terça-feira, 18 de março de 2008

BOLAS DE MANTEIGA


As Bolas de Manteiga são um bolo único, tradicional e característico do Barreiro.
Apenas poderiam disputar este lugar quanto o muito os já desaparecidos Matateus ou ainda As Rochas, iguarias desaparecidas mas que cativaram um lugar eterno na memória colectiva dos barreirenses.
Ao contrário do que se pode pensar os inventores das Bolas de Manteiga não foram os pasteleiros da Pastelaria Moderna, mas sim os donos da já extinta e saudosa Boleira, ali mesmo na Rua Vasco da Gama e posteriormente (e durante muitos anos em simultâneo) na Rua Dr. Câmara Pestana, frente ao Parque.
Durante anos o ti Augusto e posteriormente o seu genro o ti Armindo contribuíram para adoçar a vida dos barreirenses, não só com a Bolas de Manteiga como com todo o tipo de variedade de pastelaria, da mais corriqueira (pastel de nata, mil folhas, queque, solha e afins) á mais refinada (ai os merengues de canela, o duchesse de caramelo e os tambores), nunca mais vi bolos de aniversário como os da minha infância, em vez de massapão de cores berrantes a decorar o bolo tínhamos verdadeiras obras de arte em nougat: pianos, caravelas, pistas de aviação, pistas de corridas, bailarinas….tudo em cima de um pão-de-ló de alta qualidade e sempre com muitos fios de ovos á volta.
Mais, a Boleira do Parque foi ainda durante décadas um local de encontro das famílias barreirenses, o ambiente era isso mesmo, familiar. Ali se discutia cinema, literatura, teatro e pintura. Ali se juntavam e conviviam pessoas das mais diversas áreas e opiniões, deixavam-se recados, namorava-se, conspirava-se contra o regime fascista. Tudo isto servidos por empregados que eram pouco menos que amigos, de onde se destacava a figura carismática do Alexandre, fleumático e com um humor caustico.
Nunca mais um pequeno-almoço teve a magia de uma meia de leite e um croisant de amêndoa servido pelo Alexandre e com o olhar carinhoso da Dª Zulmira ao balcão. Ainda hoje tenho saudades de certos sabores que se perderam para sempre, nunca mais lá entrei com medo de manchar a minha memória preciosa, ainda bem que ficaram as bolas de manteiga…

3 comentários:

chapa disse...

A vida é isso mesmo, um amontoado de memórias, de cores e sabores.
Vivam as bolas de manteiga!

Anónimo disse...

eu pensava que fora a padaria alentejana a inventora dessa especialidade que há muito deveria ser "exportada" para todo o lado - quando aí vou compro duas como nos meus velhos tempos de liceu...

Anónimo disse...

Esta foto não é das bolas de manteiga,ao menos acertem com as fotografias, que não deve ser muito difícil. LOLOLOLOLOL