quinta-feira, 10 de abril de 2008

ESTE PAÌS NÃO É PARA VELHOS… NEM PARA NOVOS…NEM PARA OS OUTROS…






















(Fotos testemunham o exodo Português nas decadas de 50 a 70)




È com pena que colecciono estes dados de uma pequena pesquisa, meia dúzia de amigos, conhecidos é rápido:


CASAL A – Pequenos comerciantes na casa dos 50 e picos, fechar o negócio foi o único caminho. E agora viver do quê? Os filhos já estavam em Inglaterra, pois para Inglaterra seguiram. Não estão ricos, mas vivem. Tem assistência médica, habitação.

CASAL B – Ela é arquitecta ele é engenheiro, estão na casa dos 20 e muitos quase 30. Trabalhavam cá numa grande construtora a 3€/hora a recibo verde, sem férias, sem subsídios de Natal, sem segurança, sem dinheiro para chegar até ao fim do mês, a cravar os pais, a adiar os filhos, a desesperar. Já foram…

O JOVEM LICENCIADO 1 – Trabalhava com administrativa, completou o curso foi á luta com seu Curso de Engenharia do Ambiente, trabalhou sempre a contrato, á tarefa, o contrato acaba agora, sem perspectivas. Vai embora…

O JOVEM LICENCIADO 2 – Licenciado em medicina Dentária, sem possibilidades de começar consultório próprio, sem lugar no Serviço Nacional de Saúde ocupa o seu lugar no Serviço Nacional de Saúde no Reino Unido, casou lá, lá teve um filho…

O JOVEM LICENCIADO 3 – Curso Turismo, trabalhos a bochechos, vai para a Suiça…

Este país não para velhos… nem para novos…nem para os outros…


(musica que se propõe para acompanhar "No Expectations" - Rolling Stones e "Clandestino" - Manu Chau)

1 comentário:

anad disse...

Cara Ana
Tudo isto me confunde. Que país temos? Quantos impostos pagamos e para que servem?
Tanta riqueza à vista, principalmente da classe política.
Sinto-me triste...
Ai de quem ama

Quanta tristeza
Há nesta vida
Só incerteza
Só despedida

Amar é triste
O que é que existe?
O amor

Ama, canta
Sofre tanta
Tanta saudade
Do seu carinho
Quanta saudade

Amar sozinho
Ai de quem ama
Vive dizendo
Adeus, adeus

Vinícius de Moraes