvidas!
;)
Abraço, Ana!

PDuarte disse...

Eu por um acaso duvido.
Acho que os derrotados de hoje jámais ganharão alguma coisa.

mugabe disse...

Olá Anocas....cá estou eu para mandar umas bojardas heheheheheheheh, mentira, claro que me vou comportar...!!

Gostei do blog,..parabens !!

SENSEI disse...

Bertolt Brecht
(Augsburgo, 1898 - Berlim, 1956)

Sem dúvidas nenhumas, é perfeitamente intemporal, tão actual, até quando?!...Até quando?

goleador disse...

A Ana é uma maravilha.
Tão jovem quanto aquilo que transcrveu...
Bjokas